Leia uma lista dos “direitos” das mulheres sob o islão AQUI.

Exemplos mais antigos estão listados na PARTE 1 (até set/2013) e na PARTE 2 (até dez/2016).

(Você pode estar se perguntando: porque é que eu tenho que me preocupar com isso? Porque esta droga está se espalhando pelo mundo, inclusive no Brasil!)

A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.

Atualizações em outubro de 2019

Gã-Bretanha: Outra gangue de estupradores muçulmanos é condenada na Inglaterra
Eles operavam em Huddersfield, West Yorkshire.
As gangues de estupro, compostas em grande parte por paquistaneses muçulmanos, visam meninas e mulheres brancas. Um deles declarou: “Todas as mulheres brancas são boas para uma coisa, para homens como eu as f**derem e usá-las como lixo, ou seja, todas as mulheres como vocês não são dignas”.
No entanto, a mídia britânica continua atenuando esses ataques contra meninas britânicas, primeiro chamando os homens de “gangues asiáticas”, quando são homens muçulmanos paquistaneses que estão estuprando mulheres infiéis em obediência a decretos religiosos que sancionam a apreensão de mulheres infiéis à vontade. (milk al-yamin, escravas sexuais, as mulheres que sua mão direita possui, conforme o Alcorão 4:24) (Breitbart)

Menina britânica é mantida prisioneira por gangue islâmica por 12 anos e forçada a fazer 8 abortos (Conexão Política).

Casos de mutilação genital feminina mais que dobraram no Reino Unido no ano passado (Europa em Chamas).

Turquia: pregador sunita diz que mulher descoberta é como maçã descascada: atraí germes. Comparam mulher que não se cobre islâmicamente com carne exposta, com bala desembrulhada, com doce fora da embalagem, agora com maçã descascada. Tudo para jogar a culpa do estupro na mulher. (d.tube: https://d.tube/#!/v/joseatento00/dyVH2XwtV68)

https://youtu.be/dyVH2XwtV68

[Read more…] about Exemplos de “Direitos” das Mulheres sob o Islã – PARTE 3

Leia uma lista dos “direitos” das mulheres sob o islão AQUI.

Exemplos mais antigos estão listados na PARTE 1 (até set/2013) e na PARTE 2 (até dez/2016).

(Você pode estar se perguntando: porque é que eu tenho que me preocupar com isso? Porque esta droga está se espalhando pelo mundo, inclusive no Brasil!)

A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.

Atualizações em outubro de 2019

Gã-Bretanha: Outra gangue de estupradores muçulmanos é condenada na Inglaterra
Eles operavam em Huddersfield, West Yorkshire.
As gangues de estupro, compostas em grande parte por paquistaneses muçulmanos, visam meninas e mulheres brancas. Um deles declarou: “Todas as mulheres brancas são boas para uma coisa, para homens como eu as f**derem e usá-las como lixo, ou seja, todas as mulheres como vocês não são dignas”.
No entanto, a mídia britânica continua atenuando esses ataques contra meninas britânicas, primeiro chamando os homens de “gangues asiáticas”, quando são homens muçulmanos paquistaneses que estão estuprando mulheres infiéis em obediência a decretos religiosos que sancionam a apreensão de mulheres infiéis à vontade. (milk al-yamin, escravas sexuais, as mulheres que sua mão direita possui, conforme o Alcorão 4:24) (Breitbart)

Menina britânica é mantida prisioneira por gangue islâmica por 12 anos e forçada a fazer 8 abortos (Conexão Política).

Casos de mutilação genital feminina mais que dobraram no Reino Unido no ano passado (Europa em Chamas).

Turquia: pregador sunita diz que mulher descoberta é como maçã descascada: atraí germes. Comparam mulher que não se cobre islâmicamente com carne exposta, com bala desembrulhada, com doce fora da embalagem, agora com maçã descascada. Tudo para jogar a culpa do estupro na mulher. (d.tube: https://d.tube/#!/v/joseatento00/dyVH2XwtV68)

https://youtu.be/dyVH2XwtV68

[Read more…] about Exemplos de “Direitos” das Mulheres sob o Islã – PARTE 3

Exemplos de “Direitos” das Mulheres sob o Islã – PARTE 2

Leia uma lista dos “direitos” das mulheres sob o islão AQUI.

Exemplos mais antigos estão listados na PARTE 1.

(Você pode estar se perguntando: porque é que eu tenho que me preocupar com isso? Porque esta droga está se espalhando pelo mundo, inclusive no Brasil!)


A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.

Atualização em dezembro de 2016


Indonésia: estudantes açoitados 100 vezes por sexo fora do casamento
Eles são solteiros. Caso contrário seriam apedrejadas. Três homens e três mulheres. (Express)

Marrocos:  TV ensina mulheres a esconderem marcas de violência doméstica com maquiagem
O canal 2M deu uma licao de maquillhagem para as mullheres que sao agredidas pelos seus maridos, irmaos, ou familiares, mas que precisam manter a sua vida normal.
(Vídeo no YouTubemoroccoworldnews)

Arábia Saudita: mulher sai sem se cobrir e muçulmanos em massa a desejam ver morta – autoridades prendem a mulher dias depois
A reação demonstra que não é apenas o governo saudita o problema, mas também a maioria esmagadora da população, totalmente imersa no wahabismo. Lembre-se, existem clérigos islâmicos treinados na Arábia Saudita atuando no Brasil, inclusive brasileiros (noticiasaominuto). As autoridades sauditas sairam à caça e prenderam a mulher (hindustantimes).

Arábia Saudita: mulher deve ficar em casa, e hospitais devem ser segregados
O clérigo árabe Abd Al-Rahman Abd Al-Karim disse que, da perspectiva da Sharia, é melhor que a mulher permaneça em casa. Ele disse também que é um erro ter homens e mulheres juntos em hospitais, pois isso leva à tentação. É preciso que hospitais sejam separados, para homens e mulheres (MEMRI, e video).

Arábia Saudita: sauditas ofendidos por ministra alemã que se recusou a usar hijab
A ministra da defesa Ursula von der Leyen visitou Riyadh. Ela disse: “respeito os costumes e tradições do país”, mas acrescentou que “nenhuma mulher na minha delegação será obrigada a usar a abaya, como o direito de escolher a roupa é um direito compartilhado por homens e mulheres igualmente.” (Swarajya) Essa mulher eles não podem prender.

Estado Islâmico: regras para tratar uma escrava sexual
Matéria do ano passado, mas que comenta sobre uma prática que começou com Maomé e seus seguidores, e vem sendo aplicada a 1400 anos. (Observador)

Canadá: imã diz que a puberdade define a idade do sexo consensual no islão
Isso vem do exemplo de Maomé, que consumiu Aisha quando ela tinha 9 anos de idade. Mas, 9 anos já é puberdade? (cijnews)

Alemanha: refugiado afegão estupra e mata filha de alto funcionário da União Européia
16 de outrubro. Maria Ladenburger, 19 anos, estava voltando de uma festa na cidade universitária de Freiburg, quando ela foi agredida em uma ciclovia. Ela foi estuprada e depois um afogada no rio Dreisam. Depois de intensa investigação acharam o assassino: um refugiado afegão ilegal de 17 anos. Uma deputada alemã disse: “O traumatizado jovem refugiado realmente assassinou uma pessoa, mas agora apesar de tudo precisamos ajudá-lo.” (Express)

Itália: muçulmanos explicam a repórter como a mulher deve se vestir para não ser assediada sexualmente
Para a maioria dos muçulmanos, a mulher que não se cobre dos pés à cabeça merece o assédio. A culpa é da mulher.
https://youtu.be/kiyAKTYj0ts OK


Portugal: refugiado estupra e espanca mulher de 67 anos

Ibrahim Salem, refugiado da Eritréia, de 28 anos de idade, estuprou uma mulher sem-teto de 67 anos de idade, em Albufeira, Portugal. Como a mulher resistiu, ele a espancou, deixando-a em estado grave. Ele chegou a Portugal no final de outubro, junto com um grupo que, aparentemente, havia sido rejeitado pela Itália. (Correio da Manhã) →  Vídeo no YouTube.

Bangladesh: Casamento infantil sendo amplamente praticado
Pobreza aliada a cultura islâmica tradicional são as principais causas: 52% das noivas têm menos de 18 anos, 18% têm menos de 15 anos.  (Asia News).

Índia: engenheiro muçulmano sequestra a estupra amiga hindú por 5 dias para convence-la a se converter ao islão 
Ela se recusou a se casar com ele. Ele a sequestrou e disse que só terminaria os estupros se ela se convertesse e casasse com ele. Caso contrário, ele ameaçava atear-lhe fogo. (O Globo apud Ecoando)

Nigéria: parentes tentam impedir casamento de menina de 13 anos com um homem de 56
O pai deu sua filha de 13 anos de idade para um amigo de 56. Ela seria a sua quarta esposa. Um parentes levou a menina a uma estação de rádio e cestá pedindo a intervenção do governador, o Emir de Kano. O pai da menina é professor em uma escola corânica (madrassa). (Clarion)

Atualização em novembro de 2016

Suécia e o problema muçulmano: meio milhão de mulheres atacadas sexualmente em um ano
Coloque isso em perspectiva para ver o quão horrível esses números realmente são: a população sueca total é de apenas 9,6 milhões de pessoas. Em 2009, um relatório dos EUA afirmou que existem entre 450.000 a 500.000 muçulmanos na Suécia, cerca de 5% da população total. Dos 500.000 imigrantes muçulmanos na Suécia, metade, ou um pouco menos, são homens. Em outras palavras, ocorrem, aproximadamente, dois ataques sexuais para cada homem muçulmano na Suécia. Esses ataques sexuais não são cometidos pelos nativos suecos (Muslim StatisticsBoras Tdning).

Suécia: capital mundial do estupro 
1. Menina ameaçada de estupro por não ser “muçulmana o suficiente.” O evento é apenas mais um de uma série de incidentes de intimidação e violência que abalam as escolas em Malmö. (Frida Tider)
2. Mohammed, um refugiado “de menor” assalta mulher sexualmente dizendo “eu faço o que eu quero.” Ele diz ter 17 anos. Ele viu a sueca de 21 anos na rua, e decidiu enfiar a mão entre as suas pernas. (Frida Tider)

Alemanha: clérigos muçulmanos multados por celebrarem casamento de meninas menores de idade
Eles casam meninas menores de idade porque foi isso que Maomé fez, e está na lei islâmica Sharia. Estes imãs deveria ser presos! (RT)

Canadá: capelão da polícia de Toronto acusado de considerar mulheres como cidadãos de segunda-classe
Musleh Khan diz que mulheres devem ser obedientes, só sair de casa com a permissão do marido, e “dar para o marido” a hora que ele quiser, sendo este um modo de adoração a Alá. Ele está apenas seguindo a Sharia (The Star).
 Dubai: turista acusada de “sexo extra-marital” por ter sido estuprada
A mulher, britânica, foi estuprada por dois homens. Ela está presa. Segundo a Sharia, ela precisa de 4 testemunhas do sexo masculino ou se eles confessarem. Ela não tem nada.  (Express)

Dubai: ONG sugere que mulheres estupradas fiquem caladas 
Radha Stirling, fundadora de instituição que ajuda os ocidentais que são vítimas das leis draconianas do país islâmico, disse: “As pessoas entram em contato conosco para perguntar se devem denunciar um crime, seja uma estupro ou qualquer outra coisa. Muitas vezes, eu digo que não. Existe a percepção social de que, se uma mulher bebe álcool, ela consentiu (sexo). E há também uma mentalidade racista ao pensar: “Ela é britânica, então ela provavelmente estava bêbada e pedindo por isso.”

Não é à toa que os muçulmanos odeiam a Bíblia …

Turquia: projeto de lei perdoa estupradores se eles se casarem com a vítima
O estuprador goza duas vezes, e a vítima, violentada por ele, passa a ser (mais uma) esposa.  A vítima não tem vez, é o estuprador quem decide. O governo alega que esta lei irá resolver o problema do casamento de menores, já que a lei se aplica a “mulheres de até 18 anos.” A lei irá retroagir a 2005  (Independent).

Atualização em outubro de 2016


Mufa’khathat: abuso sexual de menores (mais um exemplo sagrado de Maomé)
Leia o artigo clicando aqui.

“Meninas Cristãs Servem Apenas para Uma Coisa, Satisfazer os Desejos dos Homens Muçulmanos”
Vários exemplos da misoginia islâmica, que segue o comportamento de Maomé, que foi um estuprador e mercador de escravas (Gatestone)

Irã: jogadores de xadrez devem suar hijab durante torneio ou serão presas
A Federação Mundial de Xadrez (FIDE) marcou o campeonato feminino no Irã. Agora, todas as jogadores serão obrigadas a usar o hijab. Muitas já disseram que não vão participar, e reclamam da FIDE por não defenderem os direitos das mulheres (Telegraph).

Irã: líder supremo, Aiatolá Khamenei, emite fatwa que proíbe as mulheres de andarem de bicleta
O motivo citado é para evitar que os homens se excitem ao verem as mulheres sentadas no assento da bicicleta. A fatwa dia que mulheres andando de bicicleta “expõe a sociedade à corrupção” e é “contrária a castidade feminina” (irannewsupdate). (a verdade é que os clérigos islâmicos acham que todos os homens são pervertidos sexuais como eles são e como Maomé foi)

Irã: mulheres proibidas de assistir a jogo de volei masculino
Uma iraniana-britânica, Gonche Ghavami, foi levada para a temida prisão de Evin e colocada em prisão solitária por ter tentado assistir a um jogo de volei masculino (independent).

Irã: “papel e a missão” das mulheres é a “maternidade e serviço de limpeza”
Quem disse isso foi o  líder supremo, Aiatolá Khamenei (ncr-iran).

Irã: leis constitucionais impedem as mulheres de trabalhar fora de casa
Artigo 1117.º do Código Civil afirma: “O marido pode impedir sua esposa de ter uma ocupação ou profissão técnica que seja incompatível com os interesses da família ou a dignidade dele ou da esposa.” (iranhrdc)

Mulheres ocidentais usam roupas mais ousadas que as mulheres egípcias, porém são menos assediadas 
Fatema Nouali, colunista do jornal egípcio Egypt Independent, escreveu uma coluna intitulada “Nova York … sexo e cidade” na qual ela diz que as mulheres usam roupas “mais reveladoreas” dentro dos padrões egípcios e se misturam com os homens. Contudo, elas não sofrem do mesmo tipo de assédio sexual que as mulheres egípcias sofrem. (Egypt Independent)

Egito: deputado solicita que universitárias façam exame de virgindade
E, caso a estudante não seja virgem, isso deve ser informado para a sua família. O deputado se refere aos casamentos temporários (urfi), considerados legítimos por uma parte dos muçulmanos porém como algo ilegal por outros (Egypt Independent). Que tal um teste de virgindade nos estudantes homens e um teste de sanidade em você, deputado?

Noruéga: muçulmano estupra filha por ela estar “muito ocidental”
A filha, de 20 anos, estava integrada na sociedade norueguesa. O pai não gostou disso e começou a discutir com a filha por algum tempo. Sem a convencer a se vestir como uma muçulmana ortodoxa, ele a estuprou como punição. Ela está fazendo tratamento psiquiátrico. Ele está preso (estaria solto em algum país islâmico) (Speiza).

Jordânia: irmãos matam irmãs em crime de honra
Uma das irmãs havia se casado sem o consentimento do pai, e estava na casa da outra. As duas foram mortas “para defender a honra da família.” (Al Arabiya)

A cada sete segundos uma menina é forçada a se casar
Informação de relatório divulgado pela ONG Save the Children. Meninas que se casam precocemente acabem sem acesso aos “direitos mais básicos de aprender, se desenvolver e ser criança.” “Meninas que se casam cedo demais frequentemente não podem ir à escola e estão mais propensas a sofrer violência doméstica, abuso e estupro. Elas engravidam e são expostas a doenças sexualmente transmissíveis, incluindo o HIV.” Os piores países são Afeganistão, Iêmen, Índia e Somália, Níger, Chade, República Centro-Africana, Mali e Somália.” (MSN) Problema ocorre predominantemente no mundo islâmico, sendo trazido junto com a imigração.

(Express)

França: muçulmana atacada pelos seus próprios parentes quando eles descobriram que ela namorava um católico 
A enfermeira muçulmana tinha um relacionamento com um homem católico, vivendo com ele ja faziam 3 anos. Por isso, ela começou a ser boicotada pela sua própria família, e o seu pai, um muçulmano de verdade, começou a ameaça-la pelo telefone, dizendo que ira matá-la. Duas primas a atacaram fisicamente e a deixaram desacordada. Elas foram condenadas a dois meses de prisão aberta e tiveram que pagar 1 mil euros de multa. Eu aposto que esta enfermeira muçulmana ainda vai aparecer morta. (Clarion, Express)

Atualização em setembro de 2016


Divórcio e Poligamia Islâmica: nos dois casos, a mulher se prejudica
Leia sobre estas práticas tipicamente islâmicas clicando aqui.

Grã-Bretanha: site de namoro islâmico ajuda muçulmanos a encontrarem segunda esposa (ou terceira, ou quarta)
Sim, no seio do Reino Unido! O site secondwife.com promove “enlaces na comunidade” já que bigamia é crime. O dono do site, Azad Chaiwala, disse ao programa Bom Dia Grã-Bretanha da BBC que ele está tendo um “um lucro robusto” e tem mais de 100.000 perfis, dos quais cerca de 2% pagam uma assinatura para a adesão ao custo de 20 libras. Ele comparou estes “enlaces na comunidade” a ter uma amante, usar os serviços de uma prostituta, visitar um clube de swing, ou ser homossexual. O site é aberto apenas a muçulmanos e está cheio de citações do Alcorão (New EuropeMail).

As escravas do século XXI … mais uma contribuição do islão para o mundo
Documentário da TV portuguesa sobre a escravidão sexual islâmica de mulheres cristãs e iázides. O repórter Henrique Cymerman esteve no norte do Iraque com escravas sexuais libertadas recentemente, que apresentam um testemunho do terror (SCI Notícias). Lembre-se que, devido ao seu comportamento, Maomé consolidou a escravidão sexual no islamismo.

Iraque: Estado Islâmico ainda mantém presas 3 mil mulheres e crianças iázides
Parlamentares iraquianos informaram. (Ekurd)

Síria: mulheres em cidade libertada retiram o niqab … com o hijab por baixo
A imprensa internacional ficou excitada com algumas mulheres muçulmanas que, com a libertação de Manbij, retiraram o niqab que cobria todo o rosto (menos os olhos). Só que por baixo elas usavam o hijab. (Telegraph)

Enquanto isso, outras fotos mostram as mulheres guerreiras que ajudaram a libertar Manbij (BBC): 
Grã-Bretanha: refugiado preso por masturbar na rua
Um refugiado do Iraque ficou excitado com as mulheres de Swansea, no País de Gales, que resolveu se masturbar na rua. Ele está sendo processado por comportamento indecente. Ele resolvou se masturbar na rua por não ter dinheiro para pagar prostitutas, algo que ele fazia no Iraque. (Breibart)

França: “patrulha islâmica” ataca mulheres usando shortinhos
Duas famílias que aproveitavam o sol de Toulon foram atacadas por um “grupo de jovens” (idade entre 17 e 22 anos) e as mulheres chamadas de prostitutas por vestirem shortinhos. Os maridos foram violentamente atacados ao defenderem suas esposas e famílias. Este incidente reacende o receio da ação mais abrangente das “patrulhas islâmicas” na França.  (charentelibretelegraph)

França: adolescente estuprada por argelinos sob a Torre Eiffel
A adolescente foi achada nua e amarrada. Os três argelinos estão presos. Eles atraíram a jovem através do Facebook convidando-a para comer morangos (Mail).

Turquia: estupros infantis sem cobertura na imprensa
Seguindo os passos de Maomé, pedofilia agora é legal na Turquia. Veja os exemplos neste artigo do Gatestone Institute.

Grã-Bretanha: jihadistas sexuais estupram menina de 13 anos
Os criminosos são Ismail Ali e Naheem Uddin (casado e pai de 3 filhos), ambos com 26 anos de idade. Ambos condenados com 14 anos de prisão. No Paquistão estariam soltos. (Express)

Áustria: toque de recolher para “imigrantes” na tentativa de diminuir assédios e estupros
Isso é consequência de diversos incidentes durante festivais de música e outras festas (Express)

“Após estuprá-la, você se tornará muçulmana”
Isso dito pelos jihadistas para mulheres iázides, segundo testemunho das mesmas. De fato, existem muçulmanos que pensam que estuprar mulheres infiéis é um ato de misericórdia que as levariam a se converteram ao islamismo. Faz sentido: adotar o islamismo para deixarem de ser estupradas, ou, pelo menos, serem menos abusadas. (CNSNews)

Palestina: textos escolares chamam mulheres de bruxas
Apresentam as mulheres como a causa de todos os problemas morais (Gatestone)

Brasileira assediada na alemanha por muçulmanos
Mulher alguma está isenta da ação das mãos sagradas dos seguidores de Maomé (Escreva Lola Escreva).

Arábia Saudita: foto mostra mercado de escravas sexuais
O mercado está dentro da Arábia Saudita, sendo operado pelo Estado Islâmico (Speisa).

Arábia Saudita: petição pede ao rei que acabe com o sistema de guardiões masculinos 
Os manifestantes, que estão organizando em mídias sociais, querem parar o sistema pelo qual cada mulher saudita é governada por um tutor do sexo masculino que fornece permissão para viagens, casamento, ao trabalho, e acesso ao sistema de saúde (CNN).

Grã-Bretanha: mãe de três filhos, sequestrada, drogada e estuprada por seis muçulmanos imigrantes, do Iraque, Síria e Bahrein
Aconteceu na cidade de Suntherland (Mail).

Turquia: muçulmano agride mulher por usar bermuda
O turco, que trabalha como segurança, disse que a atacou porque a lei islâmica exige isso (Express).

Austrália: presidente do Conselho Islâmico pede pela Sharia e poligamia
Keysar Trad, presidente da Federação Australiana de Conselhos Islâmicos, é um homem de meia idade, casado com uma mulher também de meia-idade. Ele quer “carne nova” e disse que é melhor se casar de novo do que divorciar-se da atual esposa. (Mail)



Atualização em agosto de 2016


França: muçulmanos atacam banhistas que estavam de topeless na ilha de Córsiga
De início, a pensava-se que os muçulmanos não gostaram que banhistas tirassem fotos deles e de suas mulheres que vestiam burquínis (na verdade, elas vestiam hijab) (Telegraph). Mas o relatório do promotor revelou o que aconteceu de verdade. Eles queriam ter a praia só para eles e atacaram banhistas em topless, causando uma reação dos homens. A confusão se deteriorou até a chegada da polícia. Mais tarde, muçulmanos queimaram carros e quatro pessoas foram hospitalizadas, uma delas ferida por um arpão. (Clarion)


Reino Unido: 900 sírios presos por estupro e assédio sexual
Em um período de menos de um ano, a polícia na Inglaterra e no Pais de Gales prendeu 900 sírios por crimes diversos, mas o que mais chamou a atenção é a quantidade de crimes envolvendo estupro e assédio sexual.  É comum ouvir de xeiques, imãs ou mesmo de muçulmanos comuns que as mulheres infíéis são como “carne descoberta.” (Express)

Escócia: Imã diz ser aceitável ter escravas sexuais
Imã Ali Hammuda da Mesquita Al-Manar em Cardiff, no Reino Unido diz que é aceitável manter escravas sexuais. Isso está no Alcorão e nas Tradições de Maomé, mas tem gente que tenta esconder isso. Mas, com uma maior presença de clérigos no Ocidente, fica muito difícil esconder isso. Ele explicou um hadice dizendo que no fim dos tempos, existirão muitas guerras, como agora, e os muçulmanos irão ter muitas prisioneiras, e eles podem fazer sexo com elas. É permitido ter relações com uma esposa ou uma escrava. (isso segundo o Alcorão 4:3, 4:24 e 33:50) (Mundo ao MinutoExpress)

Índia: muçulmanos ganham dinheiro para convencer mulheres a se tornarem muçulmanas
Se você é uma dessas brasileiras deslumbradas por um namorado virtual muçulmano indiano, saiba que eles recebem 400 mil rupias por cada católica convertida ao islamismo e 300 mil rupias por cada evangélica convertida. (Indi(a)gestao)

Turquia: Corte Suprema anula lei anti-pedofilia
Ela anulou leis relativas a abuso sexual de menores de 15 anos (Hurriyet) Efeito da islamização imposta por Erdogan?

Rio: o choque entre civilizações mostrado durante jogo de volei de praia
A dupla da Alemanha derrotou a dupla do Egito no volei de praia durante os Jogos Olímpicos. As alemães se vestindo como quem vai à praia enquanto que as egípcias se vestiam como quem tem medo de apanha do marido. A foto ilustra também como o Egito retrocedeu (veja fotos em fotos que falam por sí). O mais triste é ver pessoas comemorando o fato das egípcias serem forçadas a jogaram volei de praia deste jeito. Por que não um maiô? Ou um bermudão? É porque no islamismo o corpo da mulher é considerado aura (órgão sexual) e precisa ser coberto. Todo o corpo! O blog O Reacionário escreveu um artigo interessante sobre isso.

“O progresso social pode ser medido pela posição social das mulheres.” — Karl Marx. 

Indonésia: mulher açoitada em praça pública por namorar
uma ofensa chamada “khalwat” Isso ocorreu na Província de Achem, em frente a mesquita Al Furqon. O namorado também foi açoitado. (Sun)

Suíça: casamentos forçados de meninas menores está aumentado com o aumento da imigração
Os casos atingem imigrantes oriundos do Iraque, Síria, Eritréia, Afganistão e Somália (todos “paraísos islâmicos”). Os 26 casos relatados este ano são um número maior do que todos os casos relatodos no período entre 2005 a 2015.  (Swissinfo)

Arábia Saudita: anúncio da IKEA retira a mulher da fotografia
Ao lado esquerdo como o anúncio é de verdade. Ao lado direito como ele aparece na Arábia Saudita, sem a mãe descoberta.

Itália: mesquitas encorajam a poligamia, no rastro do casamento unisex
Estima-se que 20 mil casamentos polígamos existam no seio da comunidade islâmica na Itália. Eles desejam a poligamia já que o casamento unisex foi recentemente aprovado na Itália. Eles usam do mesmo argumento, dizendo “não existe problema de casamento polígamo se for consensual.” Eles também dizem que “poligamia é um direito civil.” (Express).

Paquistão: homem matou primeira esposa em um crime de honra, mata a segunda pelo mesmo motivo
O muçulmano desconfiou que a sua esposa, e mãe de seus 3 filhos, o estava traindo. Ele cortou o pescoço dela. Ele havia matado a sua primeira esposa 15 anos atrás. (Tribune)

Paquistão: pai mata suas duas filhas por terem se casado com homens que elas escolheram
Kosar (22 anos) and Gulzar Bibi (28 anos) foram mortas em crimes de honra por terem se casado com os homens que eles escolheram, por amor. O pai queria que elas se casassem com primos. (Business Standard)

Paquistão: Muhammad mata ex-esposa em crime de honra
Muhammad, ex-marido de Shahid, uma mulher paquistanesa residente na Inglaterra e morta no Paquistão no mês passado, confessou que ele a estrangulou Ela estava visitando familiares no Paquistão. A polícia não fez ocorrência contra Muhammad pois a família da vítima não se manifestou. A mulher havia se casado novamente contra a vontade da família. (Tribune)

Alemanha: pedófilos imitam Maomé
Criança de 4 anos de idade, refugiadas, estuprada por um afegão em um centro de asilados (Independent)

Alemanha: clérigos muçulmanos casam menores, e autoridades ficam apenas olhando
Meninas de 9 anos forçadas a se casarem (Express). A mesma idade que Aisha tinha quando Maomé a consumiu sexualmente.

Suécia: uma relação de ataques sexuais prepetrados por “extrangeiros” 
Os extrangeiros são, na sua maioria, oriundos do Afeganistão, Eritréia e Somália, enquadrados como “refugiados menores de idade desacompanhados.” Na verdade muitos desses “refugiados” são maiores de idade mas que, sem documentos, alegam terem menos de 18 anos. Muitos destes ataques foram acobertados pelo governo e pela imprensa (Gatestone):

  1. mulheres e meninas foram atacadas durante o festival de música “Nós Somos Estocolmo”, em 2014 e 2015.
  2. organizadores do festival de música de Trästocksfestivalen em Skellefteå ofereceram ônibus gratuitos para os “refugiados menores de idade desacompanhados” para irem ao festival.” Ao término do festival, a polícia registrou doze casos de ataques sexuais. 
  3. muitos dos perpetradores que abusaram sexualmente das mulheres no festival de música “Putte i parken” em Karlstad usavam a pulseira “Não apalpe”. O mesmo aconteceu no festival de Bråvalla. Esta pulseira foi distribuida pelas autoridades para “proteger as mulheres.”
  4. Diversos casos de assédio na passagem do Ano Novo, no qual refugiados fizeram ataques em grupo no estilo taharrush gamea.
  5. 123 incidentes de assédio de meninas suécas entre 15 e 16 anos em piscinas públicas.

Esquerda: mulher sendo assediada sexualmente por grupo de “refugiados”; Direita: mulheres se consolam enquanto um assediador é preso pela polícia
Índia: mulher divorciada pelo telefone e sem a posse dos 4 filhos
O homem, muçulmano, tem outras esposas e conseguiu o divórcio em Dubai, onde trabalha. Ele telefonou para ela e disse pelo telefone (3 vezes): eu me divorcio (talaq). Ele está com os quatro filhos e os ameaça se a esposa tentar fazer algo. Ela entrou na justiça da Índia alegando que a Sharia contraria vários artigos da Constituição indiana. (Indian Express)
Arábia Saudita: ONG para promover a poligamia
Segundo o seu fundador e clérigo saudita, Dr. Attalah Alabar, a missão da ONG Multiplicity (Multiplicidade) é a de “encorajar as mulheres a aceitarem a poligamia, para satisfazer os seus maridos, e reduzir a oposição contra o homem ter múltiplas mulheres. Ele disse que “quem quer que se oponha a poligamia desafia a lei Sharia.” (Breitbart)



Atualização em julho de 2016


Austrália: meninas sendo obrigadas a vestirem o véu a partir dos 3 anos
O grito de guerra comum e cansativo dos “multiculturalistas” e dos “politicamente corretos” é de que “as pessoas devem ser autorizadas a usar o que eles quiserem”, e a vestimenta islâmica é uma “escolha de moda cultural”, assim, “toda essa situação é multicultural vai nos enriquecer.” E esse discurso enfadonho negligencia e esconde uma sexualização das crianças (WeNeedToTalkAboutIslam). Isto é uma preocupante tendência mundial.

Suécia: autoridades lançam bracelete “anti-estupro”
Os estupros aumentaram tanto na Suécia (correlacionado com o aumento acelerado da imigração islâmica) que as autoridades lançaram um bracelete que diz “não me toque.” As autoridades do mundo da fantasia que a Suécia se transformou, acham que isso vai evitar os estupros. (WildLeaks)

Suécia: festival de música irá impor segregação entre os sexos
Na cidade de Gotemburgo. O aumento dramático dos assédios e estupros ocorridos em outros dois festivais este ano levou os organizadores a criarem uma zona de segurança aberta apenas para as mulheres. A cultura sueca está indo para o brejo. (Aftonbladet)

Suécia: número de assaltos sexuais continuam a crescer
Ingrid Carlqvist faz um relato dos eventos ocorridos no mês de maio. (Gatestone)

Suécia: “Mulher que não usar o véu está pedindo para ser estuprada”
Isso é o que está escrito em cartazes nas ruas de uma pequena cidade sueca (Daily Mail)

Suécia: refugiado diz que está na Suécia apenas para fazer sexo com as suecas e gastar o dinheiro delas
Ele foi preso por assediar quatro mulheres. Ele diz odiar a Suécia, mas que fazer sexo com as suecas que não usam o véu (Breitbart).

EUA: refugiado abusa sexualmente menores em piscina pública
Ocorreu no estado de Massachusetts. O nome do acusado (que é um refugiado sírio) é Emad Hasso, de 22 anos. Ele assediou e agarrou uma menina de 13 anos repetidamente até um salva-vidas intervir. (Breitbart)

Alemanha: nova lei “não significa não” tenta contar o aumento dos assédios e estupros ocasionados com o ingresso dos refugiados
A única solução é criminalizar a Sharia e deportar seus promotores. (Gatestone)

Alemanha: 188 casos de casamento de menores entre refugiados
Isso é o que se sabe. A região alemã do Reno do Norte-Westphalia viu 188 casamentos de imigrantes que são menores, e agora existem pedidos para que o governo intervenha e impeça esta prática.
A islamização traz consido práticas alienígenas às populações nativas da região. (Breitbart)

Alemanha: menina de 7 anos estuprada por cinco árabes
Refugiados muçulmanos. (wildleaks) Pedofilia e estupro.

Paquistão: irmão mata irmã para manter a honra da família
Qandeel Baloch, de 26 anos, era uma “celebridade virtual” e o irmão não gostou de como ela se vestia e se comportava. No Paquistão, se a família perdoar, o assassino não é nem processado. Mais um crime de honra. (Extra)

Grã-Bretanha: Muçulmano velho vende sua esposa jovem
Um muçulmano de 63 anos de idade, pediu a um ginecologista para “reparar o hímen” de sua esposa de 23 anos de idade para que ela pudesse se casar novamente com um homem imigrante que precisava de um visto britânico. Ele estava vendendo a sua esposa por 10 mil libras esterlinas. Há uma brecha no Equality Act 2010 que permite que tribunais da Sharia pratiquem a “discriminação sexual.” (Express)

Marrocos: campanha publicitária contra o biquini
As fotos tentam envergonhar as mulheres, chamando-a para abraçarem o islamismo (AnsamedVoxNews)

França: mulher e suas três filhas apunhaladas por vestirem short em balneário
O homem é um marroquino (Muhammad B.) e tem 37 anos. Ele foi preso ao tentar fugir. Uma das meninas está em estado grave. (MetroVeja)

Sudão: açoitamento em uma “mulher mal-comportada”

https://www.bitchute.com/video/JKIcvUikAptL/

Atualização em junho de 2016

Por que existem feministas ocidentais que não se importam com as muçulmanas?
 https://youtu.be/udFyISWJuuc e https://youtu.be/sY6TN6xnqt8 OK

Canadá: livro que ensina como bater nas mulheres distribuido nas ruas de Toronto
Canadá: propaganda islâmica nas ruas de Toronto promove a poligamia, ensina como “educar as esposas” (como puní-las e como espancá-las de modo islâmico), diz que se as punições islâmicas fossem aplicadas não haveria necessidade de “crimes de honra” (matar esposas ou filhas que envergonham a família), diz que mulheres precisam da companhia de um varão da família para deixar sua casa … ou seja, tudo o que a lei islâmica diz (e você pode encontrar tudo neste link). (CIJNews)

Mais “taharush” na Alemanha
26 mulheres foram vítimas de violência sexual durante o festival de música Schlossgrabenfestes em Darmstadt. As vítimas foram cercadas por multidões de homens migrantes paquiestaneses, em ataques semelhantes como aqueles em Colônia. (Mail)

Paquistão: Mãe queima sua filha viva em crime de honra
Parveen Rafiq amarrou a filha à cama, encharcou-a com querosene, e ateou fogo, pois a filha, Zeenat, tinha desafiado os desejos da família e havia se casado com seu namorado por amor ao invés de aceitar o casamento arranjado pela sua família.
Cerca de 1.000 mulheres morrem todos os anos nos chamados “crimes de honra” no Paquistão por alegadamente violar normas conservadoras sobre amor e casamento. Na semana passada, uma professora de 19 anos de idade, foi torturada e queimada viva por se recusar a casar com o filho do seu patrão – um homem com o dobro de sua idade. (DailyMail)

Paquistão: bater nas esposas é o único modo de controlá-las
Muhammad Khan Sherani, chefe do Conselho Islâmico, confirma que o Alcorão 4:34 está mais vivo do que nunca e continua sendo posto em prática! (NY Post) Questionado mais tarde, o clérigo confirmou isso e disse que continuará recomendando ‘bater de leve’ em mulheres (BBC).

Grã-Bretanha: 200 novos casos de Mutilação da Genitália Feminina por semana

Esta prática islâmica vem sendo trazida para a Grã-Bretanha como decorrência da sua islamização (Daily Mail).

Grã-Bretanha: comício do prefeito de Londres segrega mulheres
O prefeito de Londres, Sadiq Khan, fez um comício em Manchester a favor da permanência da Grã-Bretanha na União Européia. Veja na foto. Homens na frente. Mulheres cobertas atrás. Conforme estabelece a Sharia.

Grã-Bretanha: recém-conversa e mutilada com ácido
Garota inglesa de 20 anos se converteu ao Islã e começou a namorar com muçulmano de 80 anos. Ela acabou com o namoro. Ela recebeu ácido no rosto, sendo desfigurada como punição por ter terminado o relacionamento com seu namorado muçulmano. (Sharia Unveiled)

Estado Islâmico queima vivas 19 mulheres iázides por se recusarem a ter relações sexuais com os jihadistas
Elas se recusaram a se tornar escravas sexuais. A execução foi pública, em Mosul (RT).

Turquia: presidente diz que famílias muçulmanas devem rejeitar contracepção
Isso é a Jihad Demográfica e o papel da mulher muçulmana é gerar muitos filhos. Cada filho ou filha é muçulmano por definição, e se não for deve ser morto para não poluir o conjunto. Então, criam-se excedentes para a jihad, seja a armada ou seja a migratória. Enquanto que o Ocidente tem uma política baseada na liberdade de escolha, o princípio da submissão faz com que os muçulmanos vejam o “ter filho” como uma forma de jihad para espalhar o islamismo. E, neste aspecto, o papel da mulher é fundamental (G1).

Catar: mulher holandesa estuprada, foi condenada por fornicação
Uma mulher holandesa identificada como Laura foi estuprada e condenada por fornicação e alcoolismo no Qatar. É no meio islâmico que é legalizada a culpabilização da vítima, indo na contramão das sociedades organizadas. (Breitbart)

Maomé era pedófilo?
Sim, ele se enquadra na definição de pedofilia. Mas muçulmanos tentam omitir isso o máximo que podem, pois sabem que isso é ruim no Ocidente. Mas, no meio deles, e nos países de maioria islâmica, Maomé é celebrado como o “melhor exemplo de conduta para toda a humanidade.” (ex-muçulmanos)

Crescem aos milhares os casos de poligamia em toda a Europa Ocidental
Suécia, Grã-Bretanha, Alemanha, França e Holanda dentre os países mais atingidos, devido a imigração em massa de muçulmanos (Gatestone). Alemanha deseja endurecer regras para impedir a poligamia (JN)

Indonésia: polícia islâmica prendendo mulheres vestindo calças apertadas
Na foto, duas meninas sendo detidas por usarem calças muito justas. Um policial sharia acompanha mulheres capturadas vestindo calças apertadas durante uma blitz de rua no distrito de Arongan Lambalek na província de Aceh, na Indonésia, em 26 de Maio, 2010. (Foto, Reuters) (hrw)

Irã: clérigo explica como surgem gays e prostitutas
Muculmano explica como os homens se tornam gays e como as mulheres se tornam prostitutas. O demônio enfia o dedo indicador no ânus do menino recém-nascido e ele se torna gay. O demônio enfia o dedo indicador na vagina da menina recém-nascida e ela se torna prostituta.

Iraque: 350 meninas iázides, escravas sexuais, regatagas
Elas foram libertadas quando os jihadistas covardes do Estado Islâmico abandonaram Faluja. (ib)

Austrália: muçulmano estupra menina, e diz que a culpa foi dela
Mustafa Keyrici, de 26 anos, estuprou uma menina de 13 anos. Ele disse que foi consensual e ele pensou que ela era maior de idade (Daily Mail). Sim, existem estupradores, mas quando o seu modelo (Maomé) foi um estuprador que disse ser permitido estuprar quem “a sua mão direita possuir” fica difícil não fazer a associação.

Suécia: “requerentes de asilo jovens” por trás da onda de ataques contra as mulheres em Östersund
Foram principalmente os “jovens requerentes de asilo” que estavam por trás dos ataques sexuais contra mulheres em Östersund durante o inverno e a primavera, disse Stephen Jerand, Chefe da Polícia da região de Jämtland, para Östersund Posten. (VladTepesblog)

Atualização em maio de 2016


Uma imagem que retrata bem o direito das mulheres sob o islão

No mundo islâmico, devido a influência perniciosa da lei islâmica, Sharia, mulheres são presas (ou até mesmo mortas) por lutarem por direitos semelhantes aqueles possuidos pelas mulheres no Ocidente, e na maior parte do mundo. Por exemplo, no mundo islâmico mulheres podem ser punidas por: dar queixa de estupro, dirigir um carro, usar calças compridas, sair de casa sem permissão do marido, fugir de um marido abusivo, se casar com um homem não muçulmano, ter relação sexual, ou fugir de um casamento forçado. 

O amor halal e o amor haram
A diferença entre o que é permitido (halal) e o que é proibido (haram) no islão. À esquerda, um nobre seguidor de Maomé com suas 4 esposas, devidamente cobertas, sendo uma ainda criança (pré-púbere), além da sua escrava (sexual), que, segundo a lei islâmica, deve se vestir diferente, deixando os seios à mostra. O devoto muçulmano mostra a sua ira com a mostra do amor entre dois joves (á direita). Na visão distorcida do islão, amor sincero é um crime.

Muçulmano espancando a esposa em um trem
Pode-se ver que ela está aterrorizada, e acostumada a apanhar.

https://www.bitchute.com/video/EOwADUSflY7r/

Grã-Bretanha: mais de 1200 casamentos forçados
A polícia recebeu queixa de mais de 1200 casamentos forçados, dentre eles 44% ocorreram ao Paquistão. Outros países com alto número são Bangladesh, Índia, Somália e Afeganistão. Um total de 14% de casos ocorreram na Grã-Bretanha (Daily Mail).

Grã-Bretanha: mulheres não devem ir além de 48 milhas de casa
Grupo de muçulmanos do Reino Unido diz que mulheres não deveriam viajar mais de 48 milhas sem uma companhia masculina (Telegraph).

Cobrir as mulheres: a arma mais poderosa dos islamistas
Artigo discute o uso político do véu islâmico, como ele tinha caido em desuso, mas se tornou uma arma de radicalização dos islamistas. e como após conseguirem cobrir as mulheres, os islamistas iniciaram a jihad contra o Ocidente (Gatestone Institute).

Paquistão: movimento luta pelo direito de matar irmãs e bater nas mulheres
É o que defende uma coalização de 30 partidos políticos e religiosos, que se opõem contra uma lei do Punjab que protege as mulheres. Eles estão apenas querendo seguir a lei de Alá (Zap.aeiouNYTimes, Jornal de Notícias).

Suíça: Estudantes muçulmanos dispensados de cumprimentar professoras num distrito na Suíça
Os estudantes alegaram que, caso o docente fosse do sexo feminino, o costume era contrário às suas crenças religiosas, uma vez que islamismo não permite o contacto físico com uma pessoa do sexo oposto, à exceção de determinados membros da família (DN).

Marcas de moda europeias estão encorajando a sharia islâmica na Europa
Um número crescente de empresas de moda européias procuram lucrar com a crescente demanda por vestuário islâmico. Negócio é negócio, dizem. Mas os críticos argumentam que por estarem entrando na onda da moda muçulmana, essas empresas estão incentivando a expressão pública visível do Islã na Europa e promovendo a separação ao invés de integração. Cobrir as mulheres é a arma mais poderosa dos islamistas. O artigo todo é excelente e vale a pena ser lido (StiloUrbano).

EUA: “primeira Miss EUA muçulmana” anuncia sua conversão ao cristianismo
Alardeada pela imprensa como uma demonstração de que o islamismo é maravilhoso para as mulheres, a primeira muçulmana Miss EUA se converteu ao cristianismo, entrando na Igreja Católica Maronita. Enquanto isso, na Arábia Saudita … (Churchpop)

Irã prende modelos por não cobrirem a cabeça nas redes sociais
Ao menos sete mulheres acusadas de publicar fotos sem o véu obrigatório no país foram presas por atos “anti-islâmicos” no Instagram e diversos perfis foram desativados. (Veja)

Artigo em portugues sobre a Mutilação da Genitália Feminina
Hibo Wardere conta sua experiencia e luta: a dor de urinar, menstruar e dar à luz após mutilação genital. Cerca de 200 milhões de mulheres e meninas em todo o mundo já foram vítimas de mutilação genital. (BBC)

Arábia Saudita: Tutorial de “Como Castigar a sua Esposa”
A TV saudita apresendou um médico de família que explicou como “educar a esposa” (conforme o Alcorão 4:34).
Passo 1: Lembrá-la dos seus deveres perante o Alá;
Passo 2: Abandoná-la na cama; e, por fim,
Passo 3: Bater nela, mas, importante, só pode bater seguindo as condições islâmicas. Não pode bater com varas, objetos afiados ou com faixas para cabeça, mas sim com uma escovinha de madeira ou com um lenço.
O médico reconhece, contudo, que muitos muçulmanos batem nas esposas de qualquer modo (JNews). YouTube: https://youtu.be/C9bRjK464Uw

Muçulmanos criam página no Facebook para promover Mutilação da Genitália Feminina
Página do facebook criada com o intuito de “desmistificar” a visão negativa sobre a mutilação genital feminina … promovendo-a. O Facebook acabou banindo a página (The Foreign Desk).

Capa da página do Facebook promovendo a circuncizão feminina islâmica

Muçulmana Feminista?

Parece mentira mas existem muçulmanas que defendem a tese de que o islamismo é feminista. Isso acontece por dois motivos.
1. Muçulmanas que não têm coragem de encarar a realidade e forçam, sobre sí e sobre os outros, um mundo de fantasia. Estas são geralmente as recém-conversas ou as muçulmanas que cresceram no Ocidente.
2. Outras são muçulmanas que irão defender o islamismo de qualquer jeito, pois elas sabem que se elas não acharem que o islão é perfeito elas irão queimar no inferno islâmico, um lugar muito desconfortável.
E, claro, existe o terceiro grupo, o maior deles, composto pelas mulheres muçulmanas que são proibidas de terem contato fora da sua família direta. Essas, não tem voz.


PS. Este vídeo fazia parte do Canal Calatrava Bansharia, que foi banido pelo YouTube

Atualização em abril de 2016


Itália: Imã muçulmano ordena que uma italiana seja esquartejada por vestir biquini
Isso mesmo, na Itália! (fonte)

Canadá: Shafia, assassino de tres filhas e da primeira esposa, quer perdão pelo seu crime
Mohammad Shafia, empresário afegão no Canadá, fez um complô com sua segunda esposa Tooba Yahya e seu filho Hamed, para assassinar as suas 3 filhas, Zainab, 19; Sahar, 17; and Geeti, 13, porque elas eram “prostitutas” e “traidoras” e estavam desonhando a família. A sua primeira esposa, Rona Amir Mohammad, morreu por estar junto às filhas no momento do assassinato: o carro foi jogado em um lago e as 4 se afogaram. Eles foram condenados em 2012 a 25 anos de prisão. Agora, eles pedem redução da pena, alegando “preconceito cultural.” Mas os advogados do governo estão revivando as gravações de conversas de Shafia com os seu cúmplices, no qual ele disse “Perdemos a nossa honra”, “Não há valor da vida sem honra”, “Mesmo que eles me enforquem, nada é mais querido para mim do que a minha honra”, “Vou cortá-las em pedaços. Alá amaldiçoe a sua formatura. Que o diabo se sent em seus túmulos!”, e “Mesmo que elas retornem à vida uma centena de vezes, se eu tiver um cutelo na minha mão eu vou cortá-las em pedaços.” O advogado elega que “O derramamento de sangue é a maneira de purificar o nome da família na comunidade”, ele disse ao tribunal. “É um ato esperado.” O tribunal se reserva em rever o caso. (MacLeans)

EUA: dois ginecologistas sugerem “mutilação minimalista” do clítoris
“Segundo eles, intervenções que respeitem tradições culturais sem por em risco a saúde das mulheres deveriam ser permitidas.” Tem muita gente que está disposto a sacrificar o direito dos outros para se sentir bonzinho e multiculturalista (ou, neste caso, talvez ganhar dinheiro pisando no direito das mulheres). (Marie Claire).

Índia: imã preso por molestar menina de 9 anos
Na região do Cachemir, região disputada entre a Índia e o Paquistão. (nyoooz

Irã amplia a polícia religiosa e endurece repressão contra mulheres 
O Irã lançou uma nova unidade da Polícia da Moral, composta por 7 mil guardas vestidos à paisana, para controlar ainda mais a maneira como as mulheres se vestem e se comportam pelas ruas. Ela irá reforçar a unidade policial dedicada a este fim, integrada por agentes do sexo feminino, que param e detêm iranianas cujo vestuário não esteja de acordo com os valores islâmicos (O Globo).

Irã: desenvolvido aplicativo para celular para avisar onde a Polícia Religiosa está atuando
A perseguição contras as mulheres nas ruas é tamanha, que elas são obrigadas a usar de tecnologia para evitar serem presas caso não se cubram islâmicamente (ilisp)

A questão do véu islâmico hijab
Ao “apresentar o véu como um ato anticolonialista, tal argumento leva a estigmatizar quem está lutando pelos direitos das mulheres ou leva a pensar que as pessoas de crenças diferentes nos países islâmicos são traidoras, e isso torna difícil para tais sociedades se desenvolverem como o ocidente se desenvolveu e ainda se desenvolve.” Leia o artigo todo no blog Ex-Muçulmanos.

França: aeromoças se recusam a voar para o Irã
Elas não concordam em serem forçadas a usarem o véu, por ser um símbolo religioso e ser contrário a lei francesa. A Air France ameaça punir as aeromoças. Impondo a Sharia (Time).

Irã: polícia da moralidade em ação
prendendo as mulheres que não se vestem segundo a Sharia. Milhares são presas todas as semanas. Isso é a liberdade que o islamismo oference para as mulheres. (My Stealthy Freedom)

Atualização em março de 2016


Pedofilia: não existe idade para casamento no islão
Leia o artigo neste link.

Purdah, reclusão da mulher, mais uma contribuição do islão para o mundo
Leia o artigo neste link.

Arábia Saudita, 2002: meninas morrem em incêndio; polícia religiosa não as deixou sair por não se cobrirem islâmicamente
A polícia religiosa impediu que meninas de um colégio deixassem a escola em chamas porque elas não estavam usando as roupas islâmicas adequadas, ou seja, os lenços de cabeça, cobrindo também o rosto, e abayas (túnicas pretas) necessárias dentro do reino do Islã. Quinze meninas morreram no incêndio e mais de 50 ficaram feridas (BBC). Absurdo e fanatismo. Isso é a lei islâmica em ação.

31 mil mulheres do Estado Islâmico estão grávidas, carregando os bebês jihadistas 
Estas mulheres estão envolvidas na jihad al-nikah, a jihad do sexo, e vem de várias partes do mundo justamente para se tornarem fábricas reprodutórias (Breibart).

Menina Iazide se incendiou por não aguentar mais se estuprada
Segundo o doutor Jan Ilhan Kizilhan, a menina de 8 anos de idade foi estuprada centenas de vezes por 8 jihadistas em 10 meses. O médico, que resgatou mais de mil mulheres e meninas iazides, ouviu a narrativa de 1400 vítimas sobre o estupro e abuso de iázides e cristãs escravizadas sexalmente. (CP)

Paquistão: grávida é morta a tijoladas por 30 pessoas, inclusive membros da família
Mais um caso de Crime de Honra no Paquistão. Vídeo: https://youtu.be/X4ZVHbfPqaEok

Paquistão: avô estupra neta de 2 anos e mãe mata a filha para preservar a honra da família
Avô estuprou a neta de 2 anos. A mãe acordou com a criança aos berros e ensanguentada. Amãe não atacou o estuprador para salvar sua filha. Pelo contrário. Para preservar a honra da família, a mãe decidiu que só havia uma coisa a fazer para salvá-los de “escândalo” em sua cidade predominantemente muçulmana: matar a sua própria filha, afogando-a na banheira (Emirates). Isso se chama crime de honra.

Alemanha: grupo de 30 refugiados atacam meninas no Shopping
Cidade de Kiel. Os refugiados eram todos do Afeganistão. A intervenção da polícia evitou o pior (Express).

Alemanha: menina de 7 anos estuprada por cinco árabes
Todos muçulmanos. Isso ocorreu em Hamburgo (fonte).

Suécia: vítima de agressão diz: “eles me chamavam de puta sueca”
Nathalie hager, 29 anos, estava voltando para casa de um ponto de ônibus quando um grupo de homens que falavam árabe subitamente a atacou. Ela conseguiu escapar, mas ficou gravemente ferida. “Eles me bateram e me chamaram de ‘puta sueca'”- disse ela a Fria Tider. (Mulheres contra o Islã)

Suécia: 46% das mulheres acima de 16 anos têm medo de sair de casa por medo de estupros
Mesmo durante o dia, muitas se sentem desconfortáveis em sua própria cidade e um terço delas disseram ter medo das cidades suecas (Mulheres contra o Islã). Existem “refugihadistas” demais na Suécia.

Suécia: estupros e assédio nas piscinas públicas
Ingrid Carlqvist detalha os casos de assédio sexual e estupro de meninas e mulheres suecas nas piscinas públicas perpetrados por requerentes de asilo muçulmanos. Eles tomam banho com a roupa do corpo e se masturbam nas piscinas. Os suecos estão deixando de frequentá-las, mesmo tendo pago a anuidade. Os políticos tentam esconder a situação proibindo que os funcionários façam queixa a polícia (Gatestone Institute).

Turquia: “harém é escola para mulheres”
Quem disse isso foi a primeira-dama da Turquia, Emine Erdogan, sob a justificativa que as concubinas recebiam aulas de costura (BBC).

Mulheres fazem vídeo secreto no seio do Estado Islâmico
A reportagem termina com as duas mulheres a confessarem que esperam um dia poderem tirar o nikab e viverem em liberdade. Não existe livre escolha sob o islão (Jornal de Notícias).

Australia: 3 muçulmanos condenados por Mutilação da Genitália Feminina
Um Imã, uma parteira, e a mãe das duas meninas foram condenados a 15 meses de prisão (Guardian).

Egito: mulheres cristãs sequestradas por muçulmanos e forçadas a se casarem

https://youtu.be/Ukqcd6TyEbg OK

Atualização em fevereiro de 2016


Sociedades islâmicas têm maior índice de estupros do mundo
Nem mesmo se vestindo em sacos as mulheres estão à salvo no mundo islâmico. Leia o artigo todo aqui.
O que é “Crime de Honra” e como ele difere de violência doméstica
“Crime de honra”, ou “violência pela honra”, é um termo que tem sido empregado cada vez mais, notadamento com a imigração muçulmana. Leia o artigo todo aqui
Direitos da Mulher sob a Sharia: algumas notícias sobre o assunto
1. Grã-Bretanha: Presidente da Mesquita de Birmingham, e prefeito eleito, culpa cristãos por abuso doméstico e nega que existe casamentos forçados de menininhas. (Breibart)
2. Grã-Bretanha: ministra da igualdade, Louise Casey, admite que funcionários públicos se procupam mais em parecerem politcamente corretos do que se posicionarem contra o casamento forçado de menininhas (Telegraph).
3. Síria: Zahra al-Azzo, menina de 16 anos, foi presa por ter sido estuprada. Ao sair, o seu irmão a matou, por ter perdido a virgindade fora do casamento. Seus pais aprovaram a sua morte (Frontpage).
Paquistão: “Meninas Cristãs Servem Apenas para Satisfazer os Desejos Sexuais dos Homens Muçulmanos”
“Cerca de 700 mulheres cristãs são sequestradas, violentadas e forçadas a se casarem a cada ano no Paquistão, ou seja, praticamente duas por dia e o mundo nada faz”. — Wilson Chowdhry, ativista dos direitos humanos, citando a organização não-governamental muçulmana “Movimento de Solidariedade e Paz”.
“Meninas cristãs são consideradas mercadorias que podem ser arruinadas ao bel prazer. Abusar delas é um direito. Isso de acordo com a mentalidade da comunidade não é sequer um crime. Os muçulmanos consideram-nas espólios de guerra”. — Paquistão, residentes locais. (Gatestone Institute)
Paquistão: clérigos dizem que lei que protege as mulheres é anti-islâmica
A lei da “Proteção das mulheres contra a violência 2015” aprovada pela assembleia da cidade de Punjab, contradiz a lei sharia e os ensinamentos do Alcorão e da Suna. A lei torna crime a violência doméstica, tanto a violência física como a psicológica, e os crimes cibernéticos. Quem disse isso foi o Mufti Muhammad Naeeem, chefe do Jamia Binoria (instituto educacional islâmico). Ele chamou a decisão de “tragédia” e disse que os governantes são escravos do Ocidente, tendo esquecido os seus valores sociais. A violência contra a mulher foi criminalizada no Código Penal Paquistanês, uma lei federal (Geo TV)
Paquistão: Conselho da Ideologia Islâmica determina ser “anti-islâmico” uma mulher buscar o divórcio sem a permissão do marido
“Khula” é o direito da mulher em pedir o divórcio … apenas se o homem concordar. Lembre-se deste fato da próxima vez que você ouvir um apologista islâmico dizer sobre como o Islã protege os direitos das mulheres (Tribune).
Irã: apresentadora de TV forçada a fugir do país para denunciar assédio sexual
Essa é mais uma notícia na série: A Falácia do “o véu islâmico protege a mulher.” No Irã, as mulheres são acusadas de “comportamento ilícito” quando acusam homems de assédio ou estupro. (O Globo)
Síria: criança torturada, estuprada e desfigurada por sauditas
“Criança da Síria, torturada, violada, com o rosto desfigurado nas mãos de sauditas e de outros psicopatas e criminosos da revolução.” (fonte)
Suécia: somaliano estupra, mata, e continua estuprando
Em um crime que chocou em 2013, um somaliano “refugidado” atacou uma jovem sueca, arrastando-a e a estuprando até a morte. Mesmo morta, ele continuou estuprando o seu corpo morto, até ser pego em flagrante pela polícia. Em 2013, o número de estupros cresceu 16% em comparação com 2012, sendo 30% deles cometidos por menores de 15 anos (NRP). Muçulmanos aprendem que a mulher infiél é animal de caça, e muitos agem com se fossem predadores selvagens. Lembre-se, Maomé foi um estuprador.
Dinamarca: Imã pede ao governo que aceite casamentos de crianças entre os refugiados
O Imã Oussama El-Saadi, da mesquita Aarhus, na Dinamarca instou o governo dinamarquês a aceitar noivas-crianças como uma prática faz parte da cultura de muitos refugiados que chegam no país. Ele reclama do anúncio pela Dinamarca que esses casais serão separados pelo direito dinamarquês. O imã disse que as noivas criança devem ser olhadas de uma “perspectiva diferente.” (RT)
Italiana, estuprada e morta, ao pegar carona para provar que maometanos são pacíficos
Em 2008, Giuseppina Pasqualino di Marineo, também conhecida como Pippa Baca, resolveu pegar carona, vestida de noiva, de Milão até Jerusalém para promover a paz no mundo. Ela foi morta em Gebze, Turquia: estuprada em grupo e depois morta (Corriere Della Sera). É verdade que uma mulher sozinha na estrada pode ser estuprada em qualquer lugar do mundo, mas o que ela fez foi suicídio.
Turquia: pai pode desejar filha, mas apenas depois dela ter 9 anos
A maior autoridade religiosa da Turquia, a Diyanet, emitiu um fatwa que causou polêmica. Ela estabelece que o pai pode desejar sexualmente a filha, mas apenas após ela completer 9 anos de idade (Speiza).
Vídeo evidencia o descontrole sexual trazido pelos “refugiados” para a Europa
À exemplo do taharrush, práticas sexuals nocivas, que incluem estupro de crianças, estão sendo trazidas pelos regufugiados.  copiado



Atualização em janeiro de 2016

A Foto do Ano de 2015
Para mim, esta é a foto do ano. As mulheres curdas lutando, junto com os homens, contra os jihadistas do Estado Islâmico e da Turquia. O melhor é que para os jihadistas, ser morto por uma mulher corresponde a perder a virgens no bordel-paraíso. Enquanto isso, 80% daqueles que fogem para a Europa são homens. Covardes. Deveriam estar lutando, mas fogem como galinhas, deixando mulheres e crianças na zona de conflito.

A “cultura do estupro” entrou de vez na Europa
Este é um artigo externo que trata da cultura do estupro que está sendo importado com a imigração muçulmana para dentro da Europa (Senso Incomum).

“Taharrush”, o termo árabe para “assédio sexual coletivo” que entrou no vocabulário mundial
O assédio sexual coletivo que ocorreu na entrada do Ano Novo em várias cidades européias é uma contribuição “cultural” trazida pelos imigrantes muçulmanos. Leia o artigo completo aqui.

Alemanha: muçulmano se gaba por estupro em grupo
(Vídeo de 2011) Neste vídeo, um imigrante muçulmano se gaba de como ele e seis outros homens estupraram em grupo uma jovem virgem alemã até que ela estava “cheia de sujeira e esperma” e “completamente devastada” no chão até que “ela estava chorando e não aguentava mais.” Seu amigo é muito interessado nos detalhes, mas está visivelmente desapontado porque eles não violaram o ânus dela. Eles, no entanto, “absolutamente a destruiram” e “cuspiram nela como porcos.” Incidentes como esse têm aumentado exponencialmente com o afluxo maciço de imigrantes ilegais, pois as mulheres alemãs são vistas como nada mais do que “vadias” ou “caça” por muçulmanos se não usarem um lenço na cabeça. As feministas estão em silêncio e a mídia é especificamente instruída para esconder as identidades dos estupradores, e se esquivar de reportar os fatos.
Em vez disso, a única coisa que é reportada, e ampliada mil vezes, é a resistência dos moradores, como a queima de abrigos de refugiados vazios para protegerem suas cidades, descritas como “crimes de ódio” horrendos, apesar de serem os migrantes que cometem a maior parte dos incêndios por não estarem satisfeitos com a localização rural de seus abrigos. Se você tivesse que mencionar publicamente violações como essas, você seria rotulado como um “racista” ou “nazista” e, provavelmente, seria ainda acusado de cometer “discurso do ódio”, que seria o fim de seu emprego ou poderia até implicar prisão para você.

https://www.bitchute.com/video/5ZXvcCwbme2H/

Alemanha e Bélgica: homens muçulmanos são banidos de piscina pública por assédio sexual e por defecarem e masturbarem na piscina 

  • A cidade de Bornheim, próxima de Colônia, anunciou o banimento após mulheres terem sido assediadas sexualmente por homens oriundos de refúgios de asilados (Guardian).
  • Nas piscinas públicas de Zwickau e Halle, refugiados expulsaram mulheres e crianças ao masturbarem e defecarem na água. E eles também assediaram mulheres na sauna, e tentaram invadir os vestiários femininos (Der BildTelegraph).
  • Adolescente cercada e atacada sexualmente por sírios em uma piscina em Munique (Express)
  • Cidade belga proíbe “migrantes” de frequentarem piscinas públicas após menina ser assediada (Sputinik)
  • Breibert está reportando que a Esquerda alemã está fazendo pressão para que os muçulmanos não sejam banidos. Que decepção, a Esquerda alemã agindo contra as mulheres. 

Alemanha: menina de 8 anos atacada sexualmentent por “refugiado” em praça pública
Isso aconteceu em um parque na cidade de Hilden, Nordrhein Westfalen, em plena luz do dia. A menina passeava com o seu cachorrinho quando foi abordada por um Iraquiano, de 36 anos. Ele a agarrou, molestando-a sexualmente. A menina conseguiu se desvencilhar e correu para casa, de onde a mãe chamou a polícia. O jihadista sexual foi identificado e preso dentro de um abrigo de refugiados. (fonte)

Alemanha: nem mulher grávida escapa da fúria estupradora dos “refugiados”

Cidade de Lübben, população 14.000 pessoas. Mulher de 18 anos estava andando na rua perto de uma casa de repouso em torno das 09h30 quando ela foi cercada por seis “homens estrangeiros” que a “tocaram inadequadamente.” A mulher foi ferida durante o assalto, mas ela foi capaz de escapar quando um homem que viu o ataque entrou em cena e distraiu os atacantes. (fonte)

“Merkel, a boa-vida acabou. Chegou a hora de comprar um cinto de castidade.” 
Esta é a recomendação do Prof. Sami Aldeeb, Diretor do Centro de Árabe e Lei Muçulmana da Suíça em seu blog. Ele diz que a preferência por mulheres brancas já vem do tempo de Maomé. Antes dele atacar a cidade bizantina de Tabuk, ele disse para os seus capangas, digo, companheiros: “O Mensageiro de Alá disse: Conquiste Tabuk para mim, e tomem para vocês as mulheres romanas louras.” (fontefonte)

Angela Merkel e amigas na praia, curtindo o sol como as alemães gostam. 
Isso acabou. Ou melhor, ela acabou com isso.

Alemanha: imã justifica estupros devido a roupas curtas e perfumes usado pelas mulheres
“Um imã de uma mesquita em Colônia explica que os imigrantes estão estuprando mulheres alemãs por causa de seu cheiro agradável irresistível. Em uma entrevista exclusiva com a emissora russa REN TV, traduzido por Fort Russ, o clérigo disse que as mulheres são culpadas por seu estupro por homens do Oriente Médio, porque as supostas vítimas provocam os homens com roupas reveladoras e perfume. (Speisa)

Canadá: muçulmano condenado por aliciar e estuprar 12 adolescentes
Walid Mustafa Calhoub, original da Costa do Marfim, foi condenado a 11 anos de prisão por imitar Maomé na província de Quebec (Montreal Gazette).

Arábia Saudita, país que coordena a Comissão de Direitos Humanos da ONU, condena mulher estuprada a 200 chicotadas e 6 meses prisão
Mulher saudita de 19 anos foi estuprada por 7 (sete) homens. O advogado a vítima foi banido e perdeu a sua licença, sob a alegação de ter falado com a imprensa sobre a sentença da vítima.
Isso é lei islâmica em ação. (fonte)

Paquistão: casamento menina de 6 anos para resolver briga de família
vídeo mostra um família se opondo que sua filha de 6 anos de idade se case. Mas o que parece é que as autoridades locais tribais estão forçando a família a fazer isso. Autoridades locais significa Tribunal Islâmico impondo a Sharia, e a menina está sendo usada para se pagar uma dívida e selar a paz entre famílias. Isso ocorreu em 2012.

EUA: muçulmano estupra aos gritos de Allahu Akbar
Abdulrahman Ali sequestrou e estuprou a funcinária de um posto de gasolina em Mapletown, North Dakota. ao ser preso ela disse para os policiais que ela era sua esposa (Valley News). Ele estava exercendo o seu direito que o islão oferece para o muçulmano, apenas isso.

EUA: Taxis em Nova York registram aumento de estupros de passageiras correlacionado com aumento de motoristas muçulmanos – Prefeito culpa as mulheres
O percentual de estupros dobrou, principalmente sobre mulheres desacompanhadas que pegam taxi durante a noite. Se ela estiver sob ação de álcool a possibilidade aumenta, pois muçulmanos consideram mulher embriagada como “vadia.” O Comissário Bill Bratton sugere que as mulheres passem a andar em grupos ou que amigos as dirijam. Mais uma vez o ônus é jogado sobre as mulheres. O Comissário deveria prender os estupradores e proteger as mulheres.
http://nypost.com/2016/01/06/bratton-puts-onus-on-women-to-avoid-late-night-sex-assaults/

Europa: aula de sexo para muçulmanos
Os governos europeus se dão conta que os homens muçulanos são misoginistas, estão tentando educá-los. O governo alemão está oferencendo aulas de moralidade e liberdade de expressão para os muçulmanos, com direito a cartilhas (imagem abaixo) (Express). O governo da Bélgica oferece cursos de respeito à mulher (DN). O mesmo ocorre na Noruega (Independent) e na Finlândia (FT). A Suíça usa folhetos (Express). A pergunta é, quem será que eles vão seguir, os professores ou o Alcorão?

Grã-Bretanha: contribuinte financia a poligamia
Migrantes que tiverem mais de uma esposa irá ganhar mais benefícios do governo. Isso, claro, faz com que os contribuinte britânico passe a sustentar a poligamia islâmica (fonte)

Atualizações em dezembro de 2015

Estado Islâmico mata recém-nascidos com deficiência
Limpeza genética (fonte). Lembrem-se o que a Sharia diz sobre matar os filhos (e os não muçulmanos):

“o1.2 O que segue não é motivo de retaliação: 
(2) um muçulmano por matar um não muçulmano;
(4) um pai ou uma mãe (ou seus pais or mães) por matar o seu filho, ou neto; “
Fonte: ‘Umdat as-Salik wa ‘Uddat an-Nasik (Reliance of the Traveller and Tools of the Worshipper)

Finlândia: imigrante afegão estupra e ateia fogo em adolescente
A jovem de 17 anos morreu. O caso ocorreu no final de janeiro deste ano mas a mídia e as autoridades tudo fizeram para ocultá-lo e tentaram também esconder as fotos da vítima e do estuprador assassino. Este é mais um caso de estupro e assassinato por fundamentalista islâmico imigrante na Finlândia. (fonte)

Miss Iraque ameaçada: junte-se ao Estado Islâmico ou seja sequestrada
Shayma Qassim, a primeira Miss Iraque dos últimos 40 anos, recebou um telefonena do Estado Islâmico dando-lhe duas opções: se juntar ao grupo islâmico (e se tornar propriedade de um jihadista) ou ela seria sequestrada (deste modo, sendo forçada a se tornar propriedade de um jihadista). (Clarion)

Indonésia: mulher açoitada por ficar perto demais de um homem
Além disso, ela foi acusada de ter olhado para ele com afeto (fonte). Isso aconteceu na Província de Aceh, que segue a Sharia totalmente.

Polícia Feminina do EI mata e mutilada mãe por amamentar filho
Polícia da Moralidade é algo que também é mantido pelos governos do Irã e da Arábia Saudita, dentre outros paraísos islâmicos (fonte).

Estado Islâmico vende crianças e mulheres escravos… na Turquia
Bem, Maomé foi um escravocrata e estuprador. Logo, o que o Estado Islâmico faz não é novidade dentro da tradição e história islâmica. A novidade deste artigo é trazer à tona o fato de que existem mercados de escravos dentro da Turquia. E a Turquia é um país membro da OTAN, e pleiteia entra na União Européia. (Gatestone)

Atualizações em novembro de 2015

Direitos das Mulheres, no estilo da Sharia …

(1) Paquistão: pai orgulhoso por seu filho ter matado a sua filha por ela ter recebido telefonena de um estranho. (fonte)

(2) Índia: Fatwa (édito religioso islâmico) emitida contra atriz indiana Arshi Khan por ela ter comentado publicamente sobre o seu relacionamento com um jogador de criquet. (fonte)

(3) Indonésia: professor de religião (islâmica) preso por ter assaltado sexualmente 6 alunas, com idade variando entre 7 a 10 anos. (fonte)

(4) Paquistão: meninas foram surradas por jogarem criquet.
Eram univérsitárias da Karachi University, e apanharam de brutamontes do grupo Islami Jamiat Talaba. (fonte)

(5) Afeganistão: mulher de 19 anos apedrejada até a morte por ter tido sexo pré-marital com seu namorado. (fonte)

Irã: Atriz iraniana acusada de atitude imoral por não cobrir a cabeça
Sadaf Taherian (foto) disponibilizou fotos dela sem usar o hijab. O governo iraniano a proibiu de fazer novas performances. (fonte)

Sadaf Taherian

Turquia: violência contra mulher passa a ser “crime mesquinho”
Ministro da Justiça da Turquia pretende classificar violência contra a mulher como “crime mesquinho”, e tempo de prisão pode ser trocado por multa. Os crimes envolvidos são molestação, abuso sexual, aliciamento e sexo com menores. Esta é a esperada erosão dos direitos das mulheres (e das crianças) na Turquia, com o avanço do Califado neo-Otomano de Erdogan. (fonte)

Mulheres alemães assaltadas sexualmente durante festa “Bem-vindos Refugiados”
A festa aconteceu no dia 7 de novembro tendo sido organizada pelo grupo Bem-vindos Refugiados Bonn e.V. Este grupo emitiu uma nota dizendo que, mesmo pedindo, os homens não pararam o assédio. O grupo então diz “ao invés de acusar os outros é importante trabalharmos com estas diferenças no nosso dia-a-dia.” Boa sorte. (fonte)

Grã-Bretanha: Menina estuprada por uma “gangue asiática” 
“Asiático” é como a imprensa britânica se refere a muçulmanos. Eles estão sendo julgados, acusados de 26 crimes sexuais! Tornou-se comum que grupos de muçulmanos aliciem menores (infiéis brancas) e façam delas picadinho, sempre em grupo. A menina, hoje com 17, tinha 13 anos quando os ataques aconteceram. (fonte)

Suécia: aluna estuprada; Escola diz isso ser “coisa de menino”
Menina em escola sueca onde imigrantes assediam sexualmente as alunas nativas é estuprada por um imigrante africano num arbusto da escola. A direção, além de não punir o aluno, reprende os pais da vítima, acusando-os de verem os imigrantes de modo estereotipado e ainda cometem o descalabro de justificar o crime pelos hormônios da idade, como coisas de menino. (fonte)
Bem-vindos ao admirável mundo novo do marxismo cultural sendo promovido em todo o Ocidente pelos partidos de esquerdas pró-islâmicas, ou seja, em breve em todas as escolas do Ocidente.

Suécia: mulher estuprada múltipla vezes em uma mesma noite
Dois homens, um argelino de 39 e um sírio de 31, esperaram a funcionária do restaurante do centro de refúgio em Central Strängnäs, sair rumo a sua casa e a estupram. Ao se recompor, a vítima continua no seu caminho sendo atacada por outros dois refugiados sírios, de 31, que não satisfeitos ainda cuspiram no seu rosto. Um deles já tinha sido preso por ter estuprado uma outra mulher. (fonte)

Canadá: Estuprador violento, condenado a 23 anos de prisão
Reza Moazami, 30 anos, condenado por 30 crimes sexuais contra 11 meninas, algumas de 13 anos de idade. Dentre os seus crimes estão prostituição e assalto sexual. Ele tornou-se o primeiro a ser condenada por tráfico humano na província da Columbia Britânica. (CTV)

Atualizações em outubro de 2015

Irã antes e depois da Revolução Islâmica, que forçou a Sharia sobre o seu povo

https://www.bitchute.com/video/mlEof7I01rjE/

Direito das mulheres no Irã e o silêncio do governo brasileiro na ONU
Artigo no qual Shirin Ebadi, ganhadora do prêmio nobel, critica o governo brasileiro, e um vídeo resume os direitos das mulheres no Irã. Leia o artigo aqui.

Ativistas são surradas ao interromperem evento islâmico

Ativistas da FEMEN interrompem uma conferência islâmica quando se discutia sobre “espancamento de esposa.” Ambas são ex-muçulmanas. Uma delas disse: “Ninguém pode me escravizar, ninguém pode me possuir, eu sou meu próprio profeta!” Elas foram violentamente espancadas. Para sorte delas, este evento islâmico foi em Paris e a polícia francesa as salvou. Veja o vídeo:




https://www.bitchute.com/video/D3RknyXQL0ej/

Por que os estupradores islâmicos preferem as loiras?
Finlândia: refugiado compara mulheres a cães
Ele fez isso ao reclamar da comida, dizendo que a comida era boa apenas para mulheres ou para cães.
Epidemia de estupros perpetrada por migrantes
Refugiado muçulmano reclama de falta de sexo
“Refugiados” muçulmanos em campo de refugiados da Europa, reclamam que estão ficando doentes por falta de sexo dentro dos campos de refugiados e a culpa é das autoridades européias que não construíram abrigos apropriados para o sexo. https://www.facebook.com/1601360926768290/videos/1685370638367318/
Refugiado sudanês acusado de estupro
Ele está na Grã-Bretanha a 5 meses. Repito. Não foi o islão quem inventou o estupro, mas ele o permite se feito sobre as mulheres não muçulmanas. (fonte)
Índia: Menina de 4 anos de idade é morta por seu pai por não se cobrir
Ele a matou simplesmente por ela ter falhado em cobrir a sua cabeça enquanto almoçava. (fonte)
Dentista morta por tratar pacientes do sexo masculino
Rou’aa Diab, uma dentista do sexo feminino, foi detida pelo Estado islâmico em 22 de agosto de 2014. Ela foi acusada de crime por realizar “tratamento odontológico em pacientes do sexo masculino”, e foi executada. Ela foi decapitada por ajudar a prevenir e tratar a doenças. (fonte)
EUA: príncipe saudita força sexo oral sobre empregada
Majed Abdulaziz Al-Saud foi preso pela polícia de Los Angeles após ser acusado de forçar a sua empregada doméstica a fazer sexo oral nele, além de um vizinho ter visto uma mulher sangrando tentar escalar a parede da casa dele para fugir do estabelecimento (fonte). Estuprar não muçulmanas é permitido pela lei islâmica.
Arábia Saudita: Esposa filma marido traindo-a com empregada doméstica e é presa
Ela é acusada de tentar envergonhar o marido, por difamação. Ela poderá encarar um ano na prisão ou terá que pagar uma fiança de SR500.000 (quinhentos mil saudi riyals), algo em torno dos 500 mil reais. (fonte)
EUA: Gangue de universitários muçulmanos são acusados de drogar e estuprar duas estudantes da Universidade Johnson and Wales
Mohammed Alsaqer, Yazeed Alasiri, Mohammed Aljohani e Tareq Alharbi são os acusados. Observação: Os dois primeiros são de origem saudita, como está destacado na reportagem. (fonteEstuprar não muçulmanas é permitido pela lei islâmica.
Refugiada conta como é a vida no mercado de escravas do Estado Islâmico
Jinan, uma curda de 18 anos, conta como foram seus três meses de cativeiro no Iraque, em 2014, nas mãos dos jihadistas, e como conseguiu fugir uma noite roubando umas chaves.  Ela narra isso no seu livro No livro “Escravas do Daech” (nome do EI em árabe). (fonte)
(video saved)
Suécia: refugiado estuprou uma criança de 3 anos; Conselho de Migração tentou esconder o incidente
Os direitos das crianças, mulheres e homossexuais estão sendo sacrificados no altar do multiculturalismo
Arábia Saudita: centenas de mulheres processadas por sexo extramarital (mesmo vítimas de estupro)
Reportagem do The Guardian relata que centenas de mulheres, na maioria empregadas domésticas extrangeiras, são processadas e presas, acusadas de sexo extramarital, até mesmo aquelas que tenha sido estupradas.
Atualizações em setembro de 2015

Ser mulher no “paraíso islâmico” da Arábia Saudita
Ao escrever um arquivo intitulado Saudi Arabia: from the eyes of an insider (Arábia Saudita pelos olhos de quem está dentro, 25/8/2015), a jornalista egípcia Mona Eltahawy diz que “segregação” é o único modo para descrever a situação das mulheres na Arábia Saudita. Os pontos principais a serem destacados são:

  1. Mulheres, não importa quão jovem ou velha elas sejam, são obrigadas a terem um guardião masculino.
  2. Ser uma mulher na Arábia Saudita é ser a personificação do pecado.
  3. O ódio islâmico contra as mulheres brilha ardentemente em toda a região – agora mais do que nunca.
  4. A obsessão com o controle das mulheres decorre da suspeita de que as mulheres são seres sexualmente insaciáveis.
  5. A Arábia Saudita segue uma interpretação ultraconservadora do Islã conhecida como wahabismo. (Nota: e vem financiando a construção de mesquitas no Brasil e treinando os imãs brasileiros)

Movimento quer que Mutilação Genital Feminina volte a ser permitida na Guiné-Bissau
Qual o motivo que leva muçulmanos, e apenas eles, a desejarem o retorno da prática da remoção do clítoris, criminalizada na Guiné-Bissau? Resposta: a remoção do clítoris, a chamada Mutilação da Genitália Feminina, vem das tradições de Maomé (Sunna): (fonte).

Imagens que falam por sí

Irã: mulher presa ao dirigir por não se cobrir convenientemente

No Irã a mulher pode dirigir, mas do que adianta se a polícia fica fiscalizando o chador/hijab alheio? (fonte)

Irã: marido não permite mulher participar de competição no exterior
Niloufar Ardalan, estrela do time de futebol feminino do Irã, não irá participar da Copa Ásia de Futebol porque o seu marido a proibiu de viajar e tomou o passaporte dela. Jogadores de futebol podem viajar, mas as jogadores precisam da autorização dos maridos (fonte).

Para fazer sexo com escravo, mulher deve se casar com ele, e ele se torna o seu dono
Segundo este clérigo, no paraíso, a mulher muçulmana tem ao seu dispor um homem jovem cujo pênis nunca amolece.

https://www.bitchute.com/video/1fxmqCftyevT/

EUA proibiu tropas de combater abuso sexual de crianças no Afeganistão 
Existe uma prática de pedofilia e abuso de meninos chamada de Bacha Bazi, que significa literalmente “brincadeira de menino,” que é nada mais do que abuso sexual de menores. Ele era praticado até mesmo dentro das bases militares pelos “aliados afegãs”, mas o exército proibiu as tropas a reagir a isso. Baseado em que regras morais os EUA desejam liderar o mundo? (fonte)

Eis o que diz o Alcorão, a sagrada palavra do misericordioso Alá, sobre o eroticismo do abuso de menores:

Esses são os que são trazidos próximos aos Jardins do Prazerumgrupo dos antigos povos e alguns dos povos mais recentesem tronos tecidos, reclinados sobre eles, voltadas uns para os outros. Lá, irão circular entre eles meninos feitos eternos com vasos, jarros e uma xícara de uma fonte que flui – Alcorão 56: 11-18

E eles vão ser dados a beber um copo cuja mistura é de gengibre, uma fonte dentro do paraíso chamado Salsabeel. Lá, irão circular entre eles meninos feitos eternosQuando você vê-los, você pensaria que eles são pérolas dispersasE quando você olha para lá, você vai ver o prazer e grande domínio – Alcorão 76: 17-20

Modelo anglo-paquistanesa se suicida para evitar casamento forçado
Ela se enforcou. A família da modelo era muçulmana e estava a pressionando para se casar novamente. Ela chegou a ir na justiça para se defender da pressão por parte do seu pai, sua mãe e cinco dos seus oito irmãos. Fatos como esse são consequência da mulher ser considerado como propriedade do homem, seja pai, irmão, marido, etc, segundo a lei islâmica Sharia. (Daily Mail)


Uruguai espantado e ultrajado com o nível de violência doméstica por parte dos refugiados sírios
Youtube: https://youtu.be/0ir_ivmac-gO presidente do Uruguai, José Mujicadisse que não vai tolerar a violência contra as mulheres nem a violação das leis do seu país depois de casos de violência doméstica foram denunciados em uma das 5 famílias que residem na nação desde 9 de outubro passado. São imigrantes importando seus costumes.

Ginasta muçulmana criticada por mostrar os seu “aurat” (genitália)
Aurat é um termo árabe que significa a genitália e arredores. Ele disse que mulheres podem fazer ginástica desde que “escondam o seu pudor.” Mas collant é o uniforme da ginástica. E ela está mostrando o que? Isto aconteceu com Farah Ann Abdul Hadi, da Malásia, que competiu nos Jogos do Sudoeste da Ásia. 

Clérigo Harussani Zakaria: “A ginástica não é para mulheres muçulmanas. É claro que a exposição do aurat e da forma de seu corpo é haram (proibido no Islã). Se as mulheres muçulmanas querem participar de ginástica, elas têm que encontrar roupas que cubram a aurat e este, por sua vez, não poderia ser mais adequado para o esporte.”

Roszida Kamaruddin, chefe da ala feminina da Associação Nacional da Juventude Muçulmana: “As mulheres não devem ser impedidos de esportes, mas eles devem priorizar os códigos islâmicos no esporte. Além disso, há muitas atletas muçulmanas que têm sucesso mesmo sem mostrarem a sua aurat.”(Daily Mail)


Farah Ann Abdul Hadi, atleta da Malásia

Alemanha: Pai muçulmano paquistanês mata a filha por estrangulamento por tê-la pego roubando preservativos em loja para fazer sexo com o namorado
O namorado também não tinha sido aceito pelo pai. Mas não existe compaixão. Ainda por cima, o filicida tentou livrar-se do corpo da vítima. A mãe alega ter tentado impedi-lo. Contudo, segundo a notícia, teria ajudado o marido a livrar-se do corpo da filha. São comuns casos de assassinatos pela própria família nos crimes de honra por fundamentalistas islâmicos. (Daily Mail)

Muçulmanos irão sempre dizer para você que o islão valoriza a mulher … mas do modo que Alá manda ou permite
… e o marido pode bater na mulher rebelde como o intuito de educa-la. Isso segue do Alcorão 4:34

O que para o islão significa valorizar a mulher para nós significa abusar dela. Não é por nada que nós somos kufar, infiéis, as mais vis das criaturas.


Alemanha: policia “abafa” um estupro para não ir contra a política de imigração 
Uma menina muçulmana de 13 anos foi estuprada por outro candidato a asilo em uma dependência para refugiados em Detmold, uma cidade no centro-oeste da Alemanha. A menina e a mãe, ao que consta, fugiram de sua terra natal por causa da violência sexual.” Apesar do estupro ter ocorrido em junho, a polícia não se pronunciou por cerca de três meses, até que a imprensa local publicou um artigo sobre o crime. Segundo comentários editoriais no jornal Westfalen-Blatt, a polícia se recusou a vir a público e se pronunciar sobre crimes envolvendo refugiados e migrantes, para não dar legitimidade aos opositores da migração em massa. (fonte)

Origem da pedofilia no islão: o casamento de Maomé com uma menina de 6 anos
Maomé consumou seu casamento com Aisha quando ela tinha 9 anos e ele 53. Devido a isso, a lei islâmica permite que meninas possam ser casadas e consumidas em tenra idade, antes mesmo da puberdade. Por 1400 anos, meninas pré puberes tem sido violadas devido às ações de um pedófilo do deserto árabe do século VII, considerado como o Exemplo de Conduta do islão.

Muçulmanos fazem de tudo para esconder este fato, arrumando desculpas esfarrapadas, mentindo, ou matando para defender a honra de um pedófilo. (ex-muçulmanos)

Atualizações em agosto de 2015

Dubai: Pai deixa que filha se afogue ao impedir que dois salva-vidas do sexo masculino a tocassem
A reportagem em questão fala que o homem não identificado é de origem asiática e o motivo para deixá-la morrer foi a crença dele. Já se percebe qual é a crença desse homem. Uma variante do crime de honra. (ara.tv)

Portugal: Xeique Munir acusado pela esposa de violência doméstica
Violência doméstica é algo sério. Mas como lidar um sistema político-ideológico que não só a permite mas a incentiva? (Sol.pt)

Irã: Mulher quer ser surrada apenas uma vez por semana
Ele fez o pedido no tribunal da Sharia. O marido diz que se ele bater nela apenas uma vez por semana ela vai se rebelar contra ele. (ex-muçulmanos)

Estado Islâmico oferece meninas escravas como prêmio de competição do Alcorão
E nós ainde ouvimos muçulmanos e apologistas dizerem: “O Islão valoriza as mulheres” (Globo)

Kayla Mueller foi estuprada sistematicamente pelo Califa Al-Bagdhadi antes de ser morta. Ela havia se tornado propriedade dele
Em maio deste ano eu comentei sobre esta jovem sorridente, Kayla Mueller, americana e ativista do ISM (Movimento de Solidaridade Internacional), um braço da Jihad Global. Apesar de ser “ativista”  ela acabou sendo morta por aqueles que ela defendia. Agora vem a notícia que, antes de ser executada, ela se tornou propriedade do Califa Al-Bagdhadi. Ele a visitava junto com o tunisiano Sayyaf, estuprando-a sistematicamente. As fontes da inteligência americana souberam disso através do depoimento de duas escravas sexuais iazides presas no mesmo prédio que Kayla, bem como do depoimento da esposa de Sayyaf, que foi capturada após uma incursão de comandos dos EUA.

Essa notícia é triste e revoltante, mas é consistente com tudo aquilo que Maomé fez durante a sua vida, sob as bençãos de Alá, ações estas consolidades na Sharia e imitadas pelos bons muçulmanos ao longo dos séculos. Não foi o islão quem inventou o estupro. Mas o islão o consolidou como algo halal (permitido) se feito sobre as mulheres káfir (não muçulmanas).

Alcorão 4:3 se refere às “mulheres que a sua mão direita possuir”; Alcorão 4:24 proibe o homem muçulmano de ter sexo com uma mulher já casada, exceto aquelas que a sua “mão direita possuir”; Alcorão 33:50 diz claramente quem são as “mulheres que a sua mão direita possuir”: elas são aquelas conquistadas como espólio de guerra.

O casamento pedófilo legalizado por países islâmicos é uma homenagem ao Profeta que já passara dos 50 anos quando transformou em esposa uma menina com menos de 10 anos
Artigo analisa video tratando da pedofilia no islamismo (fonte).

Arábia Saudita: juiz anula casamento porque esposos foram amamentados pela mesma mulher
A justiça da Arábia Saudita anulou um casamento de 25 anos e 7 filhos porque o casal, quando bebê, amamentou da mesma mulher, o que, segundo o juiz, os tornou irmãos, mesmo tendo tido pais diferentes. (Fonte) Isso lembra o caso do clérigo da Al Azhar (Egito) que havia dito que as trabalhadoras deveriam “amamentar” seus colegas de trabalho, a fim de poderem trabalhar na companhia um do outro, como membros da mesma família.

Reino Unido: Muçulmanos se juntam ao ISIS para fazer sexo durante a Jihad
Um imã disse que muitos muçulmanos se juntam ao Estado Islâmico por sexo, pela facilidade de estuprarem mulheres a cada nova cidade conquistada (fonte). Pois é, estuprar ainda é crime na Grã Bretanha, enquanto que é algo halal (permitido) no Califado Islâmico.

Suécia: homem espera obter cidadania para poder sair estuprando, por saber que não existe mais o risco de ser extraditado
O muçulmano do curdistão ameaçou a vítima dizendo que ele já matou 10 pessoas. Ele também disse que estuprou a vítima por ela ter ajudado as suas filhas a se tornarem independentes. O curioso é que o filho do estuprador está preso acusado de ligações com terrorismo na Síria. Aqui vemos vários dois problemas ligados à Sharia: a permissão de estuprar káfir (não muçulmana), e a mulher como propriedade do homem. (fonte)

Arábia Saudita: juiz anula casamento porque esposos foram amamentados pela mesma mulher
“Para se tornar membro da uma família basta “mamar” no seio de uma mulher adulta daquela família.” (fonte)

Prêmio Nobel da Paz, iraniana Shirin Ebadi, fala sobre direitos da mulher no Irã
Ela explica que o acordo recém-assinado com o Irã é um prêmio para o regime teocrático dos aitolás iranianos. Segundo ela, as potências perderam chance de pressionar Teerã por mais respeito aos direitos humanos. Por exemplo, com respeito aos direitos das mulheres, ela diz que “uma mulher pode fazer doutorado na universidade, pode também ser ministra, mas assim mesmo ela continua valendo menos do que um homem perante a lei, mesmo que seja uma comparação com um homem analfabeto. Um homem pode ter quatro mulheres, mas uma mulher que quer se separar não tem nenhum direito. Perde automaticamente a guarda dos filhos. Eu, mesmo como advogada, tenho diante da lei apenas a metade do valor que tem um homem.” (O Globo)

Mulher deve sempre atender (sexualmente) o marido; sexo contra vontade da esposa não é estupro 
Muçulmanos e apologistas irão te dizer que o islão valoriza das mulheres  (https://youtu.be/FOISpCSCdwg OK)

O problema das mulheres se casarem com muçulmanos
Este artigo externo relata muitos dos problemas inerentes a casamentos de “mulheres infiéis” com muçulmanos. Para ler clique aqui.

Atualizações em julho de 2015

Grã-Bretanha: estupro e exploração de menores
Menina britânica foi estuprada e explorada por sete fundamentalistas islâmicos paquistaneses em Rotherham desde os doze anos por cinco anos. Os criminosos ameaçavam ferir sua família se ela os denunciasse.
Cabe lembrar que, no caso do escândalo de 1.400 meninas estupradas por gangues destes fundamentalistas na mesma Rotherham, as vítimas denunciavam os casos ao serviço social e aos policiais mas nada era feito e isto durou cerca de uma década. (fonte)

Escravidão sexual
Vídeo sobre as mulheres que são escravizadas pelo Califado Islâmico, de modo semelhante aquilo que Maomé e seus seguidores fizeram: https://www.youtube.com/watch?v=lfDlYLQrjC0

Irã: mulheres que não se cobrem tem doenças do intestino e estômago
Clérigo iraniano adverte que  as mulheres vão sofrer de ‘doenças dos intestinos e estômago’ se eles não se cobrirem da cabeça aos pés. (fonte)

Muçulmana morta por outras muçulmanas por olhar roupas em uma loja
Isso aconteceu em Mosul. Um grupo de mulheres levantou o niqab para enxergar melhor. Outras mulheres, parte de um destacamento tipo “polícia da virtude” as atacaram,  e uma das vítimas acabou morrendo. Ela tinha 17 anos. (The Clarion Project)

Holanda: Imã diz que mulher “descoberta” fere os sentimentos do homem
Ele disse que as mulheres não devem vestir o que desejam, mas sim se cobrirem para não ofenderem os homens. No mesmo sermão ele ataca os homossexuais. (MEMRI)

França: muçulmanas agridem mulher de biquini tomando sol em um parque 
Elas estavam tentando impor a Sharia com as suas próprias mãos. O fato gerou furou junto às mulheres francesas, mas o prefeito disse que não se deve tirar conclusões sobre os motivos do ataque (Fonte). O prefeito é um típico político europeu, vendido.

Atualizações em junho de 2015

Mulher que se tornar muçulmana enquanto casada com um não muçulmano deve se divorciar dele

EUA: líder islâmico preso por pedofilia
Um dos líderes do CAIR, uma organização islâmica nos EUA que tenta se passar como defensora dos direitos dos muçulmanos, foi preso pela prática de pedofilia. Puxa, a polícia dos EUA é mesmo islamófoba. Será que ela não sabe que a religião islâmica permite isso? Será que ela não sabe que Maomé tornou isso sagrado? (sarcasmo) (fonte)

Bangladesh: Mais um ataque com ácido contra mulheres
Dessa vez as vítimas foram mãe e filha. Motivo? A mãe rejeitou casar a filha com alguém que considerou não apto para tal. A Sharia define a mulher como propriedade do homem. (fonte)

Galeria de imagens: Retratos de mulheres afegãs presas por ‘crimes morais’
Muçulmanos devotos e apologistas dizem o seguinte: O islão respeita e valoriza as mulheres. Nenhuma outra religião / ideologia permite que as mulheres se satisfaçam plenamente como mulheres. Veja a galeria neste link.

Jihadista inglês diz “nossa cultura permite isso
Um artigo que versa sobre a “cultura do estupro islâmico” que ocorre na Grã-Bretanha, e sobre as autoridades que tem medo de o combater com receio de serem chamados de islamófobos. (Gastestone)

Muçulmano pode desfrutar sexualmente de meninos
Fatwa do Estado Islâmico determina que o mujahadin (o psicótico soldado sagrado islâmico) pode desfrutar meninos jovens na ausência da mulher. A justificativa corânica é:

“Não vai circular entre eles [servos] meninos [especialmente] para eles, como se fossem pérolas bem protegidas.” (52:24)

“Circularão entre eles meninos feitos eternos. Quando você vê-los, você pensará que eles [tão bonitos como] pérolas espalhadas”. (76:19)

Este livro doido manda matar gays, mas permite homosexualidade com meninos, ou seja, pedofilia pode. (fonte)

Irã: enforcada a mulher que matou o homem que a tentou estuprar
Ela não tinha o testemunho de 4 homens para provar o estupro, conforme exige a lei islâmica (fonte)

Irã: Mutilação da Genitália Feminina afeta dezenas de milhares
“Isso deve ser feito, do contrário a mulher terá tantos desejos sexuais que seria escandaloso.” Prática no oeste e sul do Irã. (Reuters)

Indonésia: lei proíbe mulheres trabalharem apís as 11 da noite
Baixada uma lei na província indonésia de Aceh que proíbe estabelecimentos comerciais de manterem mulheres trabalhando após às 23h, a não ser que estejam acompanhadas dos seus maridos ou de um membro masculino da família. (Al Jazeera)

Indonésia: casamento com meninas menores
Agora está praticamente liberado o casamento forçado com menininhas na Indonésia. (fonte)

Malásia: lançado calcinhão que cobre a genitália das mamães muçulmanas durante o parto
Chama-se MAMA PRIDE. (Daily Mail)

Atualizações em maio de 2015

Simpósio: Apartheid de gênero e o Islã
Um debate interessante, pois é bom ver os argumentos que muçulmanos devotos apresentam e como é fácil contra-argumentá-los. Leia o artigo aqui.

Casamento Temporário e escravidão sexual

The Independent traz uma reportagem na qual Ibrahim, um sunita de 49 anos residente de Fallujah, descreve o motivo que o levou a fugir da área controlada pelo ISIS: o tratamento das mulheres. Ibrahim relata que o ISIS obriga as mulheres muçulmanas a se submeterem ao casamento temporário (Jihad al-Nikah) contra a sua vontade. E isto afeta não apenas as muçulmanas que deixam seus países e se juntam aos jihadistas por vontada própria (para se tornarem bonecas sexuais), mas todas elas, incluindo menores de idade. Se as mulheres forem sunitas, elas são obrigadas ao casamento temporário. Se elas não forem sunitas, elas podem ser simplesmente presas e serem usadas como escravas sexuais (fato que ocorre com mulheres yazides e cristãs).

ISIS impõe código de vestimenta e conduta sobre as mulheres, incluindo nelas o “casamento temporário”

EUA: em 2006, cidadão saudita preso por manter escrava sexual no porão (uma empregada da indonésia)
Existem casos onde tarados psicopatas como este saudita fazem as maiores atrocidades. Neste caso em particular, o que chamou a atenção na época foi que a sua esposa o ajudava. E, na sua defesa, ele disse que a religião dele (islão) permitia o que ele tinha feito, acusando as autoridades americanas de “perseguição religiosa.” Agora, Homaidan al-Turki, o criminoso sexual, teve pedido de prisão provisória negado por se negar a participar de curso específico para predadores sexuais, novamente sob a alegação que isso vai de encontro a sua religião (IBT)

Indonésia: alunas precisam comprovar virgindade para concluirem o colegial
Conform relata o IBT, a cidade de Jember, na Indonésia, instituiu um “teste de virgindade” para as graduandas do segundo grau. Elas só se formariam e obteriam o diploma caso passem neste teste. As autoridades reclamam que as alunas tem sexo várias vezes e com parceiros diferentes. Um advogado espera que a regra se expalhe para o resto da província. Ele diz: “Se elas não são mais virgens, não se deve permitir que elas passem. Isso parece piada mas é sério. Isto é para o bem do nosso futuro.” O “teste da virgindade” viola a Convenção sobre a eliminação de toda a forma de discriminação contras as mulheres.” Mas, lembre-se, a Sharia (“lei de Alá”)  tem precedência sobre acordos internacionais feitos pelo ser humano.

Indonésia: Exército impõe “teste da virginidade” nas recrutas
O teste da virginidade (“teste dos dois dedos”) é aplicado nas mulheres recrutas às forças armadas e nas noivas dos oficiais. As forças armadas consideram que uma “mulher virgem é mais saudável mentalmente do que uma mulher que tenha perdido a virgindade.” E também deseja evitar que “mulheres mal-comportadas se casem com os oficiais.” A polícia da Indonésia também faz teste da virginidade nas mulheres que desejam se tornar policiais. (fontefontefonte)

Noiva jihadista ataca Michelle Obama: estupro de escravas é ensinamento de Maomé
Noiva jihadista admite aquilo que nós e outras páginas anti-jihad/sharia denunciavam há tempos: Que o sexo com mulheres sequestradas/escravizadas é uma prática inspirada pelo profeta Maomé, e adicionou: “Ninguém pagaria um terço de um dinar* por Michelle Obama. Ela não vale nem isso.”
*Dinar é uma moeda que ainda é utilizada por alguns países de maioria islâmica, como a Argélia e a Líbia, mas já fora difundida por todo o território que constituiu o império Turco-Otomano. (Globo)

Mais estupro e escravidão sexual
Maomé não só permitiu, mas incentivou o estupro de “mulheres conquistadas”. E Alá aprovou.

  • Escandinávia: muçulmanos usam o pênis como arma (fonte)
  • Grã Bretanha: amplia-se a rede de estupros motivada pela Sharia. Membro de gangue de estupro muçulmana vai a julgamento. Declaração da vítima: “Eu disse que tinha onze anos e ele disse que tinha trinta e dois. Ele não estava chocado.” (fonte)
  • Nigéria: 214 mulheres e meninas libertados do Boko Haram estão grávidas (fonte)

O islão possue regras que justificam o estupro de mulheres infiéis (não muçulmanas), baseadas no comportamento de Maomé e nas prescrições do Alcorão. O texto diz: “Eu já fui estuprada 30 vezes e ainda não é nem a hora do almoço. Eu não posso ir ao banheiro. Por favor, joguem bombas sobre nós.” Mulher Yazide, que contactou soldados iraquianos pedindo por ajuda.

Sauditas compram meninas sírias refugiadas (vídeo)
Sauditas ricos compram meninas refugiadas para servirem de esposas, muitas como “esposas temporárias.” Eles usam o desespero das famílias para satisfazer aos desejos sexuais. Se eles estivessem realmente interessados em ajudar iriam apenas dar o dinheiro e não comprar o usar o corpo das meninas como peça de barganha. Isso segue o exemplo de Maomé, que obrigou a jovem Safiyah a se casar com ele algumas horas após ele ter matado a sua família e o seu marido. Este fato é celebrado como “misericórdia de Maomé.” A maldade e o abuso é de dar dó no coração.


Eu não sei a origem do vídeo, mas pelo sotaque parece ter sido um programa da TV portuguesa, mostrado pela Globo News em 2013. Atualização: me foi dito que o reporter português, Henrique Cymerman, é correspondente do Médio Oriente para o La Vanguardia , Antena 3, SIC e Globo News. 




EUA: Pais muçulmanos acusados de facilitarem o estupro da sua filha
Segundo a polícia, os pais arrastaram a filha adolescente para o apartamento de um homem de 30 anos, Muhammad Abdullahi, que bateu no seu olho, começou a estrangulá-la, arrancou suas roupas, esbofeteado-a e mordendo-a, a agrediu sexualmente e finalmente trancou a porta de seu apartamento para impedi-la de sair quando ele foi dormir. A palavra árabe “ghayra” significa o controle dos machos muçulmanos sobre os membros da família do sexo feminino para fazerem cumprir as regras islâmicas de vestimenta e comportamento das mulheres. O islão dá ao homem o direito de usar a força quando uma mulher quebra as regras. Milhares de mulheres são assassinadas por imposição da ghayra a cada ano, mas milhões – como esta adolescente em Phoenix – não são mortas, mas são espancadas, presas ou torturadas. (WND)

Chechênia: Jovem de 17 anos é forçada a se casar com chefe de polícia
E muçulmanos e apologistas ainda têm a coragem de dizem que no islão a mulher tem o direito a escolher o marido. (O Globo)

Mutilação do Clítoris 

  • Egito: 92% das mulheres que já foram casadas sofreram mutilação da genitália (tiveram o clítoris cortado fora). A maioria sofreu isso entre os 9 e os 12 anos. No interior do país, este percentual chega a 95%. Esta “prática cultural” se faz cada vez mais presente na Europa e EUA com o aumento da imigração muçulmana. (IBT)
  • Grã-Bretanha: Mutilação do Clítoris de meninas acontece no meio de festas islâmicas. Um comitê que luta contra esta “prática cultural” diz que “mutiladores” são trazidos do exterior (de países muçulmanos) para cortem fora o clítoris de meninas muçulmanas durante celebrações islâmicas (Guardian).

Arábia Saudita: estupro é culpa da mulher
Pesquisa feita na Arábia Saudita comprova: Oitenta e sete (sim OITENTA E SETE) porcento dos homens culpam as mulheres por serem vítimas do abuso sexual feito contra elas. (fonte)

Atualizações em abril de 2015

A brutal sequência da execução de uma mulher pelo ISIS
Segundo o vídeo (que é chocante demais) ele foi acusada de adultério. Mulheres muçulmanas dizem que não tem medo das punições, pois só é punida quem faz algo errado. Mas existem muitos casos da mulher ser estuprada e acabar sendo acusada de adultério, se ela não tiver 4 testemunhas homens para provar o estupro.

Inacreditável: Irã eleito para fazer parte da diretoria do “Mulher ONU”
Este é um organismo que luta pela “igualdade de gênero e empoderamento das mulheres.” E isso apesar de um relatório da própria ONU dizer que o governo atual de Hassan Rouhani ter piorado o estatus das mulheres no Irã. Só falta agora elegerem a Arábia Saudita para presidir a Comissão de Direitos Humanos. (FonteFonte)

Menina de 9 anos fica grávida após ser estuprada por militantes do Estado Islâmico
A menina foi feita de escrava sexual e estuprada sequencialmente. Ela corre risco de vida com a gravidez. “Milhares de meninas e mulheres foram estupradas, torturadas, forçadas ao casamento e escravizadas pelos militantes” do Califado Islâmico. (Fonte)

Mais relatos de abuso sexual de meninas Yazidis por parte dos zelosos seguidores de Maomé
(1) Eles são membros do Califado Islâmico. A repetição destes relatos nos dá conta do horror e do processo industrial com o qual as meninas Yazidis eram tratadas: algemadas e violentadas sistematicamente por homens diferentes (DailyMail). Lembre-se que Maomé não apenas permitiu mas praticou o estupro de prisioneiras. E Alá concordou com tudo isso no Alcorão.
(2) Em outro relato vindo das sobreviventes sexuais do Califado Islâmico nos diz que os zelosos seguidores de Maomé jogavam a sorte para decidir qual mulher seria estuprada (Independent). Isso é algo que os companheiros de Maomé também fizeram!!!!

Mulher que fingiu ser homem por 40 anos ganha prêmio de melhor mãe no Egito
Será que somente assim uma mulher tem valor no islã? (Fonte)

Paquistão: marido mata esposa por visitar sua irmã sem a sua permissão
Isso está de acordo com a Sharia: “m10.4 O marido pode proibir sua esposa de sair de casa (O: por causa do hadith relatado por Bayhaqi que o Profeta (Alá o abençoe e lhe dê paz) disse. “Não é admissível que uma mulher que acredita em Alá e no último dia permita que alguém entre na casa do seu marido se ele se opõe, ou de sair dela, se ele for avesso”). Mas, se um dos seus parentes morrer, é preferível deixá-la sair para visitá-los.” (Fonte)

Pedofilia: Mais um feito do profeta
Esse senhor do vídeo é um mulá iraniano. E ainda tem gente que diz que isso não existe.
Sahih Muslim, livro 008, número 3310 e 3311, respectivamente:
“Aisha (Alá esteja satisfeito com ela) relatou: o Apóstolo de Alá (que a paz esteja com ele) se casou comigo quando eu tinha seis anos de idade, e eu fui morar em sua casa quando eu tinha nove anos de idade.”
“Aisha (Alá esteja satisfeito com ela) informou que o Apóstolo de Alá (que a paz esteja com ele) se casou com ela quando ela tinha sete anos de idade, e ela foi levada para sua casa como uma noiva quando ela tinha nove anos, e suas bonecas foram com ela; e quando ele (o Profeta) morreu, ela tinha dezoito anos.”

Atualizações em março de 2015


8 de Março: DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES
Enquanto que as mulheres têm muito a comemorar em termos de conquistas nos últimos 100 anos, marcados por avanços na sociedade em diversas partes do mundo, o mundo islâmico continua travado no que a lei islâmica Sharia diz. E o pior, a Sharia avança no resto do mundo seguindo a imigração desenfreada. Reveja os direitos das mulheres segundo a Sharia.

Meninas Britânicas Estupradas por Gangues Muçulmanas em “Escala Industrial”
Isso segue do Alcorão: Alcorão 4:3 se refere às “mulheres que a sua mão direita possuir”; Alcorão 4:24 proibe o homem muçulmano de ter sexo com uma mulher já casada, exceto aquelas que a sua “mão direita possuir”; Alcorão 33:50 diz claramente quem são as “mulheres que a sua mão direita possuir”: elas são aquelas conquistadas como espólio de guerra. Mulheres infiéis são como animais de caça: é abater e comer. (Gatestone Institute)

Estado Islâmico quer mulheres casadas a partir dos nove anos
O movimento extremista Estado Islâmico divulgou um manifesto sobre a conduta das mulheres nas regiões que controla, que inclui casamento aos nove anos, vida sedentária, educação até aos 15 anos e negação do feminismo ocidental. (Jornal de Notícias)

Estado Islâmico: mulheres são executadas por recusarem sexo com os jihadistas 
Elas se recusaram ao casamento temporário. (fonte)

Austrália: maometano devoto casa a sua filha de 12 anos para “livrá-la do pecado”
Ele fez isso em uma cerimônica islâmica depois de descobrir sua filha tinha começado a menstruar, tornando-se interessada em meninos (Mail). Isso é lei islâmica em ação. Lembre-se disso quando alguém te dizer que as mulheres sob o islão tem liberdade de escolha.

Turquia: alunas que se sentam com alunas são chamadas de prostitutas
Diretor de escola secundária chamou atenção das alunas por se sentarem com meninos, perguntando se elas são infiéis [não-muçulmanas] e desejam se tornar prostitutas. (fonte)

Nigéria: Boko Haram mata as esposas-escravas para protegê-las dos infiéis 
Mentalidade doentia dá nisso. A vida humana é muito barata para os jihadistas (Fonte).

Gaza: testemunho do homem é igual ao de duas mulheres
Em uma entrevista recente, a acadêmica Tahani Abu Jazar, que leciona lei islâmica na Universidade Islâmica em Gaza, fala sobre a condição da mulher no Islã, dizendo: “A mulher não tem as mesmas necessidades que o homem.” O homem, ela disse, “usa o hemisfério esquerdo do cérebro”, enquanto que a mulher “usa ambas as partes de seu cérebro.” De acordo com Abu Jazar, “isso prova que o testemunho de um homem é igual ao de duas mulheres.” A entrevista foi ao ar no canal TV Al-Aqsa, do Hamas, em 8 de março para marcar o Dia Internacional da Mulher.

Afeganistão: mulher morta sob acusação infundada de ter queimado um Alcorão

Esta boneca sem o rosto parece ser uma representação apropriada da mulher sob a lei islâmica Sharia

Inglaterra: meninas seduzidas através de “namoro via internet
O jornal inglês The Independent traz a entrevista de meninas que foram seduzidas a se tornarem esposas de jihadistas do Estado Islâmico. Elas foram seduzidas através de namoro na Internet, no qual elas estiveram em contato com homens glamorosos e sedutores, em aparência e em modo de falar.



Atualizações em fevereiro de 2015


Irã: lei permite homens se casarem com filhas adotivas de 13 anos (mais um legado de Maomé)
Leia o artigo todo no link.

Casamento temporário: A Prostituição Religiosa do Islão (mut’ah, sighe, misyar)
Leia o artigo no link.

Estado Islâmico quer mulheres casadas a partir dos nove anos
O movimento extremista Estado Islâmico divulgou um manifesto sobre a conduta das mulheres nas regiões que controla, que inclui casamento aos nove anos, vida sedentária, educação até aos 15 anos e negação do feminismo ocidental. (Jornal de Notícias)

Atatürk mostrou como lidar com a burca e o niqab
Mustapha Kemal Atatürk, fundador da moderna Turquia (1923 – 1938), no quadro das profundas reformas políticas, económica e culturais, que introduziu no país, desejoso de acabar de uma vez por todas com a burca e o niqab, serviu-se de uma brilhante astúcia para calar a boca dos fundamentalistas da época. Ele propôs simples lei que determinava o seguinte:

“Com efeito imediato, todas as mulheres turcas têm o direito de se vestirem como quiserem, no entanto todas as prostitutas devem usar a burca e o niqab.”

No dia seguinte, não havia ninguém de burca e niqab na Turquia (http://antonio-justo.eu/?p=2826)

Historiador saudita diz que mulheres que dirigem sozinhas querem ser estupradas
Ele disse que as mulheres ocidentais não se importam de serem estupradas, por isso elas dirigem sozinhas (Telegraph).

EUA: quatro americanas passaram um dia usando um hijab para ver como elas se sentiam
Nos EUA, não existe problema em se usar o hijab. Mas, vá deixar de se cobrir nos paraísos islâmicos. (Buzzfeed)

Inglaterra: O escândalo das gangues de estupro só faz aumentar
Após o acobertamento de 1.400 casos pelo Conselho da cidade de Rotherham (com receio de ao acusarem muçulmanos serem chamados de racistas e islamófobos) centenas de novos casos estão aparecendo. As gangues de estupro são compostas de muçulmanos que acreditam que o Alcorão (4: 3; 4:24; 23:1-6; 33:50) e a lei islâmica lhes permitem capturar as meninas não-muçulmanos e pressiona-las à escravidão sexual. (Frontpage)

Ex-escravas relatam rotina de horror que sofreram com facção radical
Leia na Folha. Lembre-se, Maomé foi um escravizou mulheres para saciar a sua luxúria, bem como vendeu escravos para poder comprar mais armas para atacar as tribos próximas a ele.

EUA: Relatório espõe o crescimento do mutilação da genitália feminina
“A mutilação genital reduz ou elimina a capacidade das mulheres para alcançar o prazer sexual, mas dá aos anciãos mais controle sobre quem se casa com quem. Outras práticas culturais, incluindo o uso do véu hijab e a promoção de casamento entre primos, reforça o controlo dos jovens pelo seu clã ou família extensa.” (dailycaller)

Arábia Saudita promove conferência para discutir “direitos das mulheres”
Mas não havia uma única mulher participando do evento! (Inquisitr)

Estado Islâmico vende, crucifica e enterra crianças vivas no Iraque
O que o mundo civilizado considera atrocidade, para o Estado Islâmico e o califado é apenas a implementação da lei islâmica (Sharia). (Veja)

Lei de Herança:

Político Islamista Nigeriano de 68 anos se casa com menina de 14 anos
Alhaji Abubakar Audu é ex-governador de Kogi e chefe do APC. Ele se casou com uma menina que acabou de completar 14 anos, tornando-se a sua mais nova esposa. Tudo 100% conforme a lei islâmica. Isso é lei islâmica em ação! O APC, African people’s Congress, tem a Arábia Saudita como um de seus mantenedores (e em troca, dissemina o Wahabismo). (speisa.com)
Mulher presa por mostrar os olhos em demasia
Foi presa pelo Estado Islâmico, mas o mesmo acontece na Arábia Saudita. (dailymail)
Palavras de Abdul Aziz Al Hammadi, da Corte de Família de Dubai
“De acordo com a Sharia, o marido é aconselhado a adotar um método civilizado e produtivo e ser responsável e paciente antes de buscar o divórcio.” “Nós chamamos isso o método da reconciliação gradual edificante. Sempre que um marido perceber um comportamento bizarro por parte da sua esposa, ele deve avisá-la, depois, evitar dormir com ela no mesmo quarto, e, se isso não der certo, ele pode açoitá-la suavemente de maneira que a faça compreender a situação.”

EUA: Crime de Honra (1989)
Em novembro de 1989, em St. Louis, o FBI inadvertidamente filmou o episódio inteiro de uma adolescente, Palestina, ser morta por seu pai e por sua mãe brasileira (os federais estavam à procura de evidências de terrorismo …). Em uma seqüência medonha de oito minutos, Zein Isa esfaqueou treze vezes sua filha com uma faca de açougueiro, enquanto a sua esposa imobilizava a sua filha, respondendo aos apelos de Palestina para obter ajuda com uma brutal “Cale a boca!” A morte termina com Zein gritando “Morra! Morra rapidamente! Morra rapidamente! … Silêncio, um pouco! Morra, minha filha, morra!” Por esta altura, ela já estava morta. A filha tinha se tornado americana demais. Nem o pai e nem a mãe mostraram remorso pelo crime. Crime de Honra é consequência da mulher ser posse do homem. E na Sharia não existe retaliação pelos pais materem seus filhos. (danielpipes)

EUA: Crime de Honra, Bridges TV
‘Bridges TV’ foi criada em 2004 (em Buffalo, NY) para ajudar “não-muçulmanos superarem as imagens negativas que eles possam ter de muçulmanos e do Islão.” Mas, em 2009, o seu fundador, Muzzammil (“Mo”) Hassan, de 44 anos, decapitou sua esposa, Aasiya Z. Hassan, de 37 anos, que havia recentemente pedido o divórcio. Resultado: o fundador mostrou do melhor modo possível a verdadeira face do islão. (danielpipes)

Atualizações em janeiro de 2015


Propaganda islâmica mente sobre os ‘direitos das mulheres’ sob o islão

Arábia Saudita: Companhia aérea pode impor segregação entre os sexos
Isso por causa de reclamações de maridos que não aceitam que outros homens se sentem ao lado das suas esposas. A companhia aérea SAUDIA obrigará que o seu pessoal mantenham homens e mulheres afastados abordo, a menos que eles sejam parentes próximos. E obviamente, as políticas de viagem estão de acordo com a prática do Islã no país. (RT).
Pornistão
Separado da Índia pelos muçulmanos (sim, foram eles que começaram os tumultos na época), o Paquistão de maioria muçulmana ainda têm comunidades remanescentes das religiões majoritárias em toda a região: hindus, sikhs, budistas, zoroastrianos e até uma minoria de cristãos. Não podemos deixar de noticiar os fatos que a mídia covencional vergonhosamente esconde ou minimiza. Eles existem e nossos detratores podem tergiversar ou tentar racionalizar tais gravíssimos problemas sociais com discurso marxista cultural mas nada disto muda o fato de que, nestes países onde a ortodoxia islâmica moldou a mentalidade das massas, tais crimes são mais do que frequentes : são verdadeiras endemias culturais, por assim dizer. (Texto de Tob B)
“Horrível realidade do Paquistão: 90% de 1.5 milhões de crianças sem-teto são estupradas no país” (inquisitr)
“Menino de seis anos é estuprado e morto logo após” (dunyanews)
Arábia Saudita contrata hackers para combater pornografia na internet
Apesar do mundo islâmico ser um dos maiores consumidores deste “produto.” (Meiobit)
Ministro da Saúde da Turquia diz que “carreira” das mulheres é a maternidade
Muitos e muitos filhos, ficar em casa cuidando deles, educá-los para serem bons jihadistas, só sair quando o marido permitir, e ficar feliz em compartilhar o marido com outras 3 esposas. (UOL)
Inglaterra: Médico muçulmano faz o parto de mulher não muçulmana e retira o clitóris (clitoridectomia) da parturiente
Sem o consentimento dela. (bbc)
Grã-Bretanha: Menina descreve como pai matou a mãe e depois a vendeu para um estuprador
Estado Islâmico está executando mulheres com bom nível de escolaridade 
Especialmente as candidatas de eleições passadas para cargos públicos. Como disse o ministro da saúde da Turquia: o papel da mulher é a maternidade. (english.alarabiya)
Estado Islâmico ordena mutilação genital de todas as mulheres
Decisão pode atingir potencialmente até quatro milhões de mulheres. Feita para “para promover a atitude islâmica entre os muçulmanos” e aumentar o “distanciamento da libertinagem e da imoralidade. ” As consequências serão severas àquelas que descumprirem a decisão. (TN Online)
Imame diz que “mulher deve apanhar para entender a frustração no coração do homem”
Mais um imame islamófobo que parece não entender o islão direito. Será que ele não sabe que o islão engrandece as mulheres?

Atualizações em dezembro de 2014





Vale a pena assistir esta entrevista. Mulheres, fiquem longe de muçulmanos, principalmente aqueles de outros países
Esta portuguesa teve o filho sequestrado pelo marido egípcio, e a familia toda se mudou para outro país para fugir dela. E as autoridades egípcias, bem como dos outros países árabes, não ajudam, afinal ela é mulher e infiél. Vídeo disponível neste link CMTV.SAP.PT.

Líbano: Miss Líbano e o seu constante assédio

A Miss Líbano, esta gatinha do lado esquerdo da foto, é uma cristã libanesa, e como tal se veste como uma pessoa normal. Contudo, segundo a reportagem, ela tem sido assediada por pessoas que querem que ela renuncie à sua religião e abrace o islão: “Eu gostaria que parassem de me perguntar se sou cristã ou muçulmana! Espero que todos orem por mim, para que Deus me guie. Mas não quero ser muçulmana, estou orgulhosa de ser cristã”.
Eu fico imaginando o que aconteceria com ela se ele cedesse aos assédios e se submetesse a Alá (montagem à esquerda). Ela desapareceria.
http://www.bibliacatolica.com.br/blog/igreja/miss-libano-e-atriz-jesus-cristo-e-a-minha-vida-sou-crista/#.VJNVyvnF_HX

A lei islâmica diz que pais que matam seus filhos não estão sujeitos a retaliação

Texto do vídeo do PensadorIndependente – Uma garota de 17 anos de idade, de origem paquistanesa, foi assassinada em 2003 pelos próprios pais na INGLATERRA. A motivação do crime foi porque os pais achavam que a menina estava “se ocidentalizando” demais; então, decidiram que a única solução seria “matar a filha” e durante anos afirmaram não saber quem era culpado pela morte da filha. Meses antes de ser assassinada, ela escreveu uma carta na qual dizia estar aterrorizada porque os pais queriam que ela casasse à força no PAQUISTÃO.
A mentira dos pais se sustentou por sete anos, até que a outra de suas filhas denunciou a verdade para as Autoridades Policiais. No Tribunal, a irmã contou como viu seus pais asfixiar a filha com as próprias mãos; o testemunho da irmã foi definitivo para condenação dos pais.
Tudo que a menina queria era que os pais não a obrigassem a se casar; afinal, as duas pessoas que se supunha que deveriam proteger a filha, acabaram por matá-la.
https://www.youtube.com/watch?v=QExWL3idqUE

Arábia Saudita: mulheres que dirigem são terroristas
Na Arábia Saudita, um dos lugares que treina os imans brasileiros, e que está financiando a construções de mesquitas à granel, as mulheres que dirigem são presas e acusadas de terrorismo!
http://pt.euronews.com/2014/12/25/duas-sauditas-detidas-por-conduzir-transferidas-para-tribunal-especial-de-/

Noivas crianças são legais no Reino Unido devido a uma brecha na lei
Eu já havia lido a respeito há algum tempo sobre as uniões poligâmicas entre os muçulmanos nesse país, já que eles se casam em seus países de origem e depois as levam para a Europa, e consequentemente, viverem às custas do Estado.
http://pamelageller.com/2014/12/uk-muslim-child-brides-are-legal.html/

As regras rígidas que as muçulmanas devem obedecer
http://youtu.be/V5lt56FjQrY

Juiz proíbe marido de ter relações íntimas com sua própria esposa
Ela tem a idade mental de 4 anos. O homem já se casou novamente, mas quer ter relações com a primeira esposa que é demente. Isso aí é consequência da mulher ser propriedade do homem.
http://www.gadoo.com.br/noticias/juiz-proibe-marido-de-ter-relacoes-intimas-com-sua-propria-esposa/

Paquistão: Mulheres enfrentam violência caso se apaixonem 
A lei islâmica (Sharia) estabelece que o guardiõo tem o dever de definir com quem a mulher sob sua guarda deve casar. O resultado é este. (Terra)

Estado Islâmico executa mulheres que se recusaram a casar com terroristas
Segundo relatos da imprensa turca, 150 mulheres foram mortas e enterradas em valas comuns. Algumas delas estavam grávidas. Terroristas aqui é sinônimo de muçulmano devoto, pois a a Ulema (os doutores do islão) reunidos na Universidade Al Azhar declararam que os jihadistas do Estado Islâmico são muçulmanos e, devido a isso, não podem ser condenados. (Terra)

Somália: tribunal islâmico condenou uma menina de 13 anos ao apedrejamento
E não interessa aqui que o tribunal pertença a um grupo terrorista islâmico e não a um governo islâmico, pois ambos l. êm da mesma cartilha, a Sharia. A reportagem de interesse termina no minuto 5:13.

Nem a mulher de um sheik pode mostrar o rosto da Arábia Saudita
Sheik saudita que já comandou polícia religiosa apenas provou do próprio remédio ao aparecer na televisão com a sua esposa sem o véu cobrindo o rosto e ainda por cima, maquiada. Essa aparição apenas rendeu algumas ameças de morte, além de algumas palavras do Rei Abdullah, que simplesmente disse: Você apenas deve temer a Deus. (Daily Mail)

Sudão: muçulmana chicoteada em público por ter usado calças
E o Sudão foi um dos países que o governo brasileiro perdoou a dívida recentemente.

Arábia Saudita: assédio sexual de mulheres
O VÉU PROTEGE A MULHER … dizem eles … na verdade, ao serem obrigadas a se cobrirem todas, elas se tornam em objetos 100% sexualizados e não são mais pessoas.





Atualizações em novembro de 2014


Os piores países para as mulheres são membros da Organização da Cooperação Islâmica
Leia o artigo no link.

Mulheres iranianas lutam pelo direito de se vestirem como desejarem
Leia o artigo no link

Geórgia: irmão esfaqueia a irmã porque ela não usava o véu hijab. 
Quem vai proteger o direito das mulheres que não desejarem usar a hijab? (dfwatch)

Mãe espanca o filho de 7 anos até a morte e depois ateia fogo no seu corpo
Motivo? Ele tinha dificuldade de memorizar o Alcorão. Algo que aconteceu em 2012 na Inglaterra, mas que exemplifica bem o nível de insanidade que a devoção a Alá causa (Fonte).

Estado Islâmico leiloa meninas cristãs como “escravas sexuais”
A perversão é tão organizada que eles até tem uma tabela de preço (GospelPrime, citando o Daily Mail):
– entre 40 e 50 anos: 50 mil dinares (R$ 110)
– entre 30 e 40 anos: 75 mil dinares (R$ 160)
– entre 20 e 30 anos: 100 mil dinares (R$ 210)
– entre 10 e 20 anos: 150 mil dinares (R$ 320)
– menina com menos de 9 anos: 200 mil dinares (R$ 425)

Escravas sexuais do Estado Islâmico

Nigéria: se lembra daquelas 200 meninas sequestradas? 
Pois bem, todas elas se “casaram” com jihadistas do Boko Haram. Isso é consistente com a Sharia e com o que Maomé fez enquanto vivo. Lembre-se disso quando algum muçulmano ou apologista te disser (mentir) que no islão as mulheres podem escolher com quem elas se casam. (Publico)

Estupro de prisioneiras de guerra
Aconteceu no passado, está acontecendo em Kobane hoje, vai continuar acontecendo amanã e para sempre, sem que exista condenação alguma por parte dos muçulmanos devotos. Afinal, está escrito no Alcorão, sendo deste modo a palavra de Alá. Que muçulmano irá se atrever a ir contra a palavra de Alá? Quem fizer isso é acusado de apostasia e será perseguido ou até mesmo morto pelos seus ex-irmãos muçulmanos. 



Meninas que escapam do Boko Haram narram o horror por que passaram

As poucas sortudas que escaparam do Boko Haram contam o horror que passaram. O relato delas não difere do relato de outras mulheres sequestradas por muçulmanos devotos. E isso acontece no Egito, na Somália, no Sudão, no Paquistão, … isso aconteceu no passado, acontece hoje, e vai continuar acontecendo, por ser uma prática de Maomé, sacramentada no Alcorão, e regulada na lei islâmica Sharia.


Liberdade ou morte: as mulheres curdas também dizem não à Sharia
Conheça Rehana, uma das mulheres curdas que estão lutando contra os jihadistas do Estado Islâmico. Dizem que ela já mandou 100 deles para o quinto dos infernos. Sim, porque a superstição é tão grande que estes, deixe-me pensar uma boa palavras, vermes acreditam que se forem mortos por uma mulher eles não tem as 72 trolhas virgens ficcionais os esperando. Tem-se dito que ela teria sido capturada e degolada junto com outros 9 curdos. O fato é que existe uma versão alternativa de que ela está viva e que ela continua sendo o pior dos pesadelos dos mujahadin (os “soldados sagrados” de Alá). Rehana, onde quer que você esteja, estamos ao seu lado! (DailyMail)


Mulher yazidi partida ao meio
Crime bárbaro cometido pelo Estado Islâmico (Califado) no Iraque. “Eles amarraram as mãos de uma mulher yazidi na parte de trás de um carro e as pernas em um outro carro e eles a separaram em dois”, disse um estudante de 22 anos chamado Hassan. “Você já viu algo assim? Isso tudo é porque ela não é muçulmana e não queria se converter. Nós quase não escapamos.” (ExaminerEste tipo de punição vem das tradições de Maomé, pois o mesmo foi aplicado a Umm Qirfa, que era uma mulher chefe de uma tribo árabe que se recusou a se juntar ao exército de Maomé, ou seja, se recusou a se tornar muçulmana.



Atualizações em outubro de 2014

O véu protege a mulher, elimina a prostitução, e leva os homens a respeitarem as mulheres. Verdade?
Bem, no Paquistão pode-se dar uma rapidinha no meio da rua com uma mulher de burca por 50 centavos.

Estado Islâmico admite venda e escravização de população yazidi
A notícia diz: “O grupo extremista Estado Islâmico (EI) admitiu pela primeira vez que mulheres e crianças yazidis capturadas no Norte do Iraque são entregues como escravas para os seus combatentes como “prêmios de guerra”.” A notícia diz também que: “ao escravizar pessoas acusadas de professar uma crença religiosa desviada, o EI restaurou o sentido original de um preceito da sharia, a lei islâmica.” (Yahoo)

Mas de onde vem esta idéia de que escravizar e/ou estuprar mulheres é islâmico? Resposta: Alcorão 4:03 e Alcorão 33:50 que se refere às “mulheres que sua mão-direita possuir”, ou seja as mulheres conquistadas como espólio de guerra. Leia mais sobre isso em Estupro e Escravidão Sexual


Irã: mulher enfrenta execução eminente por ter matado o seu estuprador

Reyhaneh Jabbari foi transferida para a prisão  de Rajai-Shahr para ser enforcada. Ela está em risco iminente de execução por ter matado um membro dos serviços de inteligência iranianos, Morteza Abdolali Sarbandi, um médico, que estava tentando estuprá-la. Seu veredicto execução foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal. Atualização: ela foi enforcada (O Globo).
Homens e mulheres iranianas, incluindo alguns menores, são passíveis de execução todos os dias para cerca de 131 infracções puníveis com a morte sob a República islâmica fundamentalista. Alguns desses crimes incluem adultério, roubo, homossexualismo, posse de drogas e dissidência política. Irã enforca mais pessoas per capita do que qualquer outro país do mundo, desde a eleição do presidente Rohani; houve um aumento acentuado no número de execuções. Julgmentos no Irã estão aquém dos padrões internacionais e que a maioria das pessoas enforcadas nem sequer têm acesso a um advogado, júri, ou mesmo provas.(Gatestone Institute).

Cardeal portugues alerta mulheres que se casar com muçulmanos é problema à vista
Ele também diz: “Só é possível dialogar com quem quer dialogar, por exemplo com os nossos irmãos muçulmanos o diálogo é muito difícil.” Ele disse o motivo desta dificuldade: “Mas é muito difícil porque eles não admitem sequer [encarar a crítica de que pensam] que a verdade deles é única e é toda” (Expresso).


Irã:  Mulheres atacadas com ácido por não usarem a vestimenta islâmica apropriada


Isso aconteceu na cidade de Isfahan. Quando alguém defender o direito das muçulmanas de usarem um véu no Brasil, pergunte sobre o direito das muçulmanas de não usarem um véu nos “paraísos islâmicos.” (Yahoo)

Síria: Jihadistas do Estado Islâmico apedrejam até a morte mulher acusada de adultério 
Isso, segundo um vídeo publicado nesta terça-feira pelos jihadistas na internet. Este é o terceiro apedrejamento que se tem notícia. Segue-se o padrão definido pela lei islâmica (Sharia): a mulher é levada para um buraco cavado na terra, rodeada por homens, que lançam pedras até que ela morra. (MSN)

Mutilação da Genitália Feminina na Grã Bretanha
Mes passado, 467 meninas e mulheres precisaram de tratamento após terem sido mutiladas (BBC). Uma reportagem de março deste ano menciona desde 2009, 4 mil mulheres foram para no hospital para se tratarem de complicações pós-mutilação. E que 66 mil mulheres tenham sido vítimas (BBC). 

Um exemplo da imprensa ajudando a erodir os direitos conquistados pelas mulheres no século XX
O New York Daily News publicou uma reportagem intitulada “O hijab é atraente”, no qual uma jornalista se fantasia com um deles e anda pelo centro de Nova Yorque para verificar a reação das pessoas. Algumas gritaram para ele ir embora, e ela ficou surpresa com o “nível de intolerância.” O que ela espera? 

A reportagem é claro uma peça de propaganda com o intuito de “estimular mais mulheres a usarem o hijab.” A reportagem é tão forçada que a autora ainda afirma que “as mulheres que usam o hijab por escolha estão no controle completo de sua sexualidade.” Será? Quer dizer que uma mulher que usa um hijab e está metida em um casamento poligâmico tem o controle para decidir quando e quantas relações sexuais ela vai ter em uma semana? 


O que a reportagem falha, é em discutir a seguinte pergunta: o que fazer para defender as mulheres que SÃO OBRIGADAS a usarem o hijab? Como fazer para defender o direito delas de não o usarem e de não serem molestadas (ou mortas) por isso? 


O que dizer das mulheres que não apenas ouvem gritos e insultos nas ruas, mas são ameaçadas e até assassinadas por não usarem um hijab? Mulheres e meninas, como Aqsa Parvez, a canadense cujo pai muçulmano a sufocou até a morte com seu hijab, depois que ela se recusou a usá-lo; e Amina Muse Ali, uma mulher cristã na Somália que os muçulmanos assassinaram, porque ela não estava usando um hijab; e as 40 mulheres que foram assassinadas no Iraque em 2007 por não usarem o hijab; e Alya Al-Safar, cujo primo muçulmano ameaçou matá-la por ela prejudicar sua família porque ela parou de usar o hijab na Grã-Bretanha; e Amira Osman Hamid, que enfrentou chicotadas no Sudão por se recusar a usar o hijab; e a menina egípcia, também chamada Amira, que cometeu suicídio depois de ser brutalizada por sua família por se recusar a usar o hijab; e as professoras muçulmanas e não-muçulmanas no Colégio Islâmico do Sul da Austrália, que foram informados de que eles tinham que usar o hijab ou seriam demitidos; e as mulheres na Chechênia que a polícia atirou com bolas de tinta, porque elas não estavam vestindo hijab; e também as mulheres na Chechênia que foram ameaçadas por homens com rifles automáticos por não usarem hijab; e as professoras do ensino fundamental na Tunísia, que foram ameaçadas de morte por não usarem o hijab; e as estudantes sírias que foram proibidas de ir à escola, a menos que usassem o hijab; e as mulheres em Gaza que o Hamas forçou a usarem o hijab; e as mulheres no Irã que protestaram contra o regime por se atreverem a tirar suas hijabs legalmente exigidos; e as mulheres em Londres que bandidos muçulmanos ameaçavam matar se não usassem o hijab; e a jovem muçulmana anônima que tirava seu hijab fora de sua casa e começou a viver uma vida dupla com medo de seus pais, e todas as outras mulheres e meninas que foram mortas ou ameaçadas, ou que vivem com medo por se atreverem a não usarem o hijab – quando é que o Daily News irá escrever um artigo sobre elas? (Jihad Watch)


Polícia britânica investiga 20 incidentes de casamento forçado de meninas menores e crimes de honra
Pois é, o multiculturalismo não é tão lindo como diziam.  (Cambridge News)
Bangladesh reduz idade mínima para o casamento para estar mais de acordo com a Sharia
Jihadistas do Estado Islâmico estão “usando virgens yazidis para sexo”
De acordo com o Alcorão 4:3, 4:24, 33:50, 23:1-6 (Telegraph)

Atualizações em setembro de 2014

Canadá: desbaratada rede que traficava meninas de até 14 anos de idade
Na Columbia Britânica. Reza Moazami foi condenado em 30 das 36 acusações, incluindo a de tráfico de seres humanos e de viver dos ganhos da prostituição com coerção, abuso sexual e exploração sexual de menores (Vancover Sun). Este fenômeno não acontece apenas no Reino Unido.

Escravidão sexual das mulheres yazidis e cristãs

Repórter do The Telegraph conseguiu conversar, pelo telefone celular, com uma jovem yazidi de 17 anos, presa com outras 40 mulheres das mais variadas idades,  as mais novas com 13 anos, e algumas com bebês de colo. Elas estão presas em um prédio em um vilarejo ao sul de Mosul, que é guardado por jihadistas armados. Elas são violentadas 3 vezes por dia, por grupos de homens de diversas idades. “Nós pedimos aos nossos carcereiros para nos matar, mas nós somos muito valiosas para eles. Eles continuam a dizer-nos que somos incrédulas, porque somos não-muçulmanas, e que nós somos propriedade deles, como espólio de guerra. Eles dizem que somos como cabras compradas em um mercado.” Ela ainda disse que ela “ouvira dizer que mulheres cristãs árabes também haviam sido capturadas e presas como escravas sexuais pelo Estado Islâmico.
Iraque: Escravidão sexual das mulheres yazidis
Síria: Mulheres em cativeiro agrupadas e vendidas em mercado de escravos

Grã-Bretanha: Mulher paquistanesa que fugiu do Paquistão em 1996 vê o mesmo acontecendo na Inglaterra
Nadira Naipul diz que as coisas que ela lutava contra no Paquistão, mais especificamente o casamento precoce, a perseguiram até a Inglaterra, onde ela vê o mesmo acontecendo hoje. Meninas semi-adolescentes sendo obrigadas a se casarem com os seus primos. Os pais destas meninas, diz ela, alguns semi-alfabetizados, insistem em se entrincheirar em guetos muçulmanos, erguendo barreiras culturais e recusando-se a integrar, rejeitando qualquer aparência de um modo de vida britânico. Ela cita como exemplo o caso recente, ocorrido em Warrington, no qual Iftikhar e Farzana Ahmed assassinaram sua filha ocidentalizada Shafilea, de 17 anos, porque ela se recusou a aceitar um casamento forçado (Daily Mail). 
Irã: mulher presa por asssitir a jogo de volei masculino
Ghoncheh Ghavami, uma iraniana, de 25 anos de idade, e com dupla-nacionalidade britânica,  está presa no Irão, há mais de dois meses, por ter tentado assistir a um jogo de voleibol masculino. Uma lei de 1979 proíbe as mulheres de assistirem a atividades físicas praticadas por homens (Notícias ao Minuto).
Afeganistão: meninas se fingem de menino para sobreviverem
No mundo muçulmano, onde as mulheres tem os direitos humanos básicos negados – desde o divórcio e de carteiras de motorista, até para proteção contra abusos ou crimes de honra – não há pior lugar do que o Afeganistão. Lá, é comum que meninas se façam passar por meninos, fato discutido no livro The Underground Girls of Kabul: In Search of a Hidden Resistance in Afghanistan, escrito por Jenny Nordberg.  (referência)

atualizações em agosto de 2014

Mulheres yazidi (não-muçulmanas) comitem suicídio (jogando-se de um penhasco) após serem estupradas pelos “guerreiros sagrados” islâmicos
Este fato foi reportado por RÛDAW.  O estupro de prisioneiras de guerra é sancionado no Alcorão 4:3, 4:24, 33:50 e 23:1-6 (“mulher que a mão-direita possuir”), e regulado na lei islâmica, por exemplo, The Reliance of the Traveller, lei o9.13: “Quando uma criança ou uma mulher são feitas prisioneiras, elas se tornam escravas pelo fato da captura, e o casamento anterior da mulher é imediatamente anulado.”


Muçulmano morto por mulher não vai pro céu
Os curdos têm adotado uma estratégia bastante singular, não só para eliminar seus inimigos, mas também humilhá-los ao longo do caminho.
De acordo com a WZ, os curdos estão implantando unidades inteiras compostas de lutadoras do sexo feminino para a linha de frente, o que tem impulsionado os seus números de recrutamento, e deu-lhes uma vantagem psicológica sobre o ISIS. Uma lutadora explicou por que os curdos decidiram colocar as mulheres no meio da batalha, é a certeza de fazer islamitas radicais enlouquecerem.
“Os jihadistas não gostam de lutar contra as mulheres, porque se eles são mortos por uma mulher, eles pensam que não irão para o céu.”
Incrível. Os curdos têm uma compreensão do que é necessário para parar o ISIS, e não são conversações de paz ou ofertas de boa vontade. São bombas, balas e força bruta. (Conservative Tribune)
Existem três coisas que são muito comuns nos “paraísos islâmicos”:
– sexo anal entre um homem e suas parentes mulheres mais próximas (elas continuam virgens e fica tudo dentro da “honra da família”)
– homosexualidade: a “primeira experiência” é entre homens
– assitir filmes/vídeos pornôs. Análise de tráfico da internet mostra que os países que mais acessa sites pornôs são os “paraísos islâmicos.”
Estes fatos são indícios que alguma coisa está muito podre por lá. Mas, o que é pior, é que o ocidente está importando estes comportamentos, com a islamização.
Porque a adoção é ilegal no islamismo (e porque incesto é legal): o escandaloso casamento de Maomé com sua nora, Zainab (e o caso de Maomé com a sua tia)
Estado Islâmico vende mulheres da etnia yazidi por mil dólares, diz ONG
Notícia da Folha

Pedofilia no islão: Testemunho de crianças forçadas a se casarem
Meninas que foram forçadas a se casarem ainda na tenra idade narram as suas experiências. O interessante é ver uma corajosa muçulmana ativista se posicionando contra a prática do casamento precoce, porém, tentando dizer que ele é contra o islão (ele é certamente contra a humanidade). Na verdade, o exemplo de Maomé impede a lei islâmica de definir uma idade mínima para o casamento de mulheres. (http://youtu.be/JirndJ7_Keo)


Advogada egípcia diz que árabes devem estuprar mulheres judias
Duas mulheres apedrejadas por adultério no período de 24 horas na região controlada pelo Estado Islâmico na Síria
Ativista relata que duas mulhers, Faddah Ahmad e Shamseh Abdullah, foram apedrejadas até a morte, acusadas de adultério. Um clérico islâmico anunciou a sentença e um caminhão deixou pedras para a sentença. Como a população local se recusou a apedrejá-las, os jihadistas, a maioria extrangeiros, levaram a cabo a sentença (AP).
Mulheres cristãs sendo sequestradas e vendidas com escravas pelo Estado Islâmico 

(GNotícias) Isso é consistente com o comportamento de Maomé (leia em Estupro e Escravidão Sexual). 
atualizações em julho de 2014

Afeganistão: “Família considera matar filha de 10 anos de idade, depois que um mulá (clérigo islâmico) a estuprou na mesquita”
A Sharia, a lei do Islão, tal como é praticada hoje, e como tem sido praticada por 1400 anos, é uma ofensa à humanidade. E o que é pior. Com a saída das forças ocidentais, o Talebão tem tudo para reconquistar o poder. Uma assitente social afegã disse, melancólicamente, que “estamos perdendo lentamente todos os direitos que conseguimos nos últimos 13 anos.” (nationalpost
Líder do Estado Islâmico ordena que se pratique mutilação genital em mulheres

E ainda tem gente que tenta negar que a “circuncizão feminina”, verdadeira mutilação genital, não é uma prática islâmica (R7). 

atualizações em junho de 2014

Maomé e Aisha: (trailer do filme “A vida dramática de uma pequena menina casada com o profeta do islão”)
Reportagem do Fantástico retrata muito bem os ‘direitos das mulheres’ segundo a lei islâmica
Reino Unido: muçulmano mata prostituta grávida, porque ela estava trabalhando perto de uma mesquita
Triste (Daily Mail).
Paquistão: Casal decapitado em público por terem se casado por amor

Família da noiva não concordou com os termos da “negociação” do casamento. Os noivos se casaram por amor. A família da noiva matou os dois. (Dawn)

Nigéria: Boko
Haram
sequestra mais 20 mulheres.
Escravidão
sexual foi praticada por Maomé, e é sancionada no Alcorão. Logo, o que eles
fazem não é para se estranhar. É islâmico (
Exame, R7). FB
Irã: Irado por causa de uma página do Facebook, na qual as mulheres iranianas
mostram o cabelo
O “O
Globo
de hoje traz uma entrevista com Masih, a iraniana que criou esta página
no Facebook My Stealth Freedom (A
Minha Liberdade Secreta) mostrando (horrores) a sua cabeça descoberta
(horrores). A página tem mais de meio milhão de seguidores … e milhares de
iranianas mostram a sua cabeça descoberta …
segundo a personagem fictícia Alá elas são todas PROSTITUTAS.
 Moralismo do capeta! Para quem não sabe, esta página revoltou o governo
islâmico do Irã, que pediu aos “bons muçulmanos” ao redor do mundo
que identifiquem as mulheres iranianas que vivem no exterior de modo que elas
sejam punidas conforme a lei islâmica (isso é “palavra-chave”
indicando que “bons muçulmanos podem lhes fazer mal”, ou pior, que as
famílias delas que vivem no Irã sejam “consultadas” com respeito ao
comportamento libertino das suas filhas.
 Tudo isso por mostrar o cabelo. 
http://oglobo.globo.com/mundo/problema-das-mulheres-no-ira-foram-empurrados-para-fim-da-fila-por-35-anos-12748897 FB

A imagem abaixo
mostra uma afirmação muito comum entre muçulmanos e os apologistas do islamismo

atualizações em março, abril e maio de 2014

Crimes de Honra

A Autoridade Palestina perdou ou suspendeu as sentenças relativas
a crimes de honras. Mulheres iraquianas pedem por
sentenças mais rigorosas para os crimes de honra, já que
elas são muito leves atualmente. A
Síria em 2009 passou uma lei
limitando a duração das sentenças relacionadas aos crimes de honra, mas “a nova
lei diz que os homens podem ainda se beneficiar por circunstâncias atenuadoras em
crimes de honra ou paixão desde que ‘ele sirva um período de dois anos no caso
de morte.’ E, em 2003, o parlamento da Jordânia rejeitou, baseand-se em argumentos
islâmicos, uma proposta que visava aumentar a pena para os crimes de honra. A
Al-Jazeera relatou que “islamistas e conservadores
dizerema que as leis violvam as tradições religiosas e que ela iria destruir as
famílias e os valores.”


Indonésia: uma viúva de 15 anos foi condenada ao
açoite por ter tido um caso. Mas o mais interessante é que os acusadores a
estupraram, estupro em grupo
Como isso aconteceu: um
grupo de 8 homens (incluindo-se um menino de 13 anos) entraram forçadamente na
casa da viúva e alegam te-la pego no ato sexual com um homem de 40 anos. Eles
amarraram o homem e levaram a viúva para um outro quarto quando a
estupraram (pelos menos 1 vez cada um … o negócio todo deve ter demorado).
Depois disso este grupo de 8 homens jogou o casal no esgoto e acusaram a mulher
de “sujar a moral da comunidade” …
 .
Isso acontece na província de Aceh, Idonésia, que
adotou oficialmente a lei islâmica Sharia desde fevereiro de 2014, válida para
muçulmanos e não-muçulmanos.
 
Três províncias da Indonésia têm um estado jurídico
especial por conta de um acordo entre o governo e o Movimento Islamista Aceh
Livre, que terminou com uma revolta de 30 anos em prol da implementação da lei
islâmica.
 
Lembre-se que muçulmanos desejam sharia onde eles
vivem. Você quer sharia onde você vive?
  (
Clarionproject.org)
Valores familiares
islâmicos: Incesto é galopante nas sociedades islâmicas, devido aos
ensinamentos do Corão e da lei Sharia, que permitem incesto e sodomia mesmo em
crianças


Um homem chama para pedir a orientação em um
programa de TV árabe: dois irmãos tiveram relações sexuais incestuosas gays
desde a juventude. Depois que o irmão mais velho se casou e a esposa os pegou
em flagrante, agora ambos compartilham a esposa. Qual deles a engravidou? Ao
ser perguntado, o Xeique dá risada, e a “doutora” simplesmente sai da
sala.
http://youtu.be/hLjOD8T49NY
Detroit, EUA: imã
condenado a 35-50 anos de prisão por estuprar meninas

Mohammed Masroor, que costumava
ensinar o Islã para estudantes em Detroit e Hamtramck, foi condenado no início
deste mês por agressões sexuais (estupro) de três meninas, que eram suas
parentes, em 2000. Os promotores disseram que Masroor usou o conhecimento da
religião islâmica para manipular as vítimas, que variaram na idade de 10 a 13,
no momento dos assaltos.
(freep)
Muçulmano em NY espanca
sua esposa até a morte porque ela não cozinhou o jantar certo

O advogado de defesa diz que esse é
um “problema cultural” (
AtlasShrug)
Refugiadas sírias
vendidas no Facebook e em mesquitas, para a prática do casamento temporário
(Mutah).
 

Apesar do artigo mencionar sunitas,
xiítas e cristãos como compradores, apenas no islão existe o permissão da
escravidão sexual (as “cativos da mão direita,” Alcorão 4:03, 4:24,
33:50) e dos casamentos temporários. Os
clientes são em sua maioria oriundos de Arábia Saudita, Catar, Emirados Árabes
Unidos, bem como a Tunísia, Marrocos, Egito, Argélia, Iêmen e Bahrein. (
Ansamed)

O verso do casamento temporário:

E todas as mulheres casadas vos são proibidas
exceto as cativas que sua mãos direita possuei. Este é um decreto de Alá para
você. Lícitas para você são todas para além das mencionados, de modo que as
buscais com a sua riqueza em matrimônio honesto, e não deboche. E aqueles de
quem buscais conteúdo ao se casar com elas, dai-lhes as suas porções como um
dever. E NÃO HÁ NENHUM PECADO PARA VOCÊ NO QUE FAZEIS POR MÚTUO ACORDO APÓS O
DEVER TERÁ SIDO FEITO. Lo! Sabei que Deus é Sapiente, Sábio. (4:24)

Paquistão:
relatório diz que mil meninas cristãs e hindús são forçadas a se converterem ao
islão a cada ano

Cerca de mil mulheres
cristãs e hindus no Paquistão são convertidas à força ao Islão e casadas com
homens muçulmanos a cada ano, de acordo com um relatório divulgado pelo
Movimento para a Solidariedade e Paz- no Paquistão na segunda-feira.
O relatório afirma as
estimativas da incidência de casamentos forçados e conversão de 700 vítimas,
meninas cristãs, e 300 meninas hindus por ano, acrescentando que a verdadeira
dimensão do problema tende a ser muito maior, como um número de casos não são
relatados ou não progridem através do sistema jurídico.
Um padrão emerge
Meninas cristãs –
geralmente entre as idades de 12 e 25 – são raptadas, convertido ao islamismo,
e casadas com o sequestrador ou com terceiros.
A família da vítima
geralmente arquiva uma queixa relativa a sequestro ou estupro com a delegacia
de polícia local. O seqüestrador, em nome da menina-vítima, registra uma
defesa, acusando a família cristã de molestar a menina pois ela,
deliberadamente, se converteu e casaou, e por conspirar para converter a menina
de volta para o cristianismo.
Após a produção nos
tribunais ou perante o magistrado, a menina vítima é convidada a testemunhar se
ela se converteu e casou-se de sua própria vontade ou se ela foi seqüestrada.
Na maioria dos casos,
a menina permanece sob custódia do seqüestrador enquanto os processos judiciais
são realizadas. Após o pronunciamento da garota que ela voluntariamente se
converteu e consentiu no casamento, o caso é resolvido sem alívio para a
família.
Uma vez sob a custódia
do sequestrador, a menina-vítima pode ser submetida à violência sexual,
estupro, prostituição forçada , tráfico humano e venda, ou outro abuso
doméstico.
Lembrete: o Paquistão
aplica a lei islâmica (sharia). (
Pakistan Today).
Crime
de honra islâmico no Reino Unido: muçulmano assassina esposa por ser
“muito ocidentalizada”
Aos olhos de seu
marido, ela “começou a tornar-se um pouco demasiado ocidentalizada e tinha
amigos, homens e mulheres”. (
BBC
Territórios
Palestinos: A violência doméstica contra as mulheres palestinas em ascensão
“Cerca de 37 por cento
das mulheres casadas nos territórios palestinos foram vítimas de violência
doméstica por seus maridos “, Al-Monitor relatou no ano passado, citando
um estudo de 2012 pelo Bureau Central de Estatísticas palestino. Em Gaza,
individualmente, a percentagem sobe para 50%! (
Al Monitor, 2013). Mas não existe violencia
contra a mulher no Brasil? Sim, existe, mas enquanto no Brasil a sociedade luta
contra (veja Lei Maria da Penha) onde a Sharia reina “as autoridades não quere
ouvir falar disso.” 
Territórios
Palestinos: dobra o número de “crimes de honra”
Ao mesmo tempo que
dobra o número de “crimes de honra” o governo da Autoridade Palestina se recusa
a criminalizá-lo. Em 2012 ocorreram 14 “crimes de honra”; em 2013 este número
pulou para 27 (
Al Monitor, 2014). 
Iraque:
atentados suicidas matam mil civis por mês
Uma onda de atentados
suicidas realizados por voluntários estrangeiros que entram no Iraque,
provenientes da Síria, está matando cerca de 1.000 civis por mês, levando o
país de volta à beira da guerra civil. Estes suicídas são jihadistas buscando o
martírio. O martírio muçulmano se obtém ao se “morrer, matando.” E o que levam
estes suicídas a fazerem isso? A
promessa de “virgens de peitos volumos” no paraíso islâmico
. O que reforça
a visão de que a mulher é nada mais do
que um objeto sexual
. (
Independent) 
GB: Vídeo
“Happy Muslims” tem uma nova versão, Halal
Um vídeo que mostrava
muçulmanos ingleses dançando ao som da música de Pharrel Williams foi refeito
retirando todas as mulheres. Agora, o vídeo mostra apenas homens e crianças. Ou
seja, a felicidade islâmica não inclui as mulheres (
Huff Post). 
Nigéria:
jihadistas islâmicos raptam 100 alunas como escravas sexuais
(NY Post) Esta ação é consistente com o Alcorão 04:03 –
Se você tem medo de não agir com justiça para com os órfãos, casar com tais
mulheres que parecem boas para você, dois, três, quatro; mas se você tem medo
de não ser equitativo, então, com apenas um, ou com _aquelas que a sua mão
direita possuir_; deste modo, é mais provável que você não seja parcial. 
Índia: político muçulmano diz que as mulheres que são
estupradas deve ser enforcadas
Abu Azmi enfatiza repetidamente que o que ele está
dizendo é simplesmente ensinamento islâmico, e ele não vai falar nada contra o
Islã (
NDTV). Será que ele tem razão? Bem, o Alcorão 24:4 e 24:13
determinam que crimes sexuais só pode ser confirmados pelo depoimento de quatro
testemunhas muçulmanas masculinas. Esses versos, de acordo com a tradição
islâmica, são o resultado da exoneração de sua esposa favorita, Aisha, que era
suspeita de adultério contra Maomé. Alá deu-lhe uma revelação que exige quatro
testemunhas do sexo masculino para estabelecer tal crime: “E aqueles que
acusam as mulheres honradas, mas não trazem quatro testemunhas, açoitá -las
(com ) oitenta chibatadas e nunca (depois) aceitar o seu testemunho – Eles
realmente são os malfeitores ” (Alcorão 24:4 ).
O problema com isto é que as mulheres que acusam homens
de estupro, mas que não podem produzir quatro testemunhas do sexo masculino,
são frequentemente acusados ​​de zina – intercurso sexual ilegal – e presas
como resultado. E Abu Azmi e outros acreditam que elas deveriam ser mortas. 

New York: mulher que se
converteu ao islão em 2013 sente-se
chocada ao descobrir
que ela
é hoje considerada
inferior ao homem

“Quando eu me converti eu queria ser parte do ambiente mesquita. Mas eu fui para mesquitas
e o que eu encontrei era uma espécie de
um ambiente desagradável para as mulheres. Os espaços são separados,
salas diferentes e, por vezes,
era ainda no porão“,
continuou Matea. E como uma convertida, isso é muito estranho. Eu costumava ir à igreja onde todos fazíamos parte da mesma comunidade. Você podia ver o pregador. Você podia ouvir o sermão muito bem.” Todas as mesquitas
que a reportagem visitou, nos Estados Unidos, Canadá e Europa, têm uma
entrada lateral ou nos fundos
para as mulheres. (
Wenews) Matea precisa saber que existem diversos hadices que
dizem que uma oração não vale para o homem se a mulher estiver próxima,
inclusive um que define a distância: correspondente “ao lançamento de uma
pedra.” (
Abu
Dawud 704) 

Médico
se torna primeira pessoa na Grã-Bretanha acusado de realizar um procedimento
Mutilação Genital Feminina (MGF)
MGF deve ser
criminalizada. Será que a Grã-Bretanha resistir à investida do politicamente
correto e permitir que a MGF? (
Telegraph
Canadá:
muçulmano arabe, que agrediu filha, diz que suas ações são uma “forma
aceitável de disciplina” em seu país
Um homem saudita que
tentou estrangular sua filha disse a um juiz em St John’s que tais ações são
“uma forma aceitável de disciplina” em seu país. Mas Khalaf Alshaek
insistiu que ele não quis ofender a filha. Em vez disso, ele estava tentando
impedi-la de cometer um erro e envergonhar a família ao se casar com um homem
sem o seu consentimento.  (
The Telegram
Paquistão:
legisladora se opõe a projeto de lei da violência doméstica, dizendo que se aprovado,
o projeto irá ocidentalizar a sociedade paquistanesa
Fauzia Bibi, uma
legisladora paquistanesa que se vesta com toda a vestimenta islâmica, diz que
proibir maridos de baterem na esposa seria uma ocidentalização inaceitável da
sociedade muçulmana do Paquistão. “Não seria um rompimento da família se o
marido for para a cadeia por espancar a esposa?” (
Dawn).
Grã-Bretanha:
crimes de honra não são denunciados pois escolas e comunicadades temem serem
acusados de “islamofobia”
O “Politicamente
Correto” tem consequências!.
A violência baseada em
honra e casamentos forçados, em comunidades em todo o Nordeste da Inglaterra, não
são denunciados porque as vítimas têm medo de serem rotuladas como racistas, um
relatório da ITV News Tyne Tees revelou. “As escolas e as comunidades
estão mantendo silêncio sobre isso, porque eles estão preocupados que eles
seriam chamados de racistas e islamofóbicos”, continuou ela. “Eles
não sabem muito bem onde deve ser traçada a linha entre a cultura, a religião e
os direitos humanos.”  (
IBT
Nigéria:
Militantes do Boko Haram matam 20 estudantes universitárias por vestirem
mini-saias e calças
Sexta-feira, cerca de
um dia depois que 10 homens foram mortos em Maiduguri, pelo menos 20 mulheres,
algumas vestidas em mini-saias e outras em calças, foram abatidas em suas casas
e dormitórios da faculdade, em Maiduguri. As autoridades acreditam que as
mulheres foram abatidas por se vestirem no estilo ocidental.
Os assassinatos foram
realizados nas primeiras horas de sexta-feira, o dia sagrado para os
muçulmanos, quando eles vão para suas mesquitas, ouvirem sermões de ódio mortal
e, em seguida, realizarem ataques terroristas. (Nov/2012,
Frontpage

Vestir a hijab é uma escolha da mulher … uma escolha entre a vida e a
morte
Jordânia:  Corte de Apelações da Sharia de Amã aprova
fatwa que considera todas as mulheres que não usam o hijab como
“vagabundas”.

A fatwa também diz que as mulheres que não
usarem a vestimenta islâmica tradicional cobrindo a cabeça não têm permissão de
testemunhar em tribunal, relatou a agência de notícias jordaniana Al-
Madenah.  A decisão provocou a ira da
União de Mulheres da Jordânia, que divulgou um comunicado em Amã criticando a
medida como discriminatória. “O traje das mulheres é uma escolha pessoal,
e um ataque a essas liberdades viola explicitamente a Constituição da
Jordânia.” As mulheres jordanianas deveriam saber que não ao não
respeitarem os códigos de vestimenta elas agem contra a lei, a lei islâmica. (
JPost)

Cem milhões de mulheres jovens são incapazes de ler, afirma Unesco.
Problema é mais grave nos países árabes. (Estadão) O problema é de difícil solução devido ao extrito controle paterno e aos casamentos precoces, que efetivamente eliminam qualquer chance de educação para as crianças. 
Iraque: lei em tramitação abaixa o limite mínimo para casamento de meninas para 9 anos de idade, e garante o direito do marido de estuprar a esposa
O projeto de leiconhecido como Lei Ja’afari, após o sexto imame xiíta Jaafar al-Sadiq, foi aprovada pelo gabinete iraquiano e agora deve ser analisada pelo ParlamentoA nova lei diz que as meninas estão aptas a se casar com a idade de nove por atingirem a puberdade nesta idade. Seus defensores acreditam que a lei atual viola a lei Sharia.

Duas dúzias de mulheres iraquianas tomaram as ruas de Bagdá no sábado para protestar contra a nova lei no Dia Internacional da Mulher. Elas dizem que a nova lei vai privar uma menina do seu direito de viver uma infância normal. (Reuters)

SÍRIAAs mulheres enfrentam flagelação e execução caso quebrem o código de vestimenta  da sharia Rebeldes do Estado Islâmico no Iraque e Lebante (Isis) impuseram um regime severo, açoitando mulheres que quebram um código de vestimenta estrito, impondo um imposto sobre os cristãos (jizyia) e proibindo qualquer comportamento considerado indecente ou pecaminoso. Onde quer que a Sharia seja implementada, é praticamente o mesmoinstitucionaliza-se a opressão das mulheres, impõe-se o imposto com base no Alcorão que é a marca registrada da subjugação dos cristãose as pessoas que são da linha são chicotadas ou mortas. (International Business Times)

EUA Muçulmano matou a mulher “porque ele se opôs ao seu comportamento em sua comunidade muçulmana” “Um detetive mostrou ao assassino, Williams, uma foto da mulher, Wallace, e referiu-se à vítima como uma mulher muçulmana. Williams, em seguida, disse: “mulher muçulmana? Se ela fosse uma mulher muçulmana nada disso (palavrão) sequer existiria. Se ela tivesse sido mais adequadamente islâmica, ela poderia estar viva hoje.” No entanto, estimular qualquer discussão pública sobre o crime de honra islâmico, ou do por que os muçulmanos cometem 91 por cento dos crimes de honra no mundo todo, corre-se o risco de ser taxados de “islamofobia”.  (Albany Times-Union)

atualizações em fevereiro de 2014



Marroquino (muçulmano) estupra e sodomiza seu filho de 7 anos e sua filha de 11 anos.
Um doente mental, que tem Maomé como exemplo de conduta sexual (Emirates)

Arábia Saudita:
Um professor egípcio na Arábia Saudita está enfrentando acusações de estuprar uma criança sudanesa de 11 anos de idade, dentro de uma sala de aula (Emirates).
Dizem que o véu islâmico protege as mulheres 
… veja o vídeo e tire suas conclusões
(http://www.youtube.com/watch?v=q9iW6BU9-tw)



Turquia: Dois imames muçulmanos presos por estuprarem sua própria irmã 

Depois de ter sido estuprada por cada dois irmãos mais velhos e ficar grávida, eles forçaram-na a fazer um aborto para esconder seu crime. Os dois clérigos são imãs na Direcção dos Assuntos Religiosos (Sharia UnveiledAydinlik Daily)


Adolescente apedrejada até a morte por amar o menino errado
Fato ocorrido em 2007. Du’a Khalil Aswad, uma Curda Yezidi, se apaixonou por um rapaz sunita. Ela foi apedrejada em “defesa da honra”. Lei islâmica em ação. http://youtu.be/9hwntjKmCcs

Menina é apedrejada até a morte na Síria por ter conta no Facebook 
http://r7.com/gw56. Mais um exemplo da lei islâmica em açã

O ódio dos muçulmanos contra o Dia dos Namorados (Valentine’s Day)
O Dia dos Namorados é anti-islâmico. Como todo regime ditatorial, o islamismo mata o amor individual. 



Paquistão: Casal apedrejado até a morte por adultério depois de um clérigo muçulmano emitiu uma fatwa contra eles.
Os dois foram mortos por suspeita de ter relações ilícitas (Dawn).
Ainda no Paquistão, um soldado
foi apedrejado até a
morte
por um suposto caso de amor.
Cerca de 40
a 50 pessoas atingiram
o
homem com pedras até que ele sangrou até a morte.
Centenas são mortos em todo o país
a cada ano
em nome da defesa
da “honra da família”, mas apedrejamentos
são mais raros.
(Dawn).



Pedofilia

Como
noticiado por nós em setembro de 2013, no Iémen,
uma menina de oito anos de idade, morreu de hemorragia interna na sua
“noite de nupcias”. Ela morreu depois do ato sexual que rompeu o seu útero, após casamento com um homem 5 vezes a sua idade. 
Os muçulmanos entram em pânico quando estas
notícias aparecem e tentam fazer um controle de dano, principalmente nos países
não-muçulmanos (na tentativa de continuar nos enganando). O problema todo é que Maomé se casou com Aisha quando ela tinha
6 anos e consumiu o casamento quando ela tinha 9 anos, tornando o
casamento precoce algo sancionado na lei islâmica, deste modo, sedimentado-o para
todo o sempre: não se pode ser contra a lei de Alá, dizem eles.

Mas, existem aqueles que são sinceros e não
escondem nada. Um exemplo é este comentário que apareceu no Facebook. Veja a
sugestão de como o noivo deveria ter agido. Veja que para ele não existe nada
de mais em ter relações com crianças.

“sim nós todos
estamos ventando nossa raiva e frustração sem
dúvida. Mas devemos perceber que não se pode acabar com isto. Para salvar a vida de futuras vitimas, nós
deveríamos educar
os homens em como fazer isso. Se o marido daquela crianca do Iémen
tivesse apenas
esfregado seu pênis antes da ereção completa
(eu
não sei
se
homens
que não
são circuncisados
fazem a mesma coisa) prá cima e prá
baixo
na vagina da garotinha, ele teria ejaculado em 15-20 segundos. Limpado-a
com
papel higiênico
ou
uma pequena toalha, ela colocaria suas calças de
volta
e iria brincar,
ela estaria viva hoje, com saúde e
esqueceria tudo.
A
natureza permite
isso ao
contrário desse
cara Obama que legaliza casamento gay. Eu estou
falando de experiência,
eu nao sou hipócrita.
Sexo com criança
se
feito corretamente é até melhor e mais doce que sexo com
adulto. Sem machucar, sem engravidar, sem nada. A noiva do
Iémen
não
estava
pronta para penetração e seu
marido tem que ser preso por assassinato. Ele é louco.
Como ele pode penetrar sexualmente
uma crianca, ao invés de se levantar no
momento da
ereção completa.”
Noiva
de 8 anos de idade morre na
mão
do marido de 40 anos na noite de núpcia

site www.albawba.
com

Muçulmano abusa
sexualmente de Cristã de 2 anos porque o pai se recusou a converter ao islão

Em relação à menina
violada; devido aos ferimentos, ela quase morreu e mesmo depois de 5 cirurgias,
ela não consegue urinar normalmente. Ele nunca vai ser mãe, e os pais têm que
viver escondidos devido aos receios duma retaliação por tornarem público este
incidente. http://youtu.be/wkzf5U7enOM
 

Mais um problema para o véu e todo aquele roupão arrastando no chão que as muçulmanas ortodoxas usam
Mulher morre em escada-rolante em um Shopping em Montreal, Canadá, após véu ficar preso (Toronto Sun)

atualizações em janeiro de 2014

Brasileiras enganadas por muçulmanos através de namoro via internet
Leia tudo aqui. 


Mulheres refugiadas atiradas ao mar
Eu não sei
se vocês já repararam, mas todos estes barcos com refugiados muçulmanos que
chegam na Europa estão cheios de homens! Onde estão as mulheres? Simples,
deixadas na terra deles. Ou então, como neste caso, atiradas ao mar (Perigo
Islâmico
). O fato é que devido às mulheres serem consideradas como secundárias
na lei islâmica, elas são tratadas, na prática, como uma propriedade do homem. Umas são atiradas ao mar, mas a maioria é deixada no lugar de origem, se virando sozinhas,
enquanto que os seus maridos partem na busca de novas esposas, européias, ou, à
busca de infiéis para serem estupradas.  
Canadá (Montreal): Mulher morre após
hijab ficar preso em 
escada rolante 
O porta-voz da polícia de Montreal Jean-Pierre
Brabant disse que parecia “o véu e seu cabelo ficou preso na escada rolante.”
(Toronto
Sun
).
Esses véus islâmicos
são um caso de saúde pública!

 
Crime
de Honra na Palestina

Dormindo calmamente na sua povoação
da Samaria e Judeia, Thamar Zeidan não ouviu o seu pai aproximar-se. Esmagado
pela pressão social e pelo peso dos costumes islâmicos, Munther dirigiu-se à
sua filha adormecida, colocou as suas mãos à volta do seu pescoço e só parou de
apertar quando sentiu que a vida de Thamar havia chegado ao fim. (
perigoislamico)

Moda Islâmica
Um video
muito bom, feito pelo
Porta dos Fundos


Sociedade
progressista (sarcasmo)

Amina Filali, 16 anos, estuprada, espancada e forçada a se casar com seu estuprador, cometeu suicídio
Isso é o que eu
considero uma sociedade realmente avançada: acabar com o estupro fazendo com
que a estuprada se case com o estuprador, que, claro, pode se casar várias
vezes mais com outras mulheres de acordo com a lei islâmica. Eu acho isso
sensacional … agora, só um pouquinho que eu vou vomitar. (Avaaz)

atualizações em dezembro de 2013



Irã: polícia religiosa em
ação
Tentando prender uma mulher que não se vestia de acordo
com a normas islâmicas (Vídeo).
Ataques com ácido
  1. Faces
    do islão
    : um ensaio fotográfico sobre esta lamentável prática de jogar
    ácido no rosto de mulheres.
  2. Ataques com ácido aumentam à medida que aumenta
    a devoção islâmica http://perigoislamico.blogspot.ca/2013/09/ataques-com-acido-aumentam-medida-que.html

Uma nova interpretação para a famosa frase de Che Guevara “Há de endurecer-se, mas sem jamais perder a ternura”
Existindo opção, eu acredito que a maioria
das pessoas iria buscar inspiração espiritual em alguém que não fosse um
predador sexual.

Zanzibar, Tanzânia: Duas adolescentes
britânicas tiveram substância corrosiva jogada no rosto por homens em
motocicleta
Katie Gee e Kirstie Trup, ambas de 18. Elas eram professoras
voluntárias, ou seja, foram para Zamzibar para ajudar os outros. Zanzibar é de
maioria muçulmana, sendo que três por cento dos 1,2 milhões de pessoas são cristãos
(
mirror).
Zamzibar tem passado por um processo de radicalização, com a disseminação da
doutrina Wahhabi e um aumento na construção de mesquitas com dinheiro saudita. 
Inglaterra: Você sabe o que seus filhos estão
fazendo no Facebook? Pais são advertidos depois que três homens são condenados
por aliciamento de meninas menores de 13 anos para o sexo
Shakil Munir, Sakib Ahmed e Ateeq Latif foram condenado
por crimes sexuais. Pais advertem as crianças e dizem que as redes sociais são
campo fértil para o aliciamento de menores (
dailymail).
Fatos como este acontecem. A questão aqui é que a lei islâmica tem provisões
que permitem o estupro de mulheres não-muçulmanas devido às ações exemplares de
Maomé. E como Maomé se casou com Aisha, esta com 6 anos, a pedofilia é
permitida. Mas veja bem, que o estupro é apenas permitido sobre as
não-muçulmanas, e, neste caso, não interessa como ela se veste, se de burka ou
de biquini. 
PAQUISTÃO: Duas mulheres castas hindus foram
estupradas pelos proprietários muçulmanos, uma delas foi mais tarde assassinada
A Comissão de Direitos Humanos da Ásia ( AHRC )
recebeu informações de que duas mulheres hindus castas foram estupradas por
seus proprietários muçulmanos diante de seus familiares. Mais tarde, uma delas
foi assassinada por vingança para ter feito um relatório para a polícia. Ela e
sua mãe foram sequestradas por um dos proprietários de fora da clínica médica
em plena luz do dia, perto da delegacia de polícia, e ela foi morta a tiros na
frente de sua mãe. A estação policial do distrito de Umer Kot, Sindh Shadi
Pali, demorou para registrar o Primeiro Relatório de Informações (FIR), a fim
de dar tempo para a fuga dos estupradores . Os familiares das vítimas foram desalojados
de sua aldeia e estão vivendo na beira da estrada nas noites frias , mas as
autoridades policiais e se recusam a ajudá-los. Ao fornecer proteção para os
estupradores , os policiais e notáveis ​​da área obrigaram as vítimas a chegarem
a um acordo e darem anistia para os estupradores . Mais uma vez a polícia mostrou
sua eficiência para obter a aprovação do magistrado para que os criminosos
sejam libertados.
(humanrights.asia). Segundo a lei islâmica, o
testemunho de um muçulmano vale mais do que o de um não-muçulmano, de modo que
basta ao estuprador negar o crime, e nada acontece a ele.
Esta história é deprimente, mas é comum em países de maioria
islâmica. Você quer viver em um?

Irã: As mulheres são iguais aos homens e plenamente
respeitadas no Islã

… e aqui está a prova …! Senhoras jornalistas no Irã, por favor,
tomem seus assentos (
Facebook). 

Autoridade Palestina se recusa e penalizar “crimes de
honra”
É muito
difícil destruir algo tão intrinsicamente ligado ao islão: “O presidente
Mahmoud Abbas não tem planos em alterar as leis reduzindo as penas para aqueles
que reivindicam a “defesa honra” como motivo pelo assassinato de mulheres.”  (
Ma’an News Agency

Moral islâmica leva mulheres a praticarem sexo oral e anal

Shereen El Feki, autora de “Sex and the Citadel” discute como a moral islâmica leva as mulheres a praticarem sexo oral e anal: como uma forma de preservar a virgindade antes do casamento.  Virgindade, no mundo islâmico, é definida como um pedaço intacto da anatomia (neste caso, o hímen), e não como um verdadeiro estado de castidade.  É algo apenas aparente, mas totalmente vazio por dentro. Eu diria, condizente com o islão (Huffingtonpost).


atualizações em novembro de 2013


Uma discussão interessante sobre a violência contra a
mulher, sancionada na lei islâmica, e a Lei Maria da Penha
Vale a pena ler este artigo “O islão e a Lei Maria da Penha” publicado
no blog Rafik
Responde ao Islam
.

Inglaterra: Uma mulher muçulmana na Inglaterra fala
abertamente os que ela sente …


“Eu fui
forçada a usar o véu e eu desejo que nenhuma outra mulher tenha que sofrer com
isso. Eu preferiria que ninguém usasse um niqab. Eu preferiria que nenhuma
mulher tivesse que, efetivamente, desaparecer, desde a tenra idade, porque essa
é a norma em sua família. Eu preferiria que ninguém tivesse que passar pelo
desconforto e constrangimento social de lidar com uma mulher cujo rosto você não
pode ver.”
(Telegraph)
Irã: Mulheres causam terremotos, diz clérigo iraniano
Isso
foi em 2010. Um clérigo iraniano disse que as mulheres que usam roupas
reveladoras e se comportam de forma promíscua são culpadas pelos terremotos.
“Muitas mulheres que não se vestem modestamente … levam jovens desviar,
corromper sua castidade e espalham o adultério na sociedade, o que aumenta os
terremotos”, Hojatoleslam Kazem Sedighi foi citado pela imprensa iraniana
(Guardian).

Grã-Bretanha: estupro “Eu foi abusada em sexo
grupal
em Rochdale”
Hannah tinha apenas 15 anos
quando ela foi preparada
e
utilizada para o sexo. Depois de ter sido seduzida com brindes, ela foi manejada
com
álcool e abusada sistematicamente durante sete meses por uma gangue de homens muçulmanos. Hannah foi apenas uma das quase cinquenta meninas a
serem abusadas
pela quadrilha. As
meninas
, que eram todas menores de 16 anos, foram forçadas a ter relações sexuais com
até 20 homens em cada
noite.
Hannah compartilha a história de como, de uma jovem colegial em Rochdale, ela tornou-se uma
testemunha-chave no julgamento do
mais famoso círculo de exploração sexual
de crianças
da Grã-Bretanha
Clérigo muçulmano em Iowa, EUA, diz que
processá-lo por molestar mulheres viola a sua liberdade religiosa

Um advogado de um líder islâmico na cidade de Des Moines, acusado de
abuso e exploração sexual, está pedindo a um juiz para liberá-lo das acusações,
alegando que elas violam a liberdade religiosa do homem. O advogado tem razão.
O islão é uma das poucas religiões que incorporam o estupro como um aspecto
importante de sua fundação e prática. (Frontpage)
Que outras práticas os muçulmanos podem reinvindicar como liberdade
religiosa?
1. Promover o assassinato em massa de não-muçulmanos
2. Doar dinheiro para grupos terroristas
3. Subverter a segurança nacional 


Paquistão: menina de 4 anos
estuprada por clérigo
Chefe imam estupra menina de 4 anos em seu primeiro dia nas aulas de Alcorão (Tribune). É sempre sobre estupro e pedofilia com estes
selvagens
. A pobre garota está em
estado crítico
, mas agora ela já aprendeu tudo o que precisa o islão
Uma tragédia afegã: A prática
Pashtun de ter relações sexuais com meninos

Subcultura de pedofilia no Afeganistão é uma das
vergonhas secretas do país. “Normas sociais Pashtun ditam que bacha bazi não é
anti-islâmico nem homossexual – se o homem não ama o menino, o ato sexual não é
repreensível, e é muito mais ético do que profanar uma mulher.” (
The Independent
Festa de noivado de menino de
13 anos com menina de 10 anos no Egito


atualizações em outubro de 2013

Inglaterra: Mutilação da genitália feminina (FMG)
Ativista anti-FGM pediu a pessoas na rua para assinarem uma petição contra a FGM. Ela teve poucas assinaturas. Ela então passou a pedir para as pessoas assinarem uma petição a favor da FGM, alegando que isso era para proteger a cultura, tradição e diretos dela.  Todas as pessoas, menos uma, assinaram a petição. Mesmo algumas dizendo que eram contra a FGM, elas assinaram a petição porque era parte da “cultura.” Isso mostra o quão  impregnados de “politicamente correto” as pessoas estão ficando, a tal ponto de aceitarem qualquer coisa só para não “remarem contra a maré”. A situação na Inglaterra é feia (London Evening Standard). 
VídeoTaliban executa mulher em público, com nove tiros, enquanto os homens aplaudem e gritam “Alahu Akbar”
Fontes do governo afeganistão dizem que a mulher que foi executada era amante (escrava sexual) de dois comandantes rebeldes que se desentenderam por ela, e para resolver a disputa resolveram acusá-la de adultério e matá-la. (CNN)

Arábia Saudita: imam estupra e torturas filha de 5 anos de idade, porque ele duvidou da sua virgindade
Um popular pregador da televisão saudita foi considerado culpado pelo assassinato de sua própria filha de 5 anos de idade, porque ele duvidou da sua virgindade, conforme relatado pelo The Daily Mail (de Londres, Inglaterra) em 4 de fevereiro de 2013. Embora considerado culpado de assassinatoFayhan Sheikh al-Ghamdi foi liberado depois de ser multado em US $ 50.000, e pago o “dinheiro de sangue” nos termos da Lei Sharia islâmica, pela morte de sua filha. A filha morreu em outubro passado depois de sofrer lesões múltiplas e horrendas nas mãos de seu pai. De acordo com a Lei Sharia, um pai não pode ser executado pelo assassinato de sua esposa ou qualquer um de seus filhos. Os R $ 50.000 pagos como dinheiro de sangue, apresentado à mãe da menina, é metade do valor se a criança assassinada fosse um menino. (Examiner). Mais um caso de crime de honra.
Ativista muçulmano, que acusou Israel de crimes sexuais, estupra menina de 15 anos
Ironia do destino … (FrontPage).
Inglaterra: Outro grupo de pedófilos e estupradores muçulmanos levados ao tribunal por estuprar crianças infiéis britânicas, forçando-as para a escravidão
Eles fizeram isso usando ameaças, chantagens, enganado em todos os sentidos, levando-as a uma vida de escravidão. A comunidade muçulmana local não faz uma declaração, e é cúmplices com o seu silêncio (hartlepoolmail). Isso acontece porque Maomé aceitou que seus seguidores praticassem o estrupro … e o Alcorão diz 93 que Maomé é o melhor exemplo de conduta.
Inglaterra: Escravidão sexual
Pensionista (muçulmano)  é condenado a 13 anos de prisão por estuprar (escravizar) menina surda-muda que ele manteve em sua adega, após ele te-la traficada para o Reino Unido a partir do Paquistão, e usada como uma escrava (Daily Mail).
Ativistas da Femen vão trazer o  sextremismo’ para o Reino Unido
“Ninguém está falando sobre a mutilação da Genitália Feminina (MGF) na Inglaterra“, disse ela. As pessoas acham que é muito violenta e extrema para existir aquique isso só acontece na África e no Oriente Médio, mas o Reino Unido tem um dos mais altos níveis de MGF no Ocidente.” Ah! alguém notou… A Femen pretende estabelecer uma filial do Reino Unido, construída a partir de uma base de ativistas feministas britânicas” (The Guardian)
Não existe chance alguma de envolver quaisquer feministas britânicas a menos que, de alguma forma, seja possível associar a MGF a qualquer outra coisa que não seja o islão
Iêmen: menina de 11 anos foge para evitar casamento forçado
Um vídeo angustiante foi postado on-line, sobre uma menina iemenita de 11 anos, que fugiu para escapar de um casamento arranjadoNada al-Ahdal foi salva do engajamento forçado depois que o seu tio interveio. Vá em frente e me case  eu vou me matar“, ela avisa no vídeo. http://youtu.be/KLzx-HDvtYk 

Canadá: Cafetão forçou meninas a fazerem sexo com até 10 homens por dia em Vancouver
Reza Moazami é acusado de comandar um anel de 11 prostitutas adolescentes na área de Vancouver, com idade entre 14 a 19 anos. Mr. Moazami está sendo julgado por 36 acusações relacionadas com a prostituição. Para atrair as meninas para a prostituição, geralmente vindas de famílias problemáticas, Reza Moazami prometia um estilo de vida glamourosoa chance de viver no centro de Vancouver, e um cão de estimação (National Post). Isso é muito comum na Grã Bretanha, e está acontecendo agora no Canadá.
A cafetinagem sempre existiu. Mas lembre-se que Alá permite o abuso sexual de mulheres não-muçulmanas e não está nem aí para pedofilia … o islão é realmente um religião diferente …       

Leia mais exemplos AQUI (Parte 1) 



Exemplos de “Direitos” das Mulheres sob o Islã – PARTE 1


Leia uma lista dos “direitos” das mulheres sob o islão AQUI.

Exemplos mais recentes estão sendo listados na PARTE 2

(Você pode estar se perguntando: porque é que eu tenho que me preocupar com isso? Porque esta droga está se espalhando pelo mundo, inclusive no Brasil!)

(atualizações em setembro de 2013)

Xeque: mulheres que dirigem geram crianças com problemas de saúde – Fernando Moreira: O Globo

Existem muitas feministas que, infelizmente, só se preocupam com as suas redondezas … se existem mulheres endo realmente preseguidas elas se calam … Se elas reclamassem o que acontece em outras partes ficaria evidente que os direitos femininos que temos são muito avançados.

Grupos muçulmanos
bucam legalização do casamento infantil na Índia

Dos 3.404 casos de casamentos de menores de
idade relatados em 2012 no estado de Kerala, 2.827 casos foram notificados a
partir da comunidade muçulmana sozinha. Assim, cerca de 85% dos casamentos
pedófilos são por muçulmanos (e eles são uma minoria), o que diabos é que todos
esses homens muçulmanos querem com as crianças o tempo todo? Realmente isso é doentio
e me faz querer vomitar (Atheist
Republic
).



Inglaterra: Muçulmano devoto bate na mulher para ela usar o véu islâmico

Um muçulmano devoto sujeitou sua esposa a um ano de pancadaria, aterrorisando-a para que ela vestisse o véu islâmico, foi preso, mas pode sair livre  em apenas oito semanas (MailOnline). Uma pena de apenas oito semanas!


Irã passa uma nova lei permitindo que um homem possa se casar com sua filha adotiva de 13 anos de idadeAtivistas de direitos humanos dizem que projeto de lei aprovado legaliza a pedofilia (The Guardian).
“As mulheres muçulmanas não se importam se você se sentir desconfortável com elas usando o niqab”
Em um artigo no Huffighton Post, uma mulher muçulmana diz que as muçulmanas não estão nem aí se você se sentir desconfortável com o modo que elas se vestem. Isso é bem islâmico, pois para eles, o islão é superior e o resto é que deve se adaptar.
Mas vá você fazer um muçulmano ortodoxo se sentir desconfortável?
A questão toda é que o véu islâmico, seja ele qual for, sinaliza o apego da mulher que o usa para a ideologia mais conservadora e reacionária do islão, a crença de que Alá quer que os muçulmanos governem politicamente os não muçulmanos através da lei Sharia.
O uso do véu é um sinal de desdém da mulher que o usa para se impor às normas culturais da cultura ela está tentando colonizar. Indica que ela não tem a intenção de assimilar a cultura ocidental, mas sim que ela deseja que o ocidente seja parte de uma colônia da Sharia.
Sim, as mulheres muçulmanas têm e devem ter o direito a véu.
Mas elas também devem saber que os não muçulmanos entendem toda a sua mensagem, de forma alta e clara.



Paquistão: Uma quadrilha de muçulmanos estuprou uma menina cristã e tentou forçá-la a abraçar o islão
Essa é uma tática aplicada na qual a mulher é estuprada primeiro, e, sentindo-se insegura, acaba aceitando a pressão dos estupradores. Essa é mais uma história de uma menina pobre, e mostra um dos modos usados para limpar étinicamente os cristãos de uma região. http://www.youtube.com/watch?v=ySqubBTeGYY
Indonésia: Estudantes do sexo feminino na Indonésia podem ser forçadas a se submeterem a ‘testes de virgindade’
De acordo com Muhammed Rasyid, chefe de Educação no Sul da Sumatra, os testes de virgindade irão  “proteger as crianças da prostituição e sexo livre.” O planos do Sr. Rasyid exige que mulheres jovens com idade de 16 a 19 tenham seu hímen verificado a cada ano até a formatura. É a terceira proposta deste tipo na Indonésia, país de maioria muçulmana. O Partido islâmico da Justiça Próspera disse ao Jakarta Post que “a virgindade é sagrada, portanto, é uma vergonha para uma aluna perder a virgindade antes de se casar.” (The Guardian)
GB: Mutilação Genital
2.000 mulheres vítimas de mutilação genital procuram ajuda em hospitais de Londres em apenas três anos, mas número real é “muito maior do que os números oficiais mostram”
– 300 vítimas necessitaram de cirurgia para reparar os danos causados pelo ritual brutal
– Uma dúzia de crianças precisaram de ajuda médica, incluindo uma com uma ‘ferida aberta’
– Especialistas dizem que os números não dão uma imagem completa do número crescente de casos
Autoridade Palestina denuncia mulheres que protestam contra crimes de honra, e as exorta, ao invés, a matar judeus
Esta foi a reação do “governo da Palestina” à uma manifestação de mulheres contra os chamados “crimes de honra.” (Frontpage)

Iêmen: menina de 8 anos morre durante lua-de-mel com marido de 40 anos
Iémen: Rawan, uma menina de oito anos de idade, morre de hemorragia interna na sua “noite de nupcias”. Ela morreu depois do ato sexual que rompeu o seu utero, apos o casamento com um homem 5 vezes a sua idade. A ativista de direitos humanos, Arwa Othman, disse que nenhuma providencia foi tomada contra o “marido.”  Quase 14 por cento das meninas do Iêmen se casam antes da idade de 15 e 52 por cento antes da idade de 18 anos. O grupo Human Rights Watch disse que muitas das criança iemenitas, ao se tornarem noivas, são mantidos fora da escola, quando chegam à puberdade. (Yahoo News).



Tres presos e condenados por assalto e estupro

Três homens (muçulmanos) suspeitos de coordenarem uma rede de prostituição de menores de idade (pedófilos) foram presos por (apenas) 24 anos por estupro e agressão sexual em uma menina de 18 anos (apesar de outras 5 também tersm sido estupradas). Naeem Ahmed, 24, Nabeel Ahmed, 25, e Hassan Raza, 23, se revezavam para abusar a menina de 18 anos de idade, depois delas a te-la entorpecido com bebida e drogas. (Mail Online)



Taleban apedreja por adultério
O Teleban matou uma mulher por adultério, e a culpa pela falta de chuva

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=mmqXVfmXxxI

(atualizações em agosto de 2013)



Alemanha: Muçulmano
mata bebê ainda para nascer porque esposa viu um doutor masculino …

Um muçulmano dá socos na sua namorada grávida várias vezes no abdômen,
porque ela foi examinada por um médico. Graças aos golpes pesados, o feto
sofreu hemorragias cerebrais enquanto ainda estava no ventre de sua mãe e
morreu.
O muçulmano pegou 2 anos e 9 meses pelo crime. Seu nome é Ahmad
Sherzai, de origem afegã, mas com cidadania alemã. Sua namorada era de origem
alemã e de uma família católica (
LiveLeak). 


Aviso para as
mulheres não-muçulmanas:
não se casem com muçulmanos! É melhor não arriscar!


Arábia Saudita: viúva de 75
anos leva 40 chibatadas depois que ela permite que dois homens entrem em sua
casa para lhe trazer o pão

Ela violou regras barrando
as mulheres de encontro com não-parentes do sexo masculino, um tribunal
decidiu. Os dois homens, incluindo o sobrinho do falecido marido também foram
considerados culpados e condenados a penas de prisão e chicotadas. A viúva argumentou
que um deles era como filho para ela, porque ela o amamentou quando ele era um
bebê. Mas o tribunal descartou a evidência. Na tradição islâmica, a amamentação
estabelece um grau de relação maternal, mesmo que uma mulher amamente uma
criança que não é biologicamente sua (
Daily
Mail
).


(atualizações em julho de 2013)


Misoginia islâmica: cobrir-se toda é a única forma que as mulheres muçulmanas têm para não serem molestadas
A lei islâmica não as protege

Austrália: Centenas de meninas de 17 anos de idade são levados para a Austrália para se casar, dentro de um programa de vistos do governo

Os números mostram que mais de duas centenas de meninas de 17 anos de idade tiveram vistos para se casarem, concedidos ao longo dos últimos cinco anos – uma figura chocante, de acordo com defensores de segurança infantil. Centenas mais 18 -, 19 -, e 20 anos de idade, também receberam o visto depois patrocinado por homens mais velhos. A maioria dos adolescentes são do Oriente Médio ou em países do Sudeste Asiático (MobileNewsAus). Os islamistas sabem, como poucos, usar as brechas da legislação em proveito próprio.

Paquistão: Enfermeira Católica vive com
medo, porque ela não quer se casar com homem muçulmano


Ghulam Muhammad,
um empresário muçulmano influente e temido no Distrito Sanghar, Paquistão, ameaçou
raptar Nazia Masih e desfigura-la com ácido, porque ela se recusou a casar com
ele.
O homem é conhecido pela
polícia por causa de várias denúncias de sequestros e estupros contra ele. No
entanto, ele vive na impunidade. Agora, toda a família de Nazia está em perigo.
“Somos cristãos e os pobres”, disse ela.
“No
Paquistão, a nossa honra e a nossa propriedade não são seguros.”
Para um padre católico em Karachi, “Isto é uma vergonha”. As autoridades
“precisam fazer algo para protegê-los.”
(julho/2013, AsiaNews) O islão não
respeita as minorias. 

No Dubai, mulher norueguesa é presa por ter sido estuprada 
Isso é consistente com a lei islâmica com respeito a estupro. A empresária norueguesa Marte Dalevl estava a trabalho no Dubai. Foi estuprada. Se ela conhecesse a lei islâmica teria ficado quieta (como fazem as muçulmanas), ou nunca teria ido ao Dubai (apesar da indicidência de estupro ter se multiplicado nos países escandinavos com a imigração muçulmana). Ela deu queixa, mas como não tinha quatro homens para dar testemunho, ela foi acusada de comportamento licensioso, teve seu passaporte confiscado, acusada de perjúrio, e finalmente, condenada por um tribunal. Lei islâmica em ação. (Terra)

A “Jihad do Topless” da FEMEN
Existem mulheres que tem coragem no peito e lutam contra o islamismo … leia aqui.

(atualizações em junho de 2013)
Afegã de 8 anos não resiste à noite de núpcias
História narrada por Mustafa Kazemi, funcionário do governo afegão e correspondente de guerra. Menina de 8 anos negociada por seu pai para se casar com o imã local de quase 60 anos de idade. Na noite de núpcias, como o imã não conseguia penetrar na vagina da menina, ele pegou uma faca e abriu a vagina da dela. Ele tampou a boca da menina com o seu véu e continou o ato sexual independente do fato da menina estar sangrando sem parar. A menina entrou em choque e faleceu algumas horas mais tarde. Este é um resumo. A história toda é chocante. Casamento de homens velhos com crianças é sancionado na lei islâmica, por seguir o exemplo de Maomé que se casou com Aisha quando ela tinha 6 anos (e a consumiu quando ela tinha nove). Isso mostra também o desdém com as mulheres, tratadas como propriedade.

Inglaterra abre “disque circuncisão feminina” 
Com o aumento da população muçulmana, aumento este devido principalmente a imigração maçiça, a incidência de circuncisão feminina aumentou tanto que um serviço telefônico foi criado para dar apoio às vítimas (jun/2013, BBC).


Criança síria acorrentada e obrigada a ver seus pais serem mortos por serem shiítas
De acordo com a página do Facebook da Verdade Síria, a foto acima é de uma criança que vive na região de Deir ez-Zor, no leste da Síria, na fronteira com o Iraque. Ela foi amarrada pelos membros do “Exército Sírio Livre”, o mesmo que tem o apoio do governo dos EUA (administração Obama), e que é constituído na sua maioria por jihadistas sunitas extrangeiros.

(atualizações em maio de 2013)




Assédio sexual no Egito chega a proporções epidêmicas
Ativistas no Egito dizem que o problema do assédio sexual está atingindo proporções epidêmicas. Para muitas mulheres egípcias, assédio sexual – o que, por vezes, transforma-se em violentos ataques ao estilo da máfia – é um fato da vida diária. E, como sempre, tem gente que culpa a vítima: “Se as meninas se vestissem de modo respeitável, ninguém poderia tocá-las. É a maneira das meninas se vestirem que faz que os caras venham para elas” vêm para eles ” (2012, BBC).

Australiana é estuprada e presa por 8 meses
nos Emirados Árabes Unidos

Dubai vem
sendo promovida como um paraíso de
luxo de alta classe no deserto, mas a realidade é brutalmente diferente, como australiana Alicia Gali descobriu. Gali conseguiu um emprego
nos Emirados Árabes Unidos, em uma
das maiores redes hoteleiras do mundo, da Starwood. O que aconteceu depois
torna esta história um alerta para
cada mulher planejando viajar
pela região. Gali estava usando seu
laptop no bar para os funcionários
do hotel, quando a bebida foi enriquecida. Ela acordou em um pesadelo horrível:
ela havia sido brutalmente estuprada por três de seus colegas. Sozinha e
assustada, ela foi para o hospital.
O que Alicia não sabia é que, sob as
estritas leis da sharia, seguidas pelos Emirados Árabes Unidos, se o estuprador não confessar, um estupro só pode ser caracterizado com a testemunha de quatro homens adultos muçulmanos. Como
ela não tinha nenhuma testemunha, ela foi acusada de ter relações sexuais
ilícitas fora do casamento, e jogada
em uma cela imunda, durante oito meses.
(maio/2013, YahooNews)

Inglaterra:
Confirmado, mais de 2.400 crianças e jovens foram  vítimas de quadrilhas de abuso
sexual em apenas 14 meses

Pelo
menos 27 policiais estão investigando 54 gangues
de aliciamento de crianças pela a prática de abuso sexual em várias partes da
Inglaterra 
(Telegraph). Essas gangues têm sido
protagonistas de crimes horrendos, como os 
sete homens de
origem paquistanesa que foram condenados por realizar crimes de depravação
“medieval” contra meninas de 11, em Oxford. O ministro da Justiça, Damian Green, disse  que comunidade paquistanesa
na Grã-Bretanha deve resolver urgentemente o problema das quadrilhas que aliciam e abusam de meninas brancas jovens.
(Telegraph). O Lorde Morris de Aberavon, ex-procurador-geral
do Trabalho, toca em um ponto importante
ao questionar porque a investigação tem demorado tanto tempo: “É o
medo de serem acusados de racismo,
ou é o fato de que muitas dessas meninas vulneráveis ​​vêm orfanatos?” Ou seja,
existe o medo da polícia ser chamada de racista por investigar crimes cometidos
por asiáticos (a palavra usada pela imprensa inglesa quando ela deseja esconder
que um crime foi cometido por um muçulmano). O fato é que o serviço social
inglês também sofre do mesmo problema. Devido a isso, o serviço social falhou
em proteger as meninas. Os assistentes sociais se recusaram a proteger estas crianças de abuso
horroroso ao longo de oito anos – os
pais de uma menina de 12 anos implorou em vão com eles
para intervir mais de 70 vezes; uma
outra mãe telefonou para o serviço
social mais de 100 vezes para
denunciar que sua filha estava desaparecida – mas os serviços
sociais também foram ativamente coniventes, como quando um atendente domiciliar comprou uma “lingerie sexy” para uma criança de 13 anos de idade,
antes de enviá-la para ser drogada
com heroína e estuprada (Telegraph). A conexão islâmica destas
gangues foi feita por um líder islâmico que acusou alguns imãs por terem encorajado a gangue de Oxford, ao dizerem aos seus seguidores que as
mulheres brancas mereciam serem “punidas.” Em todos os casos, os membros das gangues são muçulmanos
enquanto que as vítimas são meninas menores
(Telegraph). (maio de 2013)



A quadrilha do sexo de Oxford. Da esquerda para a direita, começando de cima: Akhtar Dogar,
Anjum Dogar, Kamar Jamil, Assad Hussain. Em baixo: Mohammed Karrar,
Bassam Karrar and Zeeshan Ahmed

Egito avisa que dar alguns direitos às mulheres pode
destruir a sociedade

O governo egípcio da Irmandade
Muçulmana se declarou contrário à declaração dos direitos das mulheres (da ONU), ao
dizer que ela causará a destruição da sociedade, permitindo que as mulheres
possam viajar, trabalhar e usar contracepção sem a aprovação do seu marido,
dando poder também para que elas controlem os gastos familiares. A declaração
daria ainda às mulheres
plenos direitos para apresentar queixas judiciais contra
o
marido, acusando-os de estupro
ou
assédio sexual,
obrigando as autoridades competentes a
tratar
maridos com punições
semelhantes às prescritas para estupro.” A Irmandade Muçulmana advertiu
que a declaração daria liberdade sexual às mulheres, legalizaria o aborto, forneceria contraceptivos a adolescentes, daria igualdade às mulheres no
casamento
o que resultaria em que  homens e mulheres compartilhassem tarefas, como apoio às
crianças e outras tarefas domésticas. Ele disse que a declaração permitirá
uma
igualdade de direitos para
os homossexuais, e proporcionará proteção e respeito para as prostitutas.
Segundo alguns diplomatas, o Egito
propôs uma alteração que permitiria que países evitassem a aplicação da declaração quando ela se chocasse com as leis nacionais,
valores religiosos ou culturais
. Mas
alguns
diplomatas dizem que isso
minaria inteiramente a declaração. (Março/2013,
Yahoo
News
 — leia também sobre este assunto em Perigo Islâmico).

A lei islâmica não pode ser alterada pela mão do homem. Ela é perfeita
pois foi dada por Alá.
 


Canadá: Mulher muçulmana se recusa a mostrar a sua face em testemunha de assédio sexual

Uma mulher identificada como N.S. se recusa a mostrar sua face durante audiência com juiz. Ela acusa dois parentes de terem abusado dela quando criança. Em casos desta natureza, é importante ver a expressão facial durante as as testemunhas (Abril/2013, Yahoo News). Essa mulher é sortuda de morar em um país onde a lei islâmica (ainda) não se aplica. Se este fosse o caso, ela já teria sido apedrejada.

Mulher de 69 anos se casa com
‘príncipe dos sonhos’, um egípcio de 26 anos, e acaba morta no balneário de
Hurghada

O sonho desta senhora
parece igual ao de tantas outras, arrumar um garotão. Só que ela se esqueceu,
ou não sabia, que o garotão era muçulmano. Depois que eles se casaram, ele não
só tinha outra esposa, como exigia dinheiro, carros e a posse do apartamento
dela no balneário. Ela foi morta por amigos do seu marido garotão (jun/2013,
Daily Mail). O
melhor que as mulheres não muçulmanas fazem é ficar bem longe dos homens
muçulmanos. 




(atualizações em 9/12/2012)

Malala Yousafzai, a menina paquistanesa de 14 que
sofreu atentado por advogar o direito das mulheres à educação e não serem
propriedade dos homens

As
organizações Tehrik-e-Taliban Pakistan, al-Qaida e grupos conservadores do
Paquistão procuram defender o atentado dizendo que ela merece ser morta por ter
blasfemado contra o islã ao promover valores ocidentais e ser contra a jihad. O
Taliban disse que vai tentar matá-la novamente
(Time World, AllVoices
)

  

Apedrejamento
Maomé foi realmente uma pessoa insana. Ele participou do
apedrejamento de uma macaca por adultério! Desde quando os macacos
se casam e são punidos por adultério?

Narrado ‘Amr bin
Maimun:.. “Durante o período pré-lslamico da ignorância eu ví uma macaca sendo apedrejada por um grupo de macacos porque ela havia cometido
adultério. Eu me juntei aos macacos para apedrejá-la.” (Bukhari,
Volume 5, Livro 58,
Número 188)

Muitos países
muçulmanos
abandonaram esta
forma bárbara de punição devido à influência secular
democrático-
ocidental (o lado positivo do colonialismo).
O apedrejamento até a morte por adultério, é uma forma legal de punição no Irã, Arábia Saudita, a
parte
predominantemente muçulmana do
norte da Nigéria
, a parte do Afeganistão e do Paquistão
controlada pelo Taleban
e a região controlada
pelos
islâmicos da Somália. A
província de
Aceh, na Indonésia, legalizou
o
apedrejamento de adúlteros
em 2009. Nos países governados pela Sharia
governado, como a Arábia Saudita e o Irã,
o apedrejamento
é uma forma de punição legal. Os infratores são mortos
por apedrejamento em uma base regular,
mas esses
casos têm pouca atenção da imprensa
no mundo exterior
. Apedrejamento à
morte
de adúlteros e / ou fornicadores são também relatados em países como o Sudão,
Turquia
, Nigéria e Paquistão, perpetrados
extra-judicialmente através de fatwas pelo imãs local ou
por tribunais
islâmcos das aldeias.
  

Somália: O grupo islâmico Al-Shabaab condena mulher à morte por apedrejamento. Seu crime: “ofensa sexual.” O homem que participou da ofensa não foi encontrado. (Africareviewew

Irã Corpo de quatro mulheres apedrejadas até a morte mostram marcas de tortura (Mohaba News). 

Mali: Casal apedrejado até a morte. (CNN

Nigéria: em 2003, uma pressão mundial reverteu a condenação de Amina Lawal à morte por apedrejamento. Ela havia sido condenada por uma corte islâmica no norte da Nigéria, região de maioria muçulmana controlada pela Sharia (CNN). Mas a maioria dos casos de apedrejamento passam desapercebidos da opinião pública mundial. 

Mais Crimes de Honra:

  • Toronto: mãe muçulmana
    tem garganta cortada por deixar os
    filhos
    adotarem a cultura
    canadense. 
    Randjida Khairi, mãe
    de 6,
    foi esfaqueado cinco vezes
    no peito e nas costas. Ela se afogou em seu próprio sangue, um
    processo que levou entre cinco e 10 minutos. O marido de 65
    anos,
    Peer Khairi, original do Afeganistão não aceitava que ela deixasse os
    filhos se vestirem e se comportarem como canadenses (Oct/2012,
    National Post).
  • Estudo sobre tendências mundiais em crimes
    de honra mostra que Muçulmanos
    cometem 91 por cento dos crimes de honra no mundo todo (2010,
    The Middle East Quaterly).
  • Autoridade Palestina perdões ou suspende penas
    em casos de assassinatos
    de honra (2012,
    Gulf News).
  • A Síria, em 2009,
    cancelou uma lei que limitava a duração das penas para crimes
    de honra
    , mas “a nova lei diz
    que um homem
    pode ainda se beneficiar de circunstâncias atenuantes em crimes de paixão ou honra” desde
    que ele
    sirva pena de prisão
    não inferior a dois anos no caso de assassinato ‘. (
    BBC)
  • E em 2003, o
    Parlamento da Jordânia votou contra,
    por motivos islâmicos, uma disposição legal destinada a endurecer
    penas para crimes de honra. Al-Jazeera informou que “os
    islâmicos e os conservadores alegaram
    que a lei
    iria violar as tradições
    religiosas e
    destruir famílias
    e valores.” (
    Al Jazeera)

Enquanto que as autoridades não tiverem a coragem de dizer
a verdade sobre o assassinato de honra,
haverá muitos mais assassinatos desse tipo.

Sharia em ação no Arizona (EUA): família queima,
bate e acorrenta filha na cama por
recusar
casamento arranjado

O título já diz tudo (Fox
10 News
, jihadwatch).

 


As
mulheres justas são, portanto, obedientes,
guardando o segredo para a guarda
de Deus. E aquelas que você tema serem rebeldes, admoeste-as, prenda-as nos seus quartos, e bata nelas” (Alcorão 4:34).

Mulheres afegãs protestam da sentença de
100 chicotadas para menina de 16 anos vítima de estupro

Mas protestar contra a sentença de 100 chicotadas é para
protestar contra
o Islã. De
acordo com
o Alcorão (24:2),
a pena para prostituição é 100 chicotadas. A fim de acusar
alguém de
um pecado sexual (como
estupro
), o acusador deve produzir
quatro
testemunhas do sexo masculino (Alcorão 24:4). Se o
acusador não pode produzir quatro
testemunhas do sexo masculino, o homem não pode ser acusado de estupro. E se ele não pode ser acusado
de estupro
, a menina é presa com sua
admissão
de que o sexo ilícito
tenha ocorrido (o que ela admitiu quando ela
o acusou de
estupro). Por isso,
ela será dada 100 chibatadas por fornicação. Bem-vindo à Sharia. (DailyMotion)

 

E na
mesma toada
, nas Ilhas Maldivas a justiça
condenou uma menina de
menina
de 16
anos a 100 chicotadas por ato
sexual
. (4/set/2012, Indian
Express
)

O marido pode matar a esposa se ela for pega em flagrante de adultério, mas ela não pode fazer o mesmo
http://infielatento.blogspot.ca/2012/08/orque-o-marido-pode-matar-esposa-se-ela.html

Taliban londrino: use o véu islâmico ou nós a mataremos
O ‘taliban londrino’ está ameaçando mulheres por não se cobrirem e tentando banir gays como uma forma de impor a lei islâmica (que por sinal, tem valor jurídico na Grã-Bretanha) (Abil/2011, Mail).

Menina de 16 anos comete suicído por ser obrigada a se casar com seu estuprador
No Marrocos, a corte de justiça decidiu que era melhor que ela se casasse com o estuprador para resguardar a sua honra. Ela foi então levada para viver com a família do estuprador, agora seu marido, que a maltratava. Traumatizada, a menina Amina tomou veneno para rato terminando com a sua vida (Set/2012, Al Arabyia).

Jihad do Estupro

Lembre-se: Maomé foi
um estuprador
, o Alcorão permite o
estupro
, e a lei islâmica dá aos muçulmanos a permissão
legal para eles estuprarem mulheres não-muçulmanas. E veja também nas manchetes
abaixo, que a imprensa politicamente correta tenta majoritariamente esconder os
perpetradores do estrupo e porque eles estupram (talvez isso seja um tentativa
de “se nós formos bonzinhos e tolerantes com eles, eles vão ser bonzinhos e
tolerantes conosco” – isso não acontece).

 

Líder muçulmano culpa
as mulheres por ataques sexuais
: na Australia, o mais importante
cl
érico muçulmano Sheik Taj Din al-Hilali, culpou mulheres vestidas
indecentemente, e que não usam as vestimentas muçulmanas,
por serem presas de homens, comparando-as com  “carne” abandonada que atrai animais vorazes. O
clérico disse ainda que “Se ela estivesse  em seu quarto, em sua casa, no seu hijab, o problema não
teria ocorrido,” e que com respeito ao “estado de zina (adultério), a responsabilidade cai 90 por cento
do tempo sobre a mulher. Por quê? Porque ela possui
a
arma de sedução (igraa).” (2006, Mail
Online
)

 

Jihad do estupro na
Dinamarca
: Mais da metade de todos os estupradores condenados têm origem imigrante. Iraquianos, iranianos, turcos e somalis dramaticamente representados … (2012, jihadwatch,
BT)

Oslo, Noruega: 69 por cento de aumento no número de estupros
(76 estupros em
91
dias). Participação dos
não-ocidentais nos estupradores de 100 por cento. (2012, jihadwatch,
Olosby)

Stavanger, Noruega: Nove em cada
dez
estupradores são “homens
de grupos minoritários” (2012, jihadwatch,
Document.No)

 

Suécia: em Julho, polícia relatou uma
média de cinco
estupros por dia em
Estocolmo (2012, jihadwatch)

 

Fatwa permite que
Mujahideen (guerreiros sagrados) sequestrem,
prendam, e tenham relações sexuais
com mulheres infiéis:
em 28 de outubro de 2011, o fórum
jihadista Minbar Al-Tawhid
Wal-Jihad publicou uma fatwa do Sheikh Abu Al-Humam Athari,
um membro do Conselho da Sharia, na qual ele inequivocamente
permitiu os mujahideen capturarem
mulheres infiéis “e
ter
relações sexuais com elas,
mesmo aquelas casadas, sob a alegação de
que
a certidao de  casamento para os
infiéis
são dissolvidos logo que
elas se tornem cativas. (MEMRI,
jihadwatch,
Nov/2011)

 

Lembre-se: o homem tem atração sexual. Para se viver em sociedade, esta
atração é reprimida. Mas ao invés de reprimir, o Islã permite, e até incentiva,
a perversão sexual e o estupro, quando efetuado sobre mulheres não-muçulmanas.

 

Parlamento iraniano busca diminuir ainda mais a idade minima para
mulheres se casarem: de 10 para 9 anos de idade.

Reportado por Mohaba
News
(7/Julho/2012): 


O Parlamento iraniano emitiu recentemente um comunicado que eles consideram a lei (atual) que proíbe o casamento para
garotas abaixo de 10 como anti-islâmica e
ilegal.
De acordo com o parlamentar
Mohammad
Ali Isfenani Devemos considerar como sendo 9 anos a idade apropriada para uma menina ter atingido a puberdade e qualificados para casar. Não se fazer isso é
o mesmo que desafiar a lei islâmica Sharia.”

 

Ao longo das últimas
semanas
, mais de 75 meninas
menores de 10 anos foram forçados a
se casar com homens muito mais velhos.
Legalizar esta prática seria eficaz legalizar o sexo
entre
uma criança e um adulto com
mais
de 18 anos.

 

Mas porque isso? Porque o pedófilo, digo, profeta Maomé, se casou com
Aisha quando ela tinha 6 anos mas “apenas” consumiu o casamento quando ela
tinha 9. E como o Alcorão diz que Maomé é o perfeito exemplo de conduta impedir
casamento com crianças é anti-islâmico (como prescrito pelas 8 escolas de
jurisprudência islâmica (sunitas e xiítas)).


Multidão ataca sexualmente mulheres que participavam em comício anti-assalto sexual no Egito
Ironia. As mulheres acabam sendo vítimas daquilo que elas reclamavam contra. Uma multidão de centenas de homens agrediram sexualmente as mulheres que participavam de uma marcha exigindo um fim ao assédio sexual. Os atacantes sobrepujaram os guardiões ​​masculinos, perseguindo, tateando e molestando várias das manifestantes na Praça  Tahrir, no Cairo (Junho, USA Today).

Crime de Honra no Egito
Dois irmãos em uma aldeia em Assuit, Egito, dilaceram sua mãe, irmã e tia, depois de descobrir que as ações de sua irmã eram contrários à moral“. Os dois irmãos, Ahmed Mukhtar, 35, e Abd al-Basit, 24, foram posteriormente preso e confessaram os assassinatos em detalhe (Junho/2012, Raymond Ibrahim). 

Crime de Honra na Alemanha
Homem muçulmano de origem turca decapita a sua mulher na frente de seus seis filhos, enquanto gritava “Allahu Akbar! ou “Deus é maior!” Mais tarde, ele jogou fora a cabeça desmembrada da sua esposa do telhado de seu apartamento.” O crime ocorreu em Berlim. (Junho/2012, Mail Online)

Rede de estupro de meninas órfãs na Inglaterra
Com a condenação de nove homens pela condução de uma rede de crime organizado de natureza sexual, desde estupro ao tráfico sexualtodos os detalhes horríveis de mais de duas décadas de violência sexual contra jovens, predominantemente meninas brancas que vivem em lares de crianças no norte da Inglaterra, foram revelados. A quadrilha enganou um númerdo estimado de 47 meninas (o número pode ser bem maior), entre 12 e 16 anos, com presentes, álcool e drogas antes de passá-las para ter sexo “com vários homens por dia, várias vezes por semana” em apartamentos, casas, carros, táxis e lojas de kebab. Depois de telefonemas para convidá-las para vir e fazer sexo com uma garota, os homens vinham em quantidade, como que se carregados por um veículo de carga. Uma menina de 13 anos foi forçada a fazer sexo com 20 homens em uma noite (Mail).


O Juiz disse que a quadrilha fazia as meninas de presas em parte porque elas eram de comunidade e religião” diferentes das dos condenados (Mail).


Vale ressaltar dois fatos. O primeiro, que crime sexual é algo que ultrapassa fronteiras. Contudo, apenas o Islão tem prescrições que permitem o estupro de mulheres infiéis. Como dito por um dos condenados:  seria “impensável fazer isso com as meninas muçulmanas porém fazer isso com as as corrompidas meninas brancas é aceito.” O segundo fato, como realçado pela autora da reportagem, é que as autoridades se recusam a sequer mencionar a origem dos condenados (todos do Paquistão) com receio de serem taxadas de racistas ou islamófobas. Este ato congelou a ação preventiva da polícia e serviços de assitência social, tendo, neste caso, traído e condenado as meninas a um enorme sofrimento. “Isto é um escândalo absoluto. Eles (polícia e serviços sociais) foram petrificados pelo receio de serem chamados de racistas, revertendo deste modo para o padrão do políticamente correto.”


Mais notícia sobre mutilação da genitália feminina na Grã-Bretanha
Mohammed Abdul, o Imã da mesquita de Bristol, foi filmando incitando seus seguidores a levarem mulheres e meninas para fora do país de modo que elas possam ser legalmente circuncidadas (Abri/2012, Mail). 


Mutilação Genital Feminina na Grã-Bretanha
Algumas notícias da Grã Bretanha sobre Mutilação da Genitália Feminina:

  • Um médico, um dentista e um praticante de medicina alternativa foram filmados secretamente oferecendo-se para realizar ou organizar a mutilação genital feminina (MGF), de acordo com o jornal britânico Guardian (Abril, 2012)
  • Em dezembro de 2011, Dr. Abdul Ahmed – repare o nome do médico – (63 anos), foi afastado do registo médico ontem por grave má conduta profissional por oferecer a realização da mutilação genital em £ 50 por hora.
  • De acordo com a Forward, uma instituição de caridade que luta contra a MGF, cerca de 100.000 mulheres no Reino Unido sofreram mutilação (Guardian).

Uma pergunta: qual o risco de que algums médicos no Brasil venhma a “se vender” para esta prática?

Gangue de somalis promove sequestro, estupro e venda de
meninas infiéis brancas
O maior caso de tráfico humano na história dos EUA. Uma
gangue de 29 somalis foi presa em Minneapolis (EUA). Eles são acusados de
fazerem parte de uma rede de prostituição e tráfico de menores nos estados de
Minnesota, Ohio e Tennesse. As gangues se auto-denominavam Somali
Outlaws
, Somali Mafia e Lady Outlaws. Eles agiam
desde 2000 encobertos pela comunidade de imigrantes da Somália que é numerosa
em Minnesota. Os advogados de defesa e acusação se recusam a comentar sobre o
caso (um comportamento usual quando os envolvidos são muçulmanos).
Um trabalho vem sendo feito junto as vítimas, que não podem ter seus nomes
identificados por serem menores de idade (Abril/2012, Cleveland.com).
Comentários:
  1. Não é nada demais tráfico humano
    de infiéis. Maomé fez isso.
  2. Não é nada demais estuprar infiéis.
    Maomé fez isso.
  3. Não é nada demais sequestrar
    infiéis. Maomé fez isso.
  4. Estupro, sequestro e tráfico
    humano existem e são feitos inclusive por não-muçulmanos. A diferença é que a
    lei islâmica faz vistas grossas no tocante a punição para crimes cometidos por
    muçulmanos contra não-muçulmanos. 

Leia sobre estupro e escravidão sexual aqui.

(

Fatwas sobre “amamentação de adultos”

Em maio de 2007, Dr.
Izzat Atiya, chefe
do Departamento de
Hadith da Universidade
Al
Azhar (Egito), emitiu uma
fatwa, ou decreto legal islâmico, dizendo que as trabalhadoras devem amamentar” seus colegas de trabalho, a fim de poderem trabalhar
na
companhia um do outro.
A lógica é que
ao “amamentar” o companheiro de trabalho ele passa a ser parte da família,
deste modo, seu guardião. Esta fatwa foi baseada em um Hadith – uma ação documentada do profeta Maomé e, consequentemente, uma das fontes de jurisprudência da Sharia. Muitos egípcios naturalmente protestaram sobre a fatwa, muito embora ninguém
pudesse
realmente demonstrar que
isso
era anti-islâmico; pois a fatwa conformava-se
com
os preceitos da jurisprudência
islâmica.
Ainda assim, devido aos
protestos
poucas mulheres
egípcias
estavam ansiosas para “amamentar
os seus colegas de sexo masculino – a fatwa caiu no esquecimento.
Três anos depois, em 2010,
uma
alta patente da Arábia
Saudita,
Sheikh Abdul Mohsin Al-Abaican, emitiu
uma
fatwa afirmando que “as
mulheres poderiam dar o seu leite para
os homens para estabelecer um grau de
relação maternal e
contornar uma proibição estrita religiosa que proíbe a mistura entre os homens e mulheres sem grau de parentesco
próximo
. “Mas, ao contrário da fatwa anterior, “o homem deve tomar o leite, mas não diretamente do peito
da mulher. Ele deve
beber
-lo [a partir de uma xícara]
e então [ele] se torna um parente da família, um
fato
que lhe permite entrar em
contato com
as mulheres sem
quebrar as regras do Islã sobre a mistura entre os sexos.
Agora, em 2012, ativistas islâmicos do Kuwait re-examinaram as fatwa relativas ao “aleitamento materno adulto” no
contexto
das relações entre um
homem
e sua esposa. Tres Sheiks do
Kuwait estão de acordo em que a atividade não é proibida
de acordo com a Sharia, eles estão divididos sobre as indicações a
serem seguidas.
Esta é uma polêmica que mostra algo muito importante: por mais absurdo
que isto possa parecer ninguém pode dizer que não é algo intrinsicamente
islâmico pois as fatwas advém de interpretações da lei islâmica (Sharia) e do
exemplo do profeta Maomé. (Abril/2012, Raymond
Ibrahim
)

Uma das muitas caricaturas que apareceram no Egito, em resposta às fatwas relativas ao aleitamento materno adulto: o homem diz, “Eu tenho alguns biscoitos e estou aqui apenas para mamar no café da manhã.”

Loja de langerie na Arábia Saudita
Esta foto pode parecer engraçada, mas ela retrata a triste realidade do mundo muçulmano. A segregação entre homens e mulheres nos países islâmicos faz com que os homens jovens cresçam sem qualquer compreensão das mulheres e sem capacidade de interagir com elas como iguais. Como se pode esperar que tais homens se tornem maridos normais? É um crescimento disfuncional. Qualquer mulher que se casar com um muçulmano nesta condição está procurando por problema.

Livro ensina os muçulmanos como bater e controlar as suas esposas

O livro “Um Presente para os Casais Muçulmanos” é um guia de casamento que aconselha os homens muçulmanos sobre como bater nas mulheres. O livro de 160 páginas, publicado pela Idara Impex em Nova Delhi, na Índia, foi escrito por Hazrat Maulana Ashraf Ali Thanvi. No prefácio do livro o escritor se apresenta como um “escritor prolífico sobre quase todos os tópicos de ensino islâmico.” O livro encontra-se esgotado, mas está disponível em livrarias on-line islâmicas e até mesmo através do eBay. 

Nas primeiras páginas do livro está escrito que “pode ser necessário usar força para contê-la ou até mesmo a ameaçá-la.” Mais tarde, o autor informa que o marido deve tratar a esposa com bondade e amor, mesmo que ela tenda a ser estúpida e lenta às vezes.” A página 45 contém os direitos do marido, que incluem a incapacidade de sua esposa para deixar a sua casa sem sua permissão“, e que sua esposa deve satisfazer seus desejos” e “não permitir-se ficar desleixada  mas ela deve embelezar-se para ele ” Em termos de punição física, o livro informa que um marido pode repreendê-la, “bater com a mão ou vara,reter dinheiro dela ou “puxa-la pelas orelhas“, mas deve abster-se de espancá-la excessivamente.

Tarek Fatah, uma voz muçulmana moderada diz que o lojista deve ser cobrado para a venda de um livro“Eu não diria que é o ódio, mas é incitar os homens a bater as mulheres“, disse o Fatah, que identificou o autor do livro como um proeminente estudioso islâmico. “Isso é novo para você, mas a comunidade muçulmana sabe que isso é generalizado, de que uma mulher pode ser surrada. Os líderes muçulmanos vão negar isso, mas … ” (Março/2012, Toronto Sun). 

Eric Brazau mostra a sua cópia de “Um Presente para os Casais Muçulmanos” em frente a entrada do jornal Toronto Sun. (Terry Davidson/QMI Agency)

Humor: mulher dirigindo de burqua



Egito celebra o Dia Internacional da Mulher …
condenando a Convenção contra a Discriminaçao de Gênero da ONU (de 1978) por ela ser incompatível com os valores islâmicos contidos na lei islâmica Sharia (Março/2012, Al Arabyia).

Mulheres do Iraque dizem que crimes de honra necessitam de leis mais duras
Assassinato no Iraque é crime cuja punição pode ser a morte, mas quando se trata de crime de honra a pena é de no máximo dois anos. Pelos menos 84 mulheres foram mortas em crimes de honra no Iraque em 2011 (Mar/2012, Al Arabyia).

Meninas estupradas por gangue islâmica na Inglaterra
As meninas tem 15 e 16 anos e foram presas em um apartamento no final de semana. O Alcorão (4:24; 23:5-6) diz que os homens podem ter sexo com as mulheres que “a sua mão direita possuir.” De um ponto-de-vista puramente islâmico, os 5 tarados (Shamrez Rashid, 20, Amar Hussain, 21, Jahbar Rafiq, 28, Adil Saleem, 21, Aqueel
Rahman, 20, and Amer Islam Choudhrey, 20) estavam apenas fazendo valer os seus direitos: os de fazerem sexo com infiéis conquistadas. O site onde esta notícia foi retirada tem um sugestivo sub-título: “onde o Islão se espalha, a liberdade morre.” (Islam versus Europe)


Candidato a presidente do Egito quer todas as mulheres cobertas
“É o senhor do mundo que assim o deseja,” disse Hazem Islmael. Ou então, que elas mudem de religião. Mas deixar o Islão é crime! O que este cara quer? O pior é que 75% dos egípcios votaram nos partidos que querem a implementação da lei islâmica (14/2/2012, Al-Arabyia).

Irã se moderniza: pena para adultério passa a ser enforcamento
Uma nova lei pretende substituir o apedrejamento como pena para adultério. A morte agora será apenas por enforcamento (Eurasia).

Menino de 12 anos mata irmã de 22 a pedidos do pai

Na Turquia. O motivo foi para defender a honra da família, já que a jovem Acar se recusou a se casar com um homem que já tinha pago o dote para o pai, algo comum no interior (10/2/2012 , Zaman). 


Manifestação contra violência familiar no Distrito de Beyoglu, em Instambul. Violência contra a mulher é um problema crônico na Turquia, notadamente no interior, onde as pessoas são mais “religiosas.” 99.9% da Turquia é composta do muçulmanos.





Kirgistão: lei para acabar com sequestro de noivas esbarra na prática da poligamia
A lei, que visava combater o sequestro de noivas, acabaria servindo para combater a poligamia, muito praticada apesar de ser ilegal neste país. O sequestro de noivas, e consequente casamento forçado, é celebrado por clérigos islâmicos, o que acaba sendo respeitado pelas comunidades locais. Relatório mostra que 45% dos casamentos celebrados na província de Karakol (é isso mesmo) em 2010 e 2011 foram forçados. A noiva acaba consentindo sob ameaças de exclusão social e estupro (8/2/2012, EurasiaNet).

Mulheres deformadas após ataque com ácido

O maior incentivo ao crime é a impunidade. Nós temos muitos exemplos no Brasil no tocante aos chamados “crimes de colarinho branco.”

No mundo islâmico existem vários exemplos de crimes que passam sem punição. Um deles são os ataques às mulheres.

Mas, porque eles passam impunes? Em primeiro lugar, devido ao fato da mulher pertencer ao homem. Em segundo lugar, por existerem prescrições sobre o marido punir a sua esposa (link). e, finalmente, a lei islâmica prescreve que retaliação não existe quando o pai mata os seus filhos (lei islâmica o1), subentendendo-se aí a ampliação deste “direito” do homem sobre as esposas. O resultado de tudo isso é impunidade.

A foto ao lado é de uma mulher afegã que teve o nariz arrancado pelo marido. As fotos abaixo são de vítimas de ataques com ácidos.

Veja matéria do O Globo sobre isso que saiu em 2010.

No Canadá, Imã diz que mulher só pode casar com a permissão de um “guardião”
A islamização espalha a ideologia para fora do mundo islâmico. Ao responder a pergunta de uma muçulmana, que vive sozinha, se ela pode tomar a sua própria decisão sobre quando e com quem se casar, um imã responde que a mulher só pode casar com a permissão de um guardião (pai, avô, irmão, algum adulto). Sem isso, o casamento não tem valor (MC).

Ao perguntar se ela pode se casar com um cristão, o Imã responde citando o Alcorão (2:221)

E não dê as suas filhas em casamento para um não-muçulmano até que ele creia apenas em Alá. Na verdade é melhor que ela case com um escravo muçulmano do que com um não-muçulmano livre.  

Casamento de crianças na Indonésia
45% das meninas entre 10 e 15 anos na província de Sualesi do Sul são casadas, e que os maridos acham que se casando com elas afastam o risco de cometer adultério e contrair AIDS (8/2/2012, JakartaGlobe).

Aumentam os casos de açoitamento de mulheres e circuncisão feminina nas Ilhas Maldivas
A gente imagina as Ilhas Maldivas como um paraíso turístico. É verdade, existem ilhas apenas para os turistas. No resto do país, todos os cidadãos são obrigados a serem muçulmanos. É isso o que define a constituição deste arquipélago. Esta constituição segue a tendência de aumento do fundamentalismo religioso, sob influência árabe. A cultura local é na verdade matriarcal, onde a herança vem da mulher. Mas isto foi alterado pelo governo sob pressão dos grupos islâmicos.

A Comissária de Direitos da Mulher da ONU, Navi Pillay, conclamou o governo maldivo a abolir a prática do açoitamento de mulheres por terem sexo fora do casamento (punição semelhante raramente é imposta aos homens). A resposta a este pedido foram manifestações de rua, onde os manifestantes expunham cartazes dizendo “banem a ONU”, “O Islã não um brinquedo”, e “Açoitem Pillay.”

Outros relatos dão conta do aumento da cincuncisão feminina, principalmente nas ilhas mais periféricas (TheAge, 25/1/2012).

Mulheres turcas vítimas de estupro “permitido”
O caso da menor de 11 anos Z.Ç levada a um hospital por seu marido de 25 anos traz a luz a situação dos casamentos islâmicos entre homens adultos e crianças. O médico diagnosticou a menor como grávide de 8 meses, e disse que ela com certeza foi estuprada (25/1/2012, StoneGate).


Norueguesa é espancada por noivo egípcio por se recusar a casar
Todos sabemos que existe violência contra a mulher, e ela deve ser, e é combatida. Porém, a lei islâmica abre uma brecha perigosa criando situações onde é halal (permitido) que isso aconteça. A partir daí, é ladeira abaixo (Voice of the Copts).

Pai muçulmano sequestra filhos para a Tunísia
Um fato lamentávelmente comum decorrente do fato de, sob a lei islâmica, a mulher, os filhos serem propriedades do marido. Nos EUA. Edeanna Johnson Chebbi teve seus dois filhos sequestrados pelo seu ex-marido, o tunisino Faiçal Chebbi, que não os devolveu após ficar com as crianças durante um dos períodos de visita judiciais. Dias mais tarde ela recebeu um telefonema da Tunísia dizendo que as crianças não seriam devolvidas. Segundo as leis da Tunísia, ele não cometeu crime algum (Nov/2011, TunisiaLive.net).

Mulher decapitada na Arábia Saudita sob a acusação de feitiçaria
Amina Bint Abdulhalim Nassar foi decapitada em Dez/2011. Embora feitiçaria não esteja nem na lei, o governo saudita geralmente usa esta acusação contra pessoas que o governo considere ameaçadoras. Em 2011, 76 pessoas foram mortas pelo governo por decapitação (Care2). Em Junho/2011, uma empregada da Indonésia foi decapitada por ter matado o seu padrão, porque ele a impedia de retornar para a sua família em Jacarta (Telegraph). 

Muçulmano francês preso por agredir enfermeira que retirou a burka da sua esposa durante o parto
Essa história permite ver o nível de fanatismo que os “muslóides” (que melhor termo para descrever isso?) são inculcados. Nassim Minourme, 24 anos, primeiro chamou a enfermeira de “estrupadora” pelo fato dela estar fazendo “exames íntimos” na sua esposa, que estava com contrações. A sua esposa pediu ao marido que permitisse o exame, mas ele respondeu ameaçando-a com divórcio. Ele foi levado para outra sala. Mas ao ver que o véu havia sido retirado ele entrou na sala de parto e agrediu a enfermeira (Dez/2011, FoxNews).

Governo iraniano quer controlar a moda feminina
Esta é uma notícia que deixa os meus amigos da Esquerda “excitados.” Um governo que quer controlar todos os aspectos da vida dos cidadãos (bem, neste caso, principalmente das mulheres), chegando ao cúmulo agora de querer definir o que é moda. Não que as mulheres iranianas tenham alguma escolha. A lição é a seguinte: um governo não tem nada que se intrometer na vida das pessoas. Mas, no Islão, é exatamente isso o que acontece. E os muçulmanos são aqueles que se submetem, eles são os “escravos de Alá.” (Washington Post, Dez/2011)

UN Watch Condena Irã, Paquistão e Burma no Forum de Direitos da Mulher da ONU.
A ONG UN Watch condenou o Irã pela perseguição às mulheres da minoria Baha’i, pois enquanto que as mulheres muçulmanas têm direito à educação, este direito é negado às mulheres da fé Baha’i. Situação semelhante ocorre no Paquistão, onde as mulheres Hindus têm negado acesso a escola com base na sua religião. Além disso, existem expressões anti-Hindus sendo propagadas nas escolas, o que viola o Artigo 26 da Declaração Universão de Direitos Humanos que provê que “educação deve promover entendimento, tolerância, e amizade entre as nações, raças e grupos religiosos.” E Myanmar (Burma) onde a junta persegue o grupo minoritátio muçulmano dos Rohingyas. Vale aqui um comentário. Repare que a UN Watch menciona 3 países, sendo que em um deles, Myanmar, muçulmanos são perseguidos. A lição é que o “mal” é algo que existe, e que deve ser enfrentado. O problema ao lidar com o Islão é que o “mal” foi sacramentado nos escritos sagrados, no Alcorão, na Sunna e na lei islâmica, sendo deste jeito muito difícil de ser mudado e combatido (BurmaNews).


Marido decepa dedos da esposa para evitar que ela estude
Bangladesh: ela começou a estudar sem a autorização do marido. O marido, Rafiqul Islam, tapou os olhos e a boca da esposa dizendo que iria dar um presente a ela, antes de atacá-la (Dez/2011, BBC). Segundo a Lei Islâmica, a mulher é propriedade do homem.



Homem corta ponta do nariz e dos dedos da esposa 
Aconteceu no Paquistão, onde uma lei que proibia a violência doméstica caducou no Senado devido a pressão de partidos religiosos. Advinha de que religião são estes partidos (Dez/2011, Emirates). Segundo a Lei Islâmica, a mulher é propriedade do homem.


Taliban corta fora seio de mulher durante amamentação, e pede para que as outras que comam os pedaços
Este fato aconteceu no Paquistão e é documentado por um relatório da ONU (Dez/2011, Indian Express).

Aumento alarmante de “ataques de honra” muçulmana no Reino Unido: polícia revela que milhares aconteceram no ano passado
Pelo menos 2823 casos de violencia em “defesa da honra”, com maior número de ocorrências em Londres. Estes ataques são punições geralmente realizadas contra as mulheres muçulmanas, acusadas ​​de trazer vergonha para suas famílias, e incluem raptos, mutilações, espancamentos e assassinatos. As famílias muitas vezes negam a existência dos ataques. Segundo Dianna Nammi, diretora da IKWRO, “os criminosos são ainda considerados como heróis dentro da comunidade, porque eles são a defesa da família e da honra  e reputação da comunidade. ” Dianna Nammi acrescentou que muitas coisas” são consideradas desonrosas, incluindo: ter um namorado, ser vítima de estupro, recusar um casamento arranjado, ser gay ou lésbica e em alguns casos usar maquiagem ou trajes inadequados (3/Dez/2011 Mail). Estes números tendem a crescer com a contínua islamização da Inglaterra. Até o dia que vai ser proibido divulgá-los. 

Afeganistão, um inferno para as mulheres
Reportagem da Revista Veja (em 2010) que, apesar de não discutir o porque das coisas (referência à lei islâmica), mostra as dificuldades da vida das mulheres sob a Sharia.

Sauditas temem escassez de “virgens” se mulheres puderem dirigir
Um relatório “científico” afirma que o relaxamento da proibição que impede as mulheres de dirigir automóveis também veria os sauditas, homens e mulheres, recorrerem à homossexualidade e pornografia. As conclusões surpreendentes foram feitas por estudiosos muçulmanos da Majlis al-IFTA ‘al-A’ala, o mais alto conselho religioso da Arábia Saudita, em conjunto com Subhi Kamal, ex-professor na Universidade Rei Fahd. O relatório adverte que permitir que as mulheres dirijam iria “provocar uma onda de prostituição, homossexualismo, pornografia e divórcio“. Dentro de dez anos após a proibição ser levantada, os autores do relatório afirmam, não haveria mais “ virgens no reino islâmico. E salientou que um “declínio moral” já pode ser visto em outros países muçulmanos, onde as mulheres não podem dirigir (1/Dec/2011, Mail). (Lembre-se: sob o Islão, mulheres são propriedades do homem, além de serem deficientes em inteligência — e se uma mulher foi estuprada, a culpa é dela). 

Lei de Proteção da Família no Irã
O governo do Irã chama isso de Lei de Proteção da Família, mas ativistas a chamam de lei “anti-família.” Esta lei dá aos homens o direito de tomarem uma segunda esposa sem a permissão da primeira, e garante o direito do homem em ter um número ilimitado de casamentos temporários, que podem durar de 10 minutos a 99 anos. Esses arranjos vêm da Sharia e tem existido no Iran, mas a Lei da Proteção da Família os torna oficiais  (29/Nov/2011, Fox News)

Condenada por ter sido estuprada
Segundo a lei islâmica, uma mulher para provar que foi estuprada deve ter o testemunho de 4 homens (vamos e venhamos, algo impossível de acontecer). Isto de acordo com o Alcorão (24:11-20). Caso a pobre estuprada não tenha as testemunhas, melhor ela ficar caladinha e torcer para não engravidar, pois se isso acontecer ela vai ser acusada de adultério, e ser punida com isso. 

Foi isso que aconteceu com a jovem Galnuz, de 21 anos, presa do Afeganistão desde 2009. Ela foi estuprada pelo primo do marido. O agressor negou ter estuprado Galnuz e disse que a jovem, se deixar a prisão, correrá risco de ser vítima de um assassinato de honra – cometido provavelmente por sua própria família (29/11/2011, O Globo). 



Atualização: devido a pressão internacional, o presidente do Afeganistão irá liberar Galnuz desde que ela se case com o seu estuprador (seja uma das quatro). PS. Ela teve o parto na prisão. (1/12 O Globo). O que você acha deste história? Ela se repete (desde o século 7).

As Gatinhas do Iemen
A foto mostra mulheres no Iemen usando suas roupas tradicionais. De onde vêm esta “bela” tradição iemenita? Advinha?

NProfeta! Diga a suas esposas e filhas, e todas as mulheres muçulmanas, para usarem capas e véus cobrindo todo o seu corpo (cobrindo-se totalmente exceto para um ou dois olhos para ver o caminho). Isso vai ser melhor. Elas não vão se aborrecer e nem serem molestadas. [Alcorão 33:59]. 

Enquanto as mulheres se cobrem, mas o homens não. Essa é a igualdade de direitos de gênero no Islão.

“Islamistas dizem ter vencido eleições no Marrocos”
Esse notícia do O Globo chama a uma reflexão. O fato é que sempre que existem eleições em países de maioria islâmica, os partidos que defendem a implementação da lei islâmica (Sharia) acabem eleitos. Porque isso? Porque é dever de todo o muçulmano lutar pela implementação da Sharia, de modo que o Islão tenha controle político sobre tudo. Eles são inculcados disso desde criançinha, quando são educados (lavagem cerebral) nas Madrassas (onde eles aprendem a odiar tudo o que é não-muçulmano). E o que as mulheres podem esperarar vivendo sob a lei islâmica? A foto mostra as mulheres “progressistas” votando.

Escritora Libanesa teme extremismo e questiona democracia sem participação da mulher
Em entrevista publicada no jornal O Globo
de hoje (20/Nov/2011), a jornalista libanesa Joumana Haddad se diz cética quanto aos rumos tomados pela “Primavera Árabe” e sobre o papel reservado às mulheres. “O mundo árabe está caindo aos pedaços,” diz ela.  “As pessoas não vão compreender o quanto o extremismo religioso é terrível até sentirem a pressão de viver sob ele”, disse a autora de “Eu matei Sherazade.” Durante a entrevista ela disse “não posso me dar o luxo de ser otimista. No Líbano, somos treinados para a decepção.” Sem dúvidas. Qual o futuro da “Primavera Árabe” sabendo-se que, no Egito a Irmandade Muçulmana deseja implementar a Lei Islâmica (Sharia) (WND), na Líbia o líder interino do governo ‘diz que a Sharia será a base do país’ (Mail) e, na Tunísia o recém-eleito líder de governo pelo partido Ennahda declara como objetivo o retorno do Califado (sistema de governo dos impérios islâmicos baseado na Sharia) (DailyStar). Veja o que é a Lei Islâmica.

Será este o futuro das mulheres no Egito?
Com toda a publicidade da chamada “Primavera Árabe,” vem ao conhecimento esta candidata às eleições no Egito. Madame Salah defende que “mulheres são deficientes em inteligência e religião, e que não é permitido a elas estarem em autoridade ou ocupar o cargo da presidência.” Ela advoga a aplicação da Sharia, incluindo a decepação de mãos e pés para criminosos, a proibição para que homens e mulheres se misturem, e que a roupa para mulheres e homens sejam: preta para as mulheres e branca para os homens.


É deste jeito que o Islã liberta as mulheres? (18/Nov/2011, Andrew Bostom, PJMedia).

Mulheres devem cobrir olhos provocativos na Arábia Saudita

De acordo com reportagem na Al Arabiyya News, a Comissão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício da Arábia Saudita declarou que irá começar a “interferir com” e “ordenar” as mulheres a cobrirem os seus olhos caso “eles provoquem fitna [sedição, caos].” O porta-voz acrescentou que “os nossos homens têm todo o direito de fazer isso.” A imagem é retirada da reportagem da TV (16/Nov/2011, Raymond Ibrahim, PJMedia).

Mulheres no Egito amarradas e conduzidas como camelos
A foto abaixo, tirada durante um recente protesto no Egito, mostra mulheres cercadas por uma corda e sendo conduzidas como camelos. Repare no lado direito da foto mão de um homem segurando e puxando a coleira. Isto é feito, diz-se, como uma medida preventiva para evitar que as mulheres se misturem com os homens durante os protestos. Textos islâmicos comparam as mulheres como camelas. Um lembrete para aqueles que pensam que a história deve sempre trazer progresso, 50 anos atrás, a maioria esmagadora das mulheres egípcias se vestiam com roupas modernas, sem cobrirem os cabelos, e nunca se subjeitariam a serem amarradas como camelos  (10/Nov/2011, Raymond Ibrahim, PJMedia).

Na Alemanha multicultural, aumenta o caso de casamentos forçados
Esta é uma prática que vem como consequência do fato da mulher pertencer ao homem (9/Nov/2011, O Globo).

Mulher punida após protestar contra o véu
Mulher iraniana narra a sua vivência sob o jugo do Islão. Ela foi presa por 2 anos, estuprada e teve a sua perna quebrada por se recusar a usar o véu.

Fatwa 2134, sobre poligamia: 
    Poligamia por sí só já é algo degradante para a mulher. Mas o pior são os motivos apresentados para defende-la. Um exemplo é a Fatwa (édito religioso) recentement editada, que diz:

Poligamia é permitida por diversos motivos, por exemplo:
1- A energia sexual do homem é, em geral, maior do que da mulher. Então, em alguns casos, uma esposa não é suficiente para satisfazer os desejos conjugais do seu marido.
2- Gravidez e parto afetam negativamente a forma e a atração física que a mulher possui.
3- Em termos mundiais, o percentual de mulheres é maior do que o de homens, eventualmente, deve existir uma solução, qual seja, ou permitir adultério e prostituição, ou permitir a poligamia.
4- Um marido pode tomar conta de mais do que uma esposa ao mesmo tempo, quer seja socialmente, monetariamente e mesmo sexualmente com eu mencionei acima. Entretanto, o oposto não é correto, devido a capacidade física e psicológica que Alá altíssimo deu para os homens.

Direito das Mulheres Muçulmanas no … Canadá!
Foi noticiado em jornais canadenses (The Star; National Post) que um escola pública em Toronto promove orações islâmicas todas as sextas-feiras. Isso, por sí só, já vai de encontro a prescrição de que orações, de qualquer natureza, são proibidas nas escolas canadenses (isso ocorreu nas décadas de 60 e 70, quando deixou-se de rezar o Pai Nosso nas escolas públicas). Pior ainda é o fato de como as crianças são organizadas para a oração islâmica. veja na foto abaixo. Primeiro os meninos, que entram pela porta de frente, depois as meninas, que entram pela porta de trás, e por último as meninas que estiverem menstruando, que não podem orar por estarem impuras. Este é o Islão para as mulheres, que vem sempre depois dos homens, sendo que as mulheres que estiverem menstruadas são impuras. Nós pensamos que isso é ridículo. Mas esta mentalidade está ganhando força. Acontece até no Canadá, um país que consideramos como “progressista.” E situações semelhantes ocorrem em outras escolas em Toronto e em outras cidades do Canadá (Ottawa Sun).

E ao ser perguntado sobre isso, o diretor do distrito do qual a escola pertence disse: “nós temos a responsabilidade e a obrigação de acomodar as necessidades da fé.” De que fé ele se refere? Cristãos, judeus, hindus, budistas, etc, não encontram estas regalias nas escolas canadenses! O que este diretor está fazendo, mesmo sem saber, é impor a Lei Islâmica, usando o dinheiro do contribuinte canadense. (July/2011)

Os casos de Shakila e Mujahedeh, mortas pelo honra do homem
O marido de Shakila achou que ela tinha um caso com um menino. Por isso, ela a matou com 60 facadas. Shakila fugiu de casa por se recusar a se casar com um homem que tinha idade para ser seu avô. Ao voltar para casa ela foi morta pelo seu pai. No Afeganistão. (Julho/2011, Al Arabyia).

Clube da Poligamia
Funciona desde 2009, no Indonésia, o Clube da Poligamia. Segundo a fundadora do Clube, Gina Puspita, “há muitas vantagens para as mulheres em casamentos polígamos.” Ela diz que nos casamentos polígamos “aprendemos a controlar nossos desejos e ciúmes e isto nos leva para mais perto de Alá”. (BBC)

Clube das Mulheres Obedientes
Um grupo de muçulmanas inaugurou, na Malásia, o Clube das Esposas Obedientes, entidade que defende a submissão incondicional das mulheres à vontade de seus maridos como forma de reduzir o índice de divórcio e de violência doméstica. Segundo o clube, “males sociais” como o alcoolismo, o consumo de drogas e a prostituição têm suas origens em esposas rebeldes que se afastam do caminho de Alá. A vice-presidente da entidade, a médica Rohaya Mohamed, diz que “os abusos dentro do lar ocorrem porque as mulheres não obedecem às ordens de seus maridos. Eles sempre têm a razão, que tem origem divina, o que não os exime de sua responsabilidade, que é sustentar a família.” Ou seja, a culpa é da esposa. (Terra)

Oslo: todos assaltos sexuais que resultam em estupros cometidos por pessoas de origem “não-ocidental”   
Se voce ver o vídeo, você vai perceber que o termo “não-ocidental” é um artifício politicamente correto para se referir a pessoas cuja “religião” permite ao homem tudo, e a mulher não tem “direito e nem opiniões”. Veja bem. Na Noruega, estupro é crime. Mas sob a Lei Islâmica (Sharia) se a mulher não tiver a testemunha de 4 (isso mesmo, quatro) homens para provar o estupro  a mulher pode ser acusada de comportamento ilícito (ou adultério se for casada) e ser açoitada ou mesmo apedrejada. E isso acontece nos países de maioria islâmica.



Jovem de 17 anos apedrejada … na Ucrânia!
Tem gente acha que a Europa está longe do alcançe da Lei Islâmica (Sharia). Nem tanto. Jovem muçulmana de 19 anos apedrejada até a morte por ter participado de concurso de beleza (O Globo). Um dos assassinos, um adolescente de 16 anos, diz não se arrepender pois a jovem havia violado a Sharia. Isso mostra que mesmo que Alá não mande a sua “punição” vai ter sempre um “religioso” para aplicar a “lei de Alá.” E que as maiores vítimas do Islão são os próprios muçulmanos.

Divórcio, Estilo Islâmico
Sob a lei islâmica, a Sharia, um homem pode se divorciar da sua esposa simplesmente repetindo 3 vezes “eu me divorcio de você.” Agora, dentro da era da comunicação eletrônica, uma nova modalidade de divórcio islâmico surge: o divórcio SMS. A esposa foi informada do divórcio por mensagem de texto. Agora, ela quer esclarecimentos na corte islâmica se este procedimento é válido.
Egyptian woman in legal test of SMS divorce
Ao final da notícia, diz-se que “de acordo com as estatísticas oficiais do Egito, um divórcio acontece a cada 6 minutos.”
Isto contradiz o que ouvimos de apologistas do Islão, de que sob o islão existe estabilidade familiar.

Veja mais exemplos AQUI (Parte 2)